O currículo de formação de professores de línguas

Entre o prescrito e o realizado

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v27iesp.1.17924

Palavras-chave:

Ideologemas, Saberes disciplinares, Professor reflexivo

Resumo

Este artigo analisa como os saberes docentes são desenvolvidos na formação inicial, a fim de formar professores de línguas conscientes para um projeto de educação linguística. Tomamos como registro documental o Projeto Pedagógico de um curso de Letras e realizamos uma entrevista com alunos do último período do curso. Como aporte teórico utilizamos o conceito de ideologema (DEL VALLE, 2010) e analisamos os dados a partir da Análise do Discurso Crítica (WODAK, 2009) e as relações de poder estabelecida numa instância de formação inicial (FOUCAULT, 2008, 2014). Os resultados mostram que divergências entre o que é prescrito no documento que orienta a formação e o que é realizado pelos professores formadores pode interferir negativamente no desenvolvimento do potencial crítico-reflexivo dos professores em formação, no que diz respeito à apropriação dos saberes disciplinares (linguísticos) da profissão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Raymundo Figueiredo Lins Júnior, Universidade Estadual Vale do Acaraú

Professor Adjunto do curso de Letras. Doutorado em Linguística (UFPB).

Referências

ALVARENGA, F. M. A formação de professores no curso de Letras: O currículo e suas interseções entre os saberes e a relação teórico-prática. Um estudo de caso do curso de Letras da UFSJ. 2012. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, 2012. Disponível em: https://www.locus.ufv.br/bitstream/123456789/3428/1/texto%20completo.pdf. Acesso em: 14 fev. 2020.

ANTUNES, I. Muito além da gramática: Por um ensino de línguas sem pedras no caminho. São Paulo: Parábola Editorial, 2007.

BAGNO, M. Preconceito linguístico. 56. ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2015.

BAGNO, M. Curso de Letras? Pra quê? Blog da Parábola Editorial, São Paulo, jun. 2017. Disponível em: https://www.parabolablog.com.br/index.php/blogs/curso-de-letras-pra-que-1. Acesso: 02 fev. 2022.

BAGNO, M.; RANGEL, E. O. Tarefas da educação linguística no Brasil. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, Belo Horizonte, v. 5, n. 1, p. 63-81, 2005. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbla/a/LdCCsV35tZzGymcnq8DcW5p/?lang=pt. Acesso em: 14 mar. 2022.

BRASIL. Synopse do recenseamento de 31 de dezembro de 1900. Ministério da Indústria, Viação e Obras Públicas, Directoria Geral de Estatística. Rio de Janeiro: Typ. da Estatística, 1905. Disponível em: http://www2.senado.leg.br/bdsf/handle/id/222260. Acesso em: 04 jan. 2022.

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais: Terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua estrangeira. Brasília, DF: MEC, 1998.

BRASIL. Parecer CNE/CP n. 2/2015, de 09 de junho de 2015. Diretrizes curriculares nacionais para a formação inicial em curso superior. Brasília, DF: MEC, 2015. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CES0492.pdf. Acesso em: 11 fev. 2022.

COSTA, M. A. Políticas de formação docente para a educação profissional: Realidade ou utopia? Curitiba, PR: Appris, 2016.

DEL VALLE, J. Glotopolítica, ideologia y discurso: categorias para el estatus simbólico del español. In: DEL VALLE, J. (org.). La lengua, ¿patria común? Ideas y ideologías del español. Frankfurt/Madrid: Vervuet/Iberoamericana, 2007.

FLORES, M. A. Formação docente e identidade profissional: Tensões e (des)continuidades. Educação, Porto Alegre, v. 38, n. 1, p. 138-146, jan./abr. 2015. Disponível em: https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/view/15973. Acesso: 12 fev. 2022.

FOUCAULT, M. A arqueologia do saber. 7. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. 24. ed. São Paulo: Loyola, 2014.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 64. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2017.

GATTI, B. A. et al. A atratividade da carreira docente no Brasil. In: FUNDAÇÃO VICTOR CIVITA. Estudos e pesquisas educacionais. São Paulo: FVC, 2010. v. 1. Disponível em: https://fvc.org.br/wp-content/uploads/2018/04/estudos_e_pesquisas_educacionais_vol_1.pdf. Acesso em: 12 fev. 2022.

