A degradação dos cursos hídricos urbanos, uma abordagem sobre gestão e educação ambiental

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v14i3.11416

Palavras-chave:

Igarapé, Gestão socioambiental, Proteção ambiental.

Resumo

A Amazônia Central é a mais densa região hidrográfica e suas inúmeras sub-bacias vem sofrendo crescente degradação. A ocupação antrópica emerge nesse cenário como um forte causa de impacto negativo. Para reverter essa realidade aponta-se a educação e a gestão socioambiental como elementos importantes. Nesse estudo apresentamos uma análise histórica da qualidade da água nos cursos hídricos na cidade de Manaus (AM). Além disso, foram realizadas entrevistas com gestores para verificar aspectos relativos à gestão e iniciativas de educação ambiental para lidar com a realidade em curso. Os resultados demonstraram um grave processo de degradação do igarapé mesmo que ainda se tenha presença de vida aquática. As tentativas de proteção ambiental e intervenção educativa esbarram em entendimentos distintos e desmobilizados, que pouco agregam à plenitude esperada para uma gestão sustentável dos cursos hídricos urbanos.

Biografia do Autor

Ana Lucia Soares Machado, Instituto Federal de Educação Ciências e Tecnologias

Doutora em Desenvolvimento Sustentável, pelo Centro de Desenvolvimento Sustentável CDS- UnB com ênfase em Educação Ambiental. Graduada em Ciências Biológicas e Pedagogia, mestre em Ciências do Ambiente e Sustentabilidade da Amazônia- CCA/UFAM, especialista em Turismo Ecológico - SENAC/SP. Atualmente é Professora de Biologia e Meio Ambiente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Amazonas (IFAM). Possui experiência na área de Gestão ambiental, Meio ambiente, Educação Ambiental no ensino superior e educação básica ensino de Biologia. Desde 2014 desenvolve projetos na área de Sustentabilidade/gerenciamento de resíduos e compostagem. Membro da Comissão de Gestão Ambiental do IFAM, e presidente da Comissão de Gestão Ambiental do Campus Manaus Distrito Industrial ? CMDI. Foi bolsista da CAPES até agosto/2012 no curso de doutorado Interinstitucional do Centro de Desenvolvimento Sustentável, CDS-UnB/UEA, Coordenou o projeto PROBIO na escola e na praça em Manaus/AM. Participou de Consultoria na área de Resíduos Sólidos Urbanos, junto ao município de Novo Airão/AM e desenvolveu um Programa de gerenciamento de resíduos sólidos para Manaus Energia-Vila de Balbina/AM. Atua nos temas: educação socioambiental, biodiversidade, sustentabilidade, formação de professores, projetos ambientais e gerenciamento de resíduos sólido.

Depto Coordenação de Engenharia de Controle e Automação - IFAM/CAMPUS DISTRITO INDUSTRIAL

Izabel C. B. B. Zaneti, UNB- CDS

Possui graduação em Pedagogia - Pontifície Universidade Católica RS(1976), Mestrado em Educação pela Faculdade de Educação Universidade de Brasília (1996) e Doutorado em Desenvolvimento Sustentável pelo CDS-Universidade de Brasília (2003). Pós-Doutora pelo Centro de Desenvolvimento Sustentável-2011. Atualmente é Professora Adjunta IV, no Centro de Desenvolvimento Sustentável-CDS / Universidade de Brasília-UnB. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Ambiental atuando,principalmente, nos seguintes temas: resíduos sólidos, educação ambiental, educação e saúde coletiva, sustentabilidade e gestão ambiental. É professora colaboradora do Programa de Pós Graduação do Centro de Desenvolvimento Sustentável e no PPG-PDS, no MESPT, na Área de Concentração em Sustentabilidade junto aos povos tradicionais.Atualmente está em Estágio Pós doutoral PROCAD CAPES/ UNESP/CDS/ CEA

Maria Inês Gasparetto Higuchi, INPA - LAPSEA

Possui graduação em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (1979), mestrado em Ecologia Humana - Michigan State University (1986) e doutorado em Antropologia Social - Brunel University of London (1999). Atualmente é pesquisadora titular do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, coordenando o Laboratório de Psicologia e Educação Ambiental. Também atua como professora membro permanente dos cursos de Mestrado em Psicologia e do Programa de Pós Graduação em Sustentabilidade Ambiental na Amazônia (mestrado e doutorado) da Universidade Federal do Amazonas. Atua nas áreas de Psicologia Social do Ambiente, Educação Ambiental e Antropologia Socia

Referências

BRASIL. Conselho Nacional do Meio Ambiente – CONAMA. Resolução nº 357, de 17 de março de 2005. Dispõe sobre a classificação dos corpos de água e diretrizes ambientais para o seu enquadramento, bem como estabelece as condições e padrões de lançamento de efluentes, e dá outras providências. Disponível em: http://www.mma.gov.br/port/Conama/res/res05/res35705.pdf. Acesso em: 25 mar. 2018.

