Percursos e desafios ao longo do processo de consolidação do português para estrangeiros na UFV

Autores

DOI:

https://doi.org/10.29051/el.v7iesp.6.15444

Palavras-chave:

Português para estrangeiros, Ensino, Pesquisa, Extensão, Formação de professores

Resumo

Este artigo tem por objetivo apresentar o percurso histórico do ensino-aprendizagem do Português como Língua Estrangeira (PLE) na Universidade Federal de Viçosa (UFV). Por conseguinte, propõe-se a descrever brevemente as ações pertinentes ao processo de internacionalização da instituição que têm influído para a discussão e consolidação de iniciativas políticas de formação de professores de PLE desde 2015. A partir da consolidação recente da área, sustentada pelos pilares categorizados neste artigo como ensino, pesquisa e extensão, levantam-se também alguns pontos sobre a situação atual da área no referido cenário, culminando na exposição de ações políticas necessárias para a formação docente, propostas pelo Departamento de Letras da instituição.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Idalena Oliveira Chaves, Universidade Federal de Viçosa (UFV), Viçosa – MG – Brasil

Docente do Departamento de Letras. Doutorado em Letras (UFMG).

Glauber Heitor-Sampaio, Instituto Federal de Minas Gerais (IFMG), Congonhas – MG – Brasil

Docente do Departamento de Linguagens e Códigos. Doutorando em Linguística Aplicada (UNICAMP).

 

Referências

ALMEIDA, P.; JÚDICE, N. Do novo mundo ao mundo novo: o ensino de português a estrangeiros no brasil. In: ORTIZ A. M. L.; GONÇALVES, L. O Mundo do Português e o Português no Mundo a fora: especificidades, implicações e ações. Campinas, SP: Pontes Editores, 2016. p. 265-292

BAÊTA, O. V. Estratégias como práticas sociodiscursivas em uma universidade pública: uma abordagem crítica. 2016. Tese (Doutorado) – Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2016.

BASTOS, C. C. B. C. O Processo de Bolonha no espaço europeu e a reforma Universitária Brasileira. Educação Temática Digital, Brasília, DF, p. 95-106, 18 jan. 2008.

BERTRAND, G. Le grand tour revisite: Pour une archéologie du tourisme, le voyage des Français en Italie, milieu XVIIIe – début XIXe siècle. Publications de l’École française de Rome: Rome. 2013.

BLOG DO IILPE. Português, a língua mais falada do hemisfério sul. 2019. Disponível em: https://iilp.wordpress.com/2019/03/08/portugues-a-lingua-mais-falada-do-hemisferio-sul/. Acesso em: 08 mar. 2021.

FILHO, J. C. P. A O Ensino de Português para Estrangeiros nas Universidades Brasileiras. In: FILHO, J. C. P. A; LOMBELLO, L. Identidade e Caminhos no Ensino de Português para Estrangeiros. Campinas, SP: Pontes, 1992. p. 11-16.

FULQUET, G. A. El Proyecto Educativo para el MERCOSUR y los Debates en torno a la Internacionalización de la Educación Superior. Buenos Aires: Universidad del Salvador (USAL), 2006.

LEFFA, V. J. Aspectos políticos da formação do professor de línguas estrangeiras. In: LEFFA, V. J. (org.). O professor de línguas estrangeiras: construindo a profissão. Pelotas, 2001. v. 1, p. 333-335.

MARQUES, A. A. M.; SCHOFFEN J. R. Português como Língua Adicional nas Universidades Federais Brasileiras: um perfil da área. Letras de hoje, Porto Alegre, v. 55, n. 4, p. 394-411, out./dez. 2020

MOROSINI, M. C. Estado do conhecimento sobre internacionalização da educação superior: conceitos e práticas. Educar em Revista, n. 28, p. 107-124, 2006.

NIEDERAUER, M. E. F. Estranhamentos culturais em sala de aula de português para estrangeiros. In: SANTOS, P.; ORTIZ, M. L. A. (org.). Língua e cultura no contexto de português língua estrangeira. Campinas, SP: Pontes Editores, 2010. p. 101-121.

NÓBREGA, M. H. Ensino de português para nativos e estrangeiros: na prática, a teoria é outra. Revista Linha D´água, São Paulo, n. 23, 2010.

RIBEIRO, M. G. M. A USAID e o ensino agronômico brasileiro: o caso da Universidade rural do Estado de Minas Gerais (UREMG). Bol. Mus. Para. Emílio Goeldi, v. 4, n. 3, p. 453-463, 2009.

RIBEIRO, M. G. M. Caubóis e caipiras. Os land-grant colleges e a Escola Superior de Agricultura de Viçosa. História da Educação,v. 10, n. 19, p. 105-119, 2006.

SANTOS, L. Ensino e aprendizagem de português para estrangeiros in-tandem em contexto virtual: primeiros passos de um projeto franco-brasileiro. In: SANTOS, L.; SIMÕES, D. Ensino de português e suas tecnologias: coletânea de textos apresentados no I SIMELP. Rio de Janeiro: Dialogarts. 2009. p. 147-160.

SILVA, R. M. O. Caleidoscópio Cultural: de evento departamental a projeto intercampi. Revista ponto de vista, v. 8, n. 1, p. 120, 2019. Disponível em: https://periodicos.ufv.br/RPV/article/view/9209. Acesso em: 07 jan. 2021.

UNILAB. Universidade da Integração Internacional da Lusofonia Afro-brasileira. Unilab – Institucional. 2010. Disponível em: https://unilab.edu.br/institucional-2/#:~:text=De%20acordo%20com%20a%20legisla%C3%A7%C3%A3o,os%20demais%20pa%C3%ADses%20membros%20da. Acesso em: 10 out. 2018.

WELSCH, W. Transculturality – the puzzling form of cultures today. In: FEATHERSTONE, M.; LASH, S. (org.). Spaces of Culture: City, Nation, World. London: Sage. 1999. p. 194-213.

Publicado

28/12/2021

Como Citar

CHAVES, I. O.; HEITOR-SAMPAIO, G. Percursos e desafios ao longo do processo de consolidação do português para estrangeiros na UFV. Revista EntreLinguas, Araraquara, v. 7, n. esp.6, p. e021150, 2021. DOI: 10.29051/el.v7iesp.6.15444. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/entrelinguas/article/view/15444. Acesso em: 28 jun. 2022.