Redação na escola: o que os professores dizem e silenciam sobre essa prática

Autores

  • Filomena Elaine P. Assolini Universidade de São Paulo (Usp), Faculdade de Filosofia Ciências e Letras

DOI:

https://doi.org/10.30715/rbpe.v19.n2.2017.10914

Palavras-chave:

Redação. Escrita. Alunos. Professores.

Resumo

A preocupação com a escrita na escola, em especial com a prática de redação produzida por estudantes do ensino fundamental, instigou-nos à realização de ampla pesquisa, onde se investigou como os professores desse nível de ensino imaginam e discursivizam os alunos, nesse processo. O corpus foi constituído por depoimentos escritos de cerca de trinta professores do ensino fundamental, que ministram aulas em escolas públicas brasileiras. A partir desse vasto campo discursivo, realizamos alguns recortes. Sequências discursivas de referência foram por nós selecionadas, a partir dos recortes. Fundamentados na Análise de Discurso de Matriz Francesa, na Teoria Sócio-Histórica do Letramento, na Psicanálise freudo-lacaniana e nas Ciências da Educação, realizamos análises discursivas, cujos resultados indicam que: a) os professores concentram-se mais no que imaginam serem faltas e lacunas de saberes dos estudantes e menos em seus saberes escolares ou não acumulados; b) os professores não se entendem como profissionais capazes de lidar com o que pressupõem serem dificuldades dos alunos em relação à produção escrita; c) o discurso da oralidade de alguns alunos não é reconhecido nem valorizado pelos professores; d) eles imaginam que alguns alunos se encontram em nível zero de alfabetização e letramento, quando chegam à escola básica. A inscrição em formações discursivas que possibilitassem aos professores imaginarem os alunos como sujeitos que chegam à escola com algum nível de alfabetização e letramento poderia ajudá-los a desenvolver práticas pedagógicas escolares que considerassem a memória discursiva, memória de sentidos dos alunos, o que os levaria a se identificarem com sentidos aos quais se filiam.  Entendemos ser urgente que o discurso narrativo seja incorporado aos conteúdos e práticas pedagógicas do ensino fundamental, pois, dentre outras possibilidades, esse discurso possibilita ao aluno manifestar sua subjetividade, condição fundamental para que possa produzir sentidos, ocupar o lugar de intérprete-historicizado e colocar-se como autor de seu próprio dizer. Entendemos que os cursos de formação inicial têm importante papel, no que se refere à oferta de experiências de escrita para os que estão em processo de aprendizagem da docência. Defendemos que o domínio dos saberes relacionados à escrita diferencia os alunos, assegurando-lhes participações mais amplas em práticas sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Filomena Elaine P. Assolini, Universidade de São Paulo (Usp), Faculdade de Filosofia Ciências e Letras

Professora do Departamento de Educação, Informação e Comunicação, da Faculdade de Filosofia Ciências e Letras, Ribeirão Preto – SP

Referências

COURTINE, J. J. Definition d’orientations théoriques et construction de procédures en anlyse du discours. Philosophiques, Montreal, v. 9, n. 2, p. 239-264, 1982.

COURTINE, J. J. Analyse du discours politique. Language, Paris, v. 62, p. 09-128, 1981.

GINZBURG, C. Sinais: raízes de um paradigma indiciário, In: GINZBURB, C. Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. São Paulo: Companhia de Letras, 1989. p. 143-179.

KLEIMAN, A. B. Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. São Paulo: Mercado de Letras, 1995.

ORLANDI, E. P. Análise de discurso: princípios e procedimentos. Campinas: Pontes, 1999.

ORLANDI, E. P. As formas do silêncio no movimento dos sentidos. São Paulo: Ed. da UNICAMP, 1992.

ORLANDI, E. P. A linguagem e seu funcionamento São Paulo: Pontes, 1987.

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. São Paulo: Ed. da UNICAMP, 1995.

PÊCHEUX, M.; FUCHS, C. A propósito da análise automática do discurso: atualização e perspectivas. In: GADET, F.; HAK, T. (Org.). Por uma análise automática do discurso. São Paulo: Ed. da UNICAMP, 1990. p. 163-252.

RICKES, S. M. A escritura como cicatriz. Educação e Realidade, Porto Alegre, n. 27, p. 51-71, jan./jun. 2002.

STREET, B. Literacy in theory and practice: Cambridge: Cambridge University Press, 1989.

TFOUNI, L. V. A dispersão e a deriva na constituição da autoria e suas implicações para uma teoria de letramento. In: SIGNORINI, I. (Org.). Investigando a relação oral/escrito e as teorias do letramento. São Paulo: Mercado de Letras, 2001. p. 77-94.

TFOUNI, L. V. Letramento e alfabetização: colocações para uma reflexão sobre distúrbios de aprendizagem. Revista Psicopedagogia, [S.l.], v. 14, n. 32, p. 41-44, 1996.

TFOUNI, L.V. Letramento e alfabetização. São Paulo: Cortez, 1995.

TFOUNI, L.V. A escrita: remédio ou veneno? In: AZEVEDO, M. A.; MARQUES, M. L. (Org.). Alfabetização hoje. São Paulo: Cortez, 1994. p. 51-69.

TFOUNI, L.V. Letramento e analfabetismo. 1992. Tese (Livre-docência) – Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, 1992.

Downloads

Publicado

01/06/2017

Como Citar

ASSOLINI, F. E. P. Redação na escola: o que os professores dizem e silenciam sobre essa prática. DOXA: Revista Brasileira de Psicologia e Educação, Araraquara, v. 19, n. 2, p. 240–257, 2017. DOI: 10.30715/rbpe.v19.n2.2017.10914. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/doxa/article/view/10914. Acesso em: 20 abr. 2021.