Teoria crítica e infância: a caracterização do conceito no contexto de expropriação das experiências formativas

Autores

  • Andréa Calderan Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos
  • Luiz Roberto Gomes Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos

DOI:

https://doi.org/10.30715/rbpe.v19.n2.2017.10921

Palavras-chave:

Teoria crítica. Infância. Expropriação da experiência. Educação.

Resumo

O artigo aborda o conceito de infância na perspectiva dos autores da Teoria Crítica. O objetivo foi compreender a criança e a infância a partir das possibilidades de experiências formativas. O estudo pautou-se, principalmente, nos escritos de Adorno e Horkheimer, Walter Benjamin e Giorgio Agamben. Trata-se de um conjunto de reflexões que procuram analisar o processo de expropriação da experiência, no contexto da indústria cultural e da sociedade de consumo. A educação voltada à emancipação não pode prescindir da capacidade de realização de experiências contidas no universo da infância, como criança, ou como potencialidade humana capaz de produzir cultura. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andréa Calderan, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos

Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Educação

Luiz Roberto Gomes, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos

Professor Permanente do Programa de Pós-graduação em Educação

Referências

ADORNO, T. W. Teoria da semiformação. In: PUCCI, B.; ZUIN, A. A. S.; LASTÓRIA, L. C. N. (Org.). Teoria crítica e inconformismo: novas perspectivas de pesquisa. Campinas: Autores Associados, 2010. p.7-39.

ADORNO, T. W. Educação e emancipação. São Paulo: Paz e Terra, 1995.

ADORNO, T. W. Teoria estética. Lisboa: 70, 1970.

ADORNO, T.; HORKHEIMER, M. A industria cultural: o esclarecimento como mistificação das massas. In: ADORNO, T.; HORKHEIMER, M. Dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro: Zahar, 1985. p.113-156.

AGAMBEN, G. Infância e história: destruição da experiência e origem da história. Tradução de Henrique Burigo. Belo Horizonte: Ed. da UFMG, 2005.

ARIÉS, P. História social da criança e da família. 2.ed. Rio de Janeiro: Guanabara, 1973.

BENJAMIN, W. A hora das crianças. São Paulo: Nau Ed., 2015.

BENJAMIN, W. Reflexões sobre o brinquedo, a criança e a educação. São Paulo: 34, 2002.

BENJAMIN, W. Infância em Berlim por volta de 1900. In: BENJAMIN, W. Rua de mão única: obras escolhidas II. São Paulo: Brasiliense, 1993. p.71-142.

CALDERAN, A.; PEREZ, M. C. A. A construção histórico-cultural dos conceitos de infância e criança: apontamentos teóricos. In: CONGRESSO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UNESP, 28., 2015, Araraquara. Anais... Araraquara: UNESP, 2015. Disponível em: http://prope.unesp.br/cic_isbn/index.php?slcg=37&mn=1. Acesso em: 17 nov. 2017.

DUARTE, R. Teoria crítica da indústria cultural. Belo Horizonte: Ed. da UFMG, 2007.

HORKHEIMER, M. Teoria tradicional e teoria crítica. São Paulo: Abril, 1987.(Coleção os Pensadores).

KOHAN, W. O. Infância, estrangeiridade e ignorância: ensaios de filosofia e educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2007.

MAAR, W. L.. Adorno, semiformação e educação. Educ. Soc., Campinas, v. 24, n. 83, ago. 2003.

MARCHI, R. de C. Walter Benjamin e infância: apontamentos impressionistas sobre sua(s) narrativa(s) a partir de narrativas diversas. Educação, Porto Alegre, v.34, n.2, p.221-229, 2011. Disponível em: http://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/faced/article/viewFile/7535/6360. Acesso em: 17 nov. 2017.

MARX, K. Para a crítica da economia política. In: MARX, K. Manuscritos econômicos e filosóficos e outros textos escolhidos. São Paulo: Abril Cultural, 1978. p.107-138.

NOBRE, M. A teoria crítica. Rio de Janeiro: Zahar, 2004.

POSTMAN, N. O desaparecimento da infância. Tradução de Suzana Menescal. São Paulo: Graphia Editoral, 1999.

WIGGERSHAUS, R. A escola de Frankfurt: história, desenvolvimento teórico, significação política. São Paulo: Difel, 2002.

Downloads

Publicado

01/06/2017

Como Citar

CALDERAN, A.; GOMES, L. R. Teoria crítica e infância: a caracterização do conceito no contexto de expropriação das experiências formativas. DOXA: Revista Brasileira de Psicologia e Educação, Araraquara, v. 19, n. 2, p. 270–282, 2017. DOI: 10.30715/rbpe.v19.n2.2017.10921. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/doxa/article/view/10921. Acesso em: 13 abr. 2021.

Edição

Seção

Edição Temática