Ensinar e aprender psicologia na escola: reflexões sobre o ensino engajado nas salas de aula

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30715/doxa.v22i00.15386

Palavras-chave:

Ensino, Aprendizagem, Psicologia, Metodologias ativas, Educação

Resumo

Neste artigo propõe-se problematizar o ensinar e aprender psicologia nas salas de aula da educação básica a partir de um aporte teórico crítico e progressista. Através do recurso da metodologia ativa aplicada em uma disciplina de psicologia no ensino médio, cotejou-se o uso da técnica como proposta de um ensinar e aprender engajado, inventivo e transgressor em sala de aula, bem como refletir sobre as potências e possibilidades do ensino de psicologia como intervenção pedagógica no ensino médio. Utilizou-se o livro Ponciá Vicência, de Conceição Evaristo, para discussão sobre a produção de subjetividades, transtornos mentais e os impactos das desigualdades de raça, gênero e etnia na saúde mental. Por fim, as/os estudantes foram convidados a compartilhar suas impressões sobre a leitura e a relação dela com a disciplina através da técnica de post-its. Finaliza-se propondo um engajamento político da categoria em torno da defesa da psicologia no ensino médio.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas Antunes Machado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre – RS

Mestrando no Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional e Especialização em Educação em Direitos Humanos (UFABC).

Referências

ADORNO, T. W. Educação e emancipação. Trad. Wolfgang Leo Maar. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra, 1995.

ARROYO, M. G. Ofício de mestre: imagens e auto-imagens. 15. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

BOCK, M. B. B. Educação, direitos humanos e compromisso social: interlocuções com a formação do professor de psicologia. Psicol. Ensino & Form., v. 5, n. 1, p. 101-114, 2014. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/pef/v5n1/v5n1a08.pdf. Acesso em: 03 ago. 2021.

BOCK, M. B. B.; FURTADO, O.; TEIXEIRA, M. L. T. da. Psicologias: uma introdução ao estudo da psicologia. 14. ed. São Paulo, SP: Saraiva, 2008.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União: Seção 1, Brasília, DF, n. 248, p. 27833, 23 dez. 1996.

BRASIL. Resolução nº 2, de 19 de abril de 1999. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Docentes da Educação Infantil e dos anos iniciais do Ensino Fundamental, em nível médio, na modalidade Normal. Diário Oficial da União: Seção 1, Brasília, DF, p. 97, 19 abr. 1999.

BRASIL. Resolução n. 5, de 15 de março de 2011. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em psicologia, estabelecendo normas para o projeto pedagógico complementar para a Formação de Professores de psicologia. Diário Oficial da União: Seção 1, Brasília, DF, 16 mar. 2011.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, DF: MEC, CNE, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/historico/BNCC_EnsinoMedio_embaixa_site_110518.pdf. Acesso em: 03 ago. 2021.

CAMARGO, F.; DAROS, T. A Sala de aula inovadora: estratégias pedagógicas para fomentar o aprendizado ativo. 1. ed. São Paulo, SP: Penso, 2018.

CHIAPARINI, C.; SILVA, I. M. M.; LEME, M. I. S. da. Conflitos interpessoais na educação infantil: o olhar de futuros professores e egressos. Psicologia Escolar e Educacional, v. 22, n. 3. P. 603-612. Disponível em: https://www.scielo.br/j/pee/a/wm4Jgs3w4hPVVRZgYZnHmLn/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 03 ago. 2021.

EVARISTO, C. Ponciá vicêncio. 4. ed. Rio de Janeiro, RJ: Pallas, 2018.

FRANCO, M. A. S. Práticas pedagógicas de ensinar-aprender: por entre resistências e resignações. Educ. Pesqui., São Paulo, v. 41, n. 3, p. 601-614, 2016.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 60. ed. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra, 2016.

FRIOGOTTO, G.; CIAVATTA, M. Educação básica no Brasil na década de 1990: subordinação ativa e consentida à lógica do mercado. Educ. Soc., v. 24, n. 82, p. 93-130. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/fwBNt6pKWJKTdYrCkxHjPdQ/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 03 ago. 2021.

GIROUX, H. A. Professores como intelectuais transformadores. In: GIROUX, H. A. Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Porto Alegre, RS: Artes Médicas, 1997.

