Culturas urbanas e resistência da juventude negra: ressonâncias do tambor nas escolas de periferia de São Paulo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v14i3.11996

Palavras-chave:

Epistemologia do sul, Cultura afro-brasileira, Hip-hop e educação.

Resumo

Com uma preocupação voltada para a construção de novas práticas educacionais com base em uma epistemologia do sul, esta pesquisa propôs-se a realizar docências compartilhadas entre professores (as), artistas populares e pesquisadores (as), de modo a proporcionar outras perspectivas de atuação em sala de aula, com a introdução de práticas e saberes dos afrodescendentes nos conteúdos a serem abordados na escola. Neste artigo, abordaremos alguns momentos da docência compartilhada, denominada Hiphopnagô, promovida por duas pesquisadoras, das áreas de música e de dança breaking, com uma professora da Língua Portuguesa do ensino fundamental de uma escola pública de São Paulo. Com ênfase nos elementos musicais e de dança contemporâneos, procurou-se contemplar o contexto sócio histórico no qual se inserem as culturas cultivadas especialmente pela juventude afrodescendente. Pretende-se, desse modo, pensar em novas estratégias de ensino, assim como sobre os fundamentos de uma epistemologia do Sul brasileira afrocentrada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mônica Guimarães Teixeira do Amaral, Faculdade de Educação da USP (FEUSP)

Profa Livre-Docente do Depto de Filosofia da Educação e de Ciências da Educação da facudlade de Educação da USP.

Pesquisadora de culturas jovens urbanas e afro-brasileiras, coordenadora do grupo Multiculturalismo e Educação (CNPq)

Cristiane Correia Dias, Faculdade de Educação da USP

Mestre em Educação pela FEUSP (2018), dançarina de Breaking, pesquisadora  projeto de políticas públicas (FAPESP) e bolsista CAPES.

Maria Teresa Loduca, Faculdade de Educação da USP

Mestre em Educação pela FEUSP (2018), Musicista, pesquisadora  projeto de políticas públicas(FAPESP)

Referências

ADORNO, T. W. Educação e emancipação. São Paulo: Paz e Terra, 2010.

AMARAL, M. et al. Culturas juvenis X cultura escolar: como repensar as noções de tradição e autoridade no âmbito da educação?. Projeto de Pesquisa apresentado ao Programa “Melhoria do Ensino Público”, FAPESP, São Paulo, 2006.

AMARAL, M. et al. Rappers, os novos mensageiros urbanos da diáspora afro-brasileira na periferia de São Paulo: a contestação estético-musical que emancipa e educa. Projeto de