O aluno com altas habilidades/superdotação em escola ribeirinha na Amazônia

José Adnilton Oliveira Ferreira, Relma Urel Carbone Carneiro

Resumo


Neste estudo investigou-se a inclusão de um aluno com altas habilidades/superdotação em escola ribeirinha na Amazônia Amapaense. Para tanto realizou-se uma pesquisa baseada na abordagem qualitativa, a partir da seguinte questão de pesquisa: Como tem se dado a inclusão escolar de um aluno com altas habilidades/superdotação em uma escola ribeirinha no município de Mazagão no Estado do Amapá? A pesquisa teve como objetivo geral analisar o processo de inclusão de alunos com altas habilidades/superdotação do 1º ao 5º ano do Ensino Fundamental. O lócus da pesquisa foi uma Escola ribeirinha localizada no município de Mazagão no Estado do Amapá. Para a coleta dos dados foram realizadas entrevistas semiestruturadas, observação e registro fotográfico. Os participantes da referida pesquisa foram um professor da turma do aluno com altas habilidades/superdotação, um professor do Atendimento Educacional Especializado, um aluno com altas habilidades/ /superdotação, um coordenador pedagógico e o diretor da escola. Os dados coletados foram analisados a partir da análise de conteúdo, considerando a definição da categoria apriorística: inclusão escolar, assim como outras categorias intermediárias e categorias finais que no caso são as não apriorísticas que emergiram do referencial teórico adotado na pesquisa e da investigação empírica. Os resultados apontaram que existem dificuldades, no processo de inclusão deste público, relacionadas a vários aspectos como a formação de professores e de toda equipe escolar, de infraestrutura, de organização das salas de aula, entre outros, bem como, demonstraram a importância de pesquisas neste universo para o fortalecimento de questões teórico-práticas relativas à inclusão.

Palavras-chave


Inclusão escolar; Altas habilidades/superdotação; Amazônia amapaense; Educação ribeirinha.

Texto completo:

PDF PDF (English)

Referências


ALVES-MAZZOTTI, A. J; GEWANDSZNAJDE, F. O método nas ciências naturais e sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa. 2. ed. São Paulo: Pioneira, 198p., 2002.

ALMEIDA, E. M. M. Educação Ribeirinha na Amazônia. São Leopoldo: Oikos, 2010.

ALMEIDA, E. M. M. Ecologia de Saberes: Um estudo do diálogo entre o conhecimento escolar e o saber popular dos ribeirinhos da Ilha do Açaí. 2016, 227 f. Tese (Doutorado em Educação) – Departamento de pós-graduação em Educação da Universidade Nove de Julho - UNINOVE, São Paulo, 2016.

ANDRÉ, M. E. D. A. Etnografia da Prática Escolar. 9. ed. São Paulo: Papirus, 2003.

BEZERRA NETO, L. Na luta pela terra, a conquista do conhecimento. São Carlos: Pedro & João Editores, 2013.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em educação. 3. ed. Porto: Porto Editora, 1994.

BRASIL. Constituição Federal de 1988. Brasília, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm. Acesso: 19 de fev. 2014.

BRASIL. Lei nº 9394, de 20 de dezembro de 1996. Brasília. 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9394.htm. Acesso em 06 de out. de 2014.

BRASIL. Ministério da educação: Diretrizes nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Secretaria de Educação Especial. MEC. SEESP, 2001.

BRASIL. Lei nº 10172, de 09 de janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Brasília, DF. 2001. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/leis_2001/l10172.htm. Acesso em 05/01/2007.

BRASIL. Resolução Nº 2, de 11 de fevereiro de 2001. CNE/CEB. Institui Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Brasília, DF: MEC/SEESP, 2001. Disponível em: portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf. Acesso em: 14/12/2011.

BRASIL. Secretaria de Educação Especial. Subsídios para a organização e funcionamento de serviços de educação especial: Área de Altas Habilidades. Brasília: MEC/SEESP, 2006.

BRASIL. Comitê Nacional de Educação em Direitos Humanos. Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos, Ministério da Educação, Ministério da Justiça, UNESCO, 2006.

