Concepções de discentes sobre sua formação em medicina em uma universidade pública

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26673/tes.v17i00.14680

Palavras-chave:

Educação médica, Educação de graduação em medicina, Estudantes de medicina

Resumo

Este estudo tem como objetivo analisar as concepções de estudantes de medicina sobre sua formação universitária. Para tanto, optou-se por um estudo descritivo, do tipo transversal, com abordagem qualitativa, realizado com estudantes que frequentavam o último semestre do 3° ano do curso de graduação em medicina, de uma escola pública do interior do estado de São Paulo. Para tanto, 10 estudantes foram selecionados aleatoriamente para responderem a um instrumento de complemento de frases, e três deles para participar de uma entrevista semiestruturada. Os sujeitos apontaram diversos aspectos responsáveis por promover transformações em si mesmos durante a vivência universitária. Em suas falas tais aspectos transcendem a questão unicamente técnica, envolvendo também aspectos afetivos e cognitivos que os possibilitaram se apropriar da condição humana e desenvolver o autoconhecimento. Relataram, ainda, que com a metodologia do curso tiveram que aprender a trabalhar em grupo e a exercer a cooperação. Por outro lado, os sujeitos também destacaram as dificuldades nos anos iniciais do curso, além da necessidade que sentem de serem avaliados com maior frequência e objetividade ao longo do curso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eveline Tonelotto Barbosa Pott, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos – SP

Pós-doutoranda do Departamento de Metodologia de Ensino.

Henrique Pott-Junior, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos – SP

Médico e Doutor em Infectologia. Professor Adjunto do Departmento de Medicina.

Referências

ARAGÃO, J. C. S.; ALMEIDA, L. D. S. Raciocínio Clínico e Pensamento Crítico: Desenvolvimento na educação médica. Revista de Estudios e Investigación en Psicología y Educación, n. 12, p. 19, 17 dez. 2017. Disponível em: http://revistas.udc.es/index.php/reipe/article/view/reipe.2017.0.12.2259. Acesso em: 10 dez. 2019.

BARBOSA POTT, E. T.; POTT JUNIOR, H. Mapeando os estudos sobre educação médica no Brasil: tendências e perspectivas. Revista Sustinere, v. 7, n. 1, p. 132–152, 25 jul. 2019. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/sustinere/article/view/38418. Acesso em: 10 dez. 2019.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo - Ed. Revista e Ampliada. São Paulo: Edições 70, 2011.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho nacional de educação. Resolução CNE/CES no 3, de 20/06/2014. Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Medicina. Diário Oficial da União, 2014.

DIAS, D.; SOARES, D.; MARINHO-ARAÚJO, C.; ALMEIDA, L. S. O que se “ensina” no Ensino Superior: avaliando conhecimentos, competências, valores e atitudes. Revista Meta: Avaliação, v. 10, n. 29, p. 318, 15 ago. 2018. Disponível em: http://revistas.cesgranrio.org.br/index.php/metaavaliacao/article/view/1592. Acesso em: 10 dez. 2019.

FEUERWERKER, L. O movimento mundial de educação médica: as conferências de Edinburgh. Cad ABEM, v. 2, n. 2, p. 30–38, 2006.

GONZALEZ REY, F. L.; MITJANS MARTINEZ, A. Subjetividade, complexidade e pesquisa em psicologia. São Paulo: Cortez, 2011.

HAMAMOTO FILHO, P. T.; OLIVEIRA, C. C.; SILVA, L. A.; CARVALHO, L. R., PERAÇOLI, L. C.; BORGES, V. T. Feedback de usuários como subsídio para avaliação do estudante de medicina. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 36, n. 3, p. 381–386, set. 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-55022012000500013&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 10 dez. 2019.

HAMAMOTO FILHO, P. T.; SANTOS FILHO, C. A.; ABBADE, J. F.; PERAÇOLI, L. C. Produção científica sobre educação médica no Brasil: estudo a partir das publicações da Revista Brasileira de Educação Médica. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 37, n. 4, p. 477–482, dez. 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-55022013000400002&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 10 dez. 2019.

LIBÂNEO, J. Os métodos de ensino. São Paulo: Cortez, 1994.

MARINHO-ARAUJO, C. M.; RABELO, M. L. Avaliação educacional: a abordagem por competências. Avaliação (Campinas), v. 20, n. 2, p. 443–466, 2015.

NOGUEIRA, M. I. As mudanças na educação médica brasileira em perspectiva: reflexões sobre a emergência de um novo estilo de pensamento. Revista Brasileira de Educação Médica, v. 33, n. 2, p. 262–270, jun. 2009. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-55022009000200014&lng=pt&tlng=pt. Acesso em: 10 dez. 2019.

SIQUEIRA, B. CINAEM - um pouco de sua história. Cad ABEM, v. 2, n. 2, p. 54–56, 2006.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO CARLOS. Centro de ciências biológicas e da saúde. Coordenação da graduação em medicina. Caderno do Curso de Medicina. São Carlos, 2007.

Publicado

28/06/2021

Como Citar

BARBOSA POTT, E. T.; POTT-JUNIOR, H. Concepções de discentes sobre sua formação em medicina em uma universidade pública. Temas em Educação e Saúde , Araraquara, v. 17, n. 00, p. e021008, 2021. DOI: 10.26673/tes.v17i00.14680. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/tes/article/view/14680. Acesso em: 6 dez. 2021.