GATTI, B. A. Formação de professores no Brasil: Características e problemas. Educ. Soc., Campinas, v. 31, n. 113, p. 1355-1379, out./dez. 2010. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/R5VNX8SpKjNmKPxxp4QMt9M/?lang=pt&format=pdf. Acesso: 12 fev. 2022.

KRAMSCH, C. The multilingual subject. Oxford: Oxford University Press, 2009.

KRAMSCH, C. Authencity and legitimacy in multilingual SLA. Critical Multilingualism Studies, n. 1, v. 1, p. 107-128, 2012. Disponível em: https://cms.uawebhost.arizona.edu/ojs3/multilingual/article/view/9/20. Acesso: 02 abr. 2022.

KUMARAVADIVELU, B. The post-method: (E)merging strategies for second/foreign language teaching. TESOL Quarterly, n. 28, p. 27-48, 1994. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/3587197. Acesso: 02 maio 2022.

KUMARAVADIVELU, B. Toward a postmethod pedagogy. TESOL Quarterly, n. 35, p. 537-560, 2001. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/3588427. Acesso: 02 maio 2022.

LINS JR., J. R. F. Educação linguística e formação de professores de línguas crítico-reflexivos: Uma análise dos discursos de licenciandos do curso de Letras da UEVA. 2019. Tese (Doutorado em Linguística) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2019. Disponível em: https://repositorio.ufpb.br/jspui/handle/123456789/20013. Acesso em: 11 mar. 2020.

MARTELOTTA, M. E. Conceitos de gramática. In: MARTELOTTA, M. E. (org.). Manual de linguística. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2016.

MOITA LOPES, L. P. Inglês e globalização em uma epistemologia de fronteira: Ideologia linguística para tempos híbridos. D.E.L.T.A., São Paulo, v. 24, n. 2, p. 309-340, 2008. Disponível em: https://www.scielo.br/j/delta/a/ghf3PYNYBkxXHskTwZ9QyBy/abstract/?lang=pt. Acesso: 02 maio 2022.

NEBRIJA, A. Gramática de la lengua castellana. Edición crítica de Antonio Quilis. Madrid: Instituto de Coopoeración Iberoamericana: Ediciones de Cultura Hispánica, [1492]1992.

PIMENTA, S. G. (org.). Saberes pedagógicos e atratividade docente. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2005.

RILEY, P. Language, culture and identity. An ethnolinguistic perspective. London: Continuum, 2007.

SANTOS, B. S. Um discurso sobre as ciências. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

SCHÖN, D. A. Educando o profissional reflexivo: Um novo design para o ensino e a aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 2000.

SCHÖN, D. A. The reflective practioner: How professionals think in action. New York: Basic Books Inc., 1982.

SIBILIA, P. Redes ou paredes: A escola em tempos de dispersão. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

SOBRAL. Projeto pedagógico do curso de Letras (Licenciatura). Sobral, CE: Universidade Estadual Vale do Acaraú, 2015.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 17. ed. Petropólis, RJ: Vozes, 2014.

TARDIF, M.; GAUTHIER, C. A pedagogia: Teorias e práticas da Antiguidade aos nossos dias. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010.

TARDIF, M.; LESSARD, C. Trabalho docente: Elementos para uma teoria da docência como profissão de interações humanas. 9. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014.

WODAK, R. De que trata el análisis crítico del discurso (ACD): Resumen de su historia, sus conceptos fundamentales y sus desarollos. In: WODAK, R.; MEYER, M. Métodos de análisis crítico del discurso. Barcelona: Guedisa, 2003.

YOUNG, M. O futuro da educação em uma sociedade do conhecimento: O argumento radical em defesa de um currículo centrado em disciplinas. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 16, n. 48, p. 609-810, 2011. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbedu/a/WRv76FZpdGXpkVYMNm5Bych/?lang=pt. Acesso: 02 abr. 2022.

Publicado

13/05/2023

Como Citar

LINS JÚNIOR, J. R. F. O currículo de formação de professores de línguas: Entre o prescrito e o realizado. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 27, n. esp.1, p. e023019, 2023. DOI: 10.22633/rpge.v27iesp.1.17924. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/17924. Acesso em: 19 jul. 2024.