BRINGEL, S. R. B. Estudo do Nível de Poluição nos Igarapés do Quarenta e do Parque Dez de Novembro. Manaus. Relatório Técnico. UTAM, 1986.

CARVALHO I.; CARVALHO, I. C. M. C. A Educação Ambiental: a formação do sujeito ecológico. 4ª. ed.- São Paulo: Cortez, 2008. 256 p.

CLETO FILHO, S. E. N. Efeitos da Ocupação Urbana sobre a Macrofauna de Invertebrados Aquáticos de um Igarapé (Mindu) da Cidade de Manaus/ AM – Amazônia Central. 1998. Dissertação (Mestrado em Biologia Tropical e Recursos Naturais), Universidade Federal do Amazonas – Instituto Nacional de Pesquisa da Amazônia UFAM/INPA. Manaus. 74p.

CLETO FILHO S. E. N.; Walker, I. Efeitos da ocupação urbana sobre a macrofauna de invertebrados aquáticos de um igarapé da cidade de Manaus AM Amazônia Central. Acta amazônica, 31(4): 69-89. 2001.

FEARNSIDE, P. M. Protection of mahogany: A catalytic species in the destruction of rain forests in the American tropics. Environmental Conservation. 24(4): pp. 303-306, 1997.

FONSECA, O. S. M.; SALEM, J. I.; GUARIM, V. L. Poluição e autopurificação do Rio Negro nas cercanias de Manaus. Acta amazônica, 12 (2): 271 - 278, 1982.

JUNK, W. J. As águas da Região Amazônica. In: Amazônia: desenvolvimento, integração e ecologia. SALATI, E.; JUNK, J. W.; SCHUBART, H. O. R.; OLIVEIRA, A. E. (eds.) Editora Brasiliense, SP. 14 – 44, 1983.

MACHADO, A. L. S. Educação Ambiental para Gestão Sustentável da Água: Estudo de caso do Igarapé do Mindu – Manaus, AM. Tese de Doutorado. Centro de Desenvolvimento Sustentável. UnB. 2012.

MANAUS. Lei Municipal n° 671, de 04 de novembro de 2002, o Plano Diretor Urbano e Ambiental, estabelece diretrizes para o desenvolvimento da Cidade de Manaus e dá outras providências relativas ao planejamento e à gestão do território do Município.

MELO, E. G. F.; SILVA, M. S. R.; MIRANDA, S. A. F. Influência Antrópica sobre águas de igarapé na Cidade de Manaus - AM. Caminhos de Geografia - revista on line. 5 (16) 40 - 47, out/2005. Disponível em: http://www.ig.ufu.br/revista/caminhos.htm. Acesso em: nov. 2017.

MIRANDA, S. A. F.; SILVA, M. S. R.; PINTO, A. G. N. Hidroquímica das Águas - Bacias Hidrográficas do Município de Manaus (AM). In: Relatório Informativo. Projeto: Avaliação dos Recursos Hídricos da Região Metropolitana de Manaus, período: 1997 - 2000. Manaus: INPA, 2000.

NOGUEIRA, A. C. F.; SANSON, F.; PESSOA, K. A Expansão Urbana e Demográfica da Cidade de Manaus e seus Impactos Ambientais. In: Anais do XIII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, Florianópolis, Brasil, INPE, p. 5427- 5434, abril-2007.

OLIVEIRA, J. A. Meio Século de Transformações e Permanências: a cidade no Brasil (1930 a 1980). In: SPOSITO, Maria Encarnação Beltrão (org.). Urbanização e Cidades: perspectivas geográficas. Presidente Prudente: UNESP, 45 p. 2001.

PINTO, A. G. N. et al. Efeitos da contribuição antrópica sobre as águas do rio negro, na cidade de Manaus, estado do amazonas. Caminhos de Geografia. Uberlândia v. 10, n. 29 Jun. p. 26 - 32. 2009.

SILVA, M. S. et al. Hidroquímica e Metais na Água, Sedimento e Comunidades Biológicas em Bacias Urbanas no Município de Manaus (AM). In: XVII Simpósio Brasileiro Recursos Hídricos, 2007, São Paulo. Anais do XVII Simpósio. Disponível em: www.abrh.org.br/novo/XVII_simp_bras_rec_hidric_sao_paulo.php. Acesso em: out. 2012.

Publicado

18/10/2019

Como Citar

MACHADO, A. L. S.; ZANETI, I. C. B. B.; HIGUCHI, M. I. G. A degradação dos cursos hídricos urbanos, uma abordagem sobre gestão e educação ambiental. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 14, n. 3, p. 1124–1138, 2019. DOI: 10.21723/riaee.v14i3.11416. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/11416. Acesso em: 28 fev. 2021.

Edição

Seção

Artigos