BRASIL. Ministério da Educação. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: MEC, 2008. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/politica.pdf. Acesso em: 12 mar. 2015.

BRASIL. Lei 12.796, de 4 de abril de 2013. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para dispor sobre a formação dos profissionais da educação e dar outras providências, 2013a. Disponível em: http://www. planalto. gov. br/ccivil_03/_ato2011-2014/2013/lei/l12796.htm. Acesso em: 12 mar. 2015.

CALDART, R, S. Por Uma Educação do Campo: traços de uma identidade em construção. In: KOLLING, E. J.; CERIOLI, P. R.; CALDART, R. S. (Org.). Educação do Campo: identidade e políticas públicas. Brasília: Articulação Nacional por uma Educação do Campo, p. 12- 60, 2010.

CARVALHO, M. C. B. O lugar da família na política social. In: M. C. B. Carvalho (Org.). A família contemporânea em debate. São Paulo: EDUC. 3ª ed. p. 13-21, 2006.

CHICON, J. F. Praticas Pedagógicas para o Ensino de Crianças Especiais, 2 ed. Rio de Janeiro: Cortez, 1999.

DELOU, C. M. C. Educação do Aluno com Altas habilidades/superdotação: Legislação e Políticas Educacionais para a Inclusão. In: FLEITH, D. S. (org). A construção de práticas educacionais para alunos com altas habilidades/superdotação. volume 1, orientação a professores/organização: Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2007.

DELOU, C. M. C. A formação de professores para estudantes com altas habilidades/ superdotação no Brasil. In: MENDES, E. G., ALMEIDA, M. A. (Orgs.). Dimensões Pedagógicas nas práticas de inclusão escolar. Marília: ABPEE, v. 2, p. 333-345, 2012.

ESTATUTO DO SINDICATO DOS TRABALHADORES DE EDUCAÇÃO MAZAGÃO DO AMAPÁ. Manual de registro fotográfico. 2016. Disponível em: http://www.sintemap.org.br/v2.0/. Acesso em: 30 mar. 2016.

FREITAS, S. N.; PÉREZ, S. G. P. B. Altas habilidades/superdotação: atendimento especializado. Marília, SP: ABPEE, 2012.

HAGE, S. M. Classes multisseriadas: desafios da educação rural na Amazônia. Belém, Pará, 2004. Disponível em: http://www.educampoparaense.org. Acesso em: 28 jan. 2013.

HAGE, S. M. Classes multisseriadas: desafios da educação rural no estado do Pará/região Amazônica. In: ___. (Org.). Educação do campo na Amazônia: retratos de realidade das escolas multisseriadas no Pará. Belém: Gutemberg, 2005.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. IBGE. Censo demográfico 2013. 2013. Disponível em: http://www.ibge.gov.br.portal.mec.gov.br/escolasdocamporibeirinhasbuscageral/212-noticias//home/. Acesso em: 30 de fev. 2016.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. IBGE. Censo demográfico 2014. Índice de analfabetismo da população no Município de Mazagão. Disponível em Acesso em: 19 de mar. 2016.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTI. IBGE. Censo demográfico 2016. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, a taxa de analfabetismo entre brasileiros com 15 anos ou mais e as características gerais da população de Mazagão. Rio de Janeiro: IBGE, 2016. Disponível em: http://censo2016.ibge.gov.br/resultados. Acesso em: 06 mar. 2017.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTI. IBGE. Censo demográfico 2016. A proporção de pessoas ocupadas em relação à população total era de 4.4% na comparação com os outros municípios do estado. Rio de Janeiro: IBGE, 2016. Disponível em http://www.ibge.populaçãototalmunicipios.gov.br/home/. Acesso em: 19 de fevereiro. 2017.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTI. IBGE. Censo demográfico 2017. Concentração da população, estimada em 20.387 habitantes e área de 13.294,778 km². 2017. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/concentracaoda.populacaohome/. Acesso em: 23 de maio. 2017.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA - INEP. Censo Escolar 2015. Disponível em: http://www.inep.gov.br/basica/censo/escolar/resultados.htm. Acesso: 19 de fev. 2015.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA - INEP. Censo Escolar 2016. Disponível em: http://www.inep.gov.br/basica/censo/escolar/educacaoespecialresultados.htm. Acesso em: 20 de fev. 2017.