GUZZO, R. S. L. Risco e Proteção: análise crítica de indicadores para uma intervenção preventiva na escola. In: FRANCISCHINI, R.; VIANA, M. N. (Org.). Psicologia escolar: que fazer é esse? Brasília, DF: Conselho Federal de Psicologia, 2016.

HOOKS, B. Ensinando pensamento crítico: sabedoria prática. São Paulo, SP: Elefante, 2020.

KOHATSU, L. N. Narrativas de professores de psicologia do ensino médio: entre memórias e reflexões. Psic. da Ed., v. 41, p. 65-81, 2015. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/psie/n41/n41a05.pdf. Acesso em: 03 ago. 2021.

KOHATSU, L. N.; MACHADO, L. M. disciplina de Psicologia no Ensino Médio: revisitando as práticas dos professores da rede pública do Estado de São Paulo. Educação Por Escrito, Porto Alegre, v. 9, n. 2, p. 398-417, 2018. Disponível em: https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/porescrito/article/view/27862/17604. Acesso em: 03 ago. 2021.

LIBÂNEO, J. C. Didática. 2.ed. São Paulo, SP: Cortez, 2013.

MACHADO, L. A. Psicologia no Ensino Médio e Psicologia Escolar: história, diferenças e perspectivas. Psicologia Escolar e Educacional, v. 20, n. 1, p. 101-108, 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/j/pee/a/YZFR843rGjKbgFpFcHCB8FF/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 03 ago. 2021.

MACHADO, L. A. VITÓRIA, M. I. C. O ensino de psicologia no currículo da educação básica: análise da formação docente. Revista Educação Online, v. 27, p. 189-216, 2018. Disponível em: http://educacaoonline.edu.puc-rio.br/index.php/eduonline/article/view/405/194. Acesso em: 03 ago. 2021.

MARASCHIN, C. Psicologia e educação: pontuações temporais. In: MARASCHIN, C.; FREITAS, L. B. L.; CARVALHO, D. C. Psicologia e educação: multiversos sentidos, olhares e experiências. Porto Alegre, RS: Editora da UFRGS, 2003.

PANDITA-PEREIRA, A.; SEKKEL, M. C. Contribuições do ensino de psicologia nas Etecs. Psicologia: Ensino e Formação, v. 4, n. 1, p. 79-105, 2013. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/pef/v4n1/v4n1a06.pdf. Acesso em: 03 ago. 2021.

ROLNIK, S; GUATARRI, F. Micropolítica: cartografias do desejo. 4. ed. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 1996.

RONCHI, J. P.; IGLESIAS, A.; AVELLAR, L. Z. Interface entre educação e saúde: revisão sobre o psicólogo na escola. Psicologia Escolar e Educacional, v. 22, n. 3, p. 613-620. Disponível em: https://www.scielo.br/j/pee/a/LHPHY9dpYXhrCn6PvWHdnFB/?lang=pt&format=pdf. Acesso em: 03 ago. 2021.

VEIGA, I. P. A. A Prática pedagógica do professor de didática. 2. ed. Campinas, SP: Papirus, 2008.

VERDUM, P. Prática Pedagógica: o que é? O que envolve? Educação Por Escrito, v. 4, n. 1, p. 91-105, 2013. Disponível em: https://revistaseletronicas.pucrs.br/ojs/index.php/porescrito/article/view/14376/9703. Acesso em: 03 ago. 2021.

VIANA, M. N. Interfaces entre a Psicologia e a Educação: Reflexões sobre a atuação em Psicologia Escolar. In: FRANCISCHINI, R.; VIANA, M. N. (Org.). Psicologia escolar: que fazer é esse? Conselho Federal de Psicologia: Brasília, 2016.

Publicado

01/10/2021

Como Citar

MACHADO, L. A. Ensinar e aprender psicologia na escola: reflexões sobre o ensino engajado nas salas de aula. DOXA: Revista Brasileira de Psicologia e Educação, Araraquara, v. 22, n. 00, p. e021012, 2021. DOI: 10.30715/doxa.v22i00.15386. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/doxa/article/view/15386. Acesso em: 27 nov. 2021.