LAVILLE, C; DIONE, J. A construção do saber: manual de metodologia da pesquisa em ciências humanas. Porto Alegre: Artmed, 2000.

LUDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 99p., 1986.

MAZAGÃO. Indicação nº 01/03 de 02 de fevereiro de 2017. Elabora dados de matricula complementares para a Secretaria de Estado da Educação/Prefeitura Municipal de Mazagão: SEED/PMMz, 2017.

MOLINA, M. C; FREITAS, H. C. de A. Educação do campo. Brasília. Em Aberto, v. 24, n. 85, p. 11, abr. 2011.

MOREIRA, A. F.; CANDAU, V. M. Currículo, conhecimento e cultura. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2008.

MOURA, T. V.; SANTOS, F. J. S. Por uma pedagogia das classes multisseriadas. In: EPENN-Encontro de Pesquisa Educacional do Norte e Nordeste, 20. 2011, Manaus-AM. Anais do XX EPENN. Manaus-AM, UFAM, 2011. (GT 26 – Educação e Ruralidades).

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS - ONU. Declaração Universal dos Direitos Humanos. 1948. Disponível em: http://www.onu-brasil.org.br/documentos_direitoshumanos.php. Acesso em 19 de agosto de 2015.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS - ONU. Fórum Mundial de Educação na Coréia do Sul. 2015. Disponível em. http://www.onu-brasil.org.br/documentos_declaracaoincheon.php. Acesso em 19 de agosto de 2015.

PÉREZ, S. G. P. B. Mitos e Crenças sobre as Pessoas com Altas Habilidades: alguns aspectos que dificultam o seu atendimento. Cadernos de Educação Especial. Santa Maria, n. 22, p. 45-59, 2003.

PÉREZ, S. G. P. B. Gasparzinho vai à escola: um estudo sobre as características do aluno com altas habilidades produtivo criativo. Porto Alegre, 2004. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Educação – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2004.

PÉREZ, S. G. P. B. Políticas públicas para as altas habilidades/superdotação: Incluir ainda é preciso. In: MENDES, E. G., ALMEIDA, M. A. (Orgs.). Dimensões Pedagógicas nas práticas de inclusão escolar. Marília: ABPEE, v. 2, p. 347-362, 2012.

PLETSCH, M. D; FONTES, R. de S. A inclusão escolar de alunos com necessidades especiais: diretrizes, práticas e resultados de uma experiência brasileira. Revista Educar, Jalisco, México, n. 37, p. 87-97, 2006.

RIBEIRO, D. O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. 6ª reimpressão. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

RODRIGUES, D. S. S. et al. Cultura, cultura popular amazônica e a construção imaginária da realidade. In: OLIVEIRA, Ivanilde Apoluceno de (Org.). Cartografias de saberes: representações sobre a cultura amazônica em práticas de educação popular. Belém: EDUEPA, 2004.

SASSAKI, R. K. Inclusão. Construindo uma sociedade para todos. Rio de Janeiro: WVA, 1997.

SILVA, M. das G. S. N. O espaço ribeirinho. São Paulo: Terceira Margem, 2000.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

UNESCO. Declaração Mundial sobre Educação para Todos: plano de ação para satisfazer as necessidades básicas de aprendizagem. UNESCO, Jomtiem/Tailândia, 1990.

UNESCO. Declaração de Salamanca e linha de ação sobre necessidades educativas especiais. Brasília: UNESCO, 1994.

WERNECK, C. Ninguém mais vai ser bonzinho na sociedade inclusiva, 2 ed. Rio de Janeiro: WVA, 2000.

WINNER, E. Crianças superdotadas: mitos e realidades. Tradução Sandra Costa. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

WOLFF, F. Por trás do espetáculo: o poder das imagens. In: NOVAES, A. (org). Muito além do espetáculo. São Paulo: Editora Senac São Paulo, p. 16-45, 2005.




DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v24i1.13421



Rev. on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1519-9029

DOI prefix: 10.22633/rpge

Licença Creative Commons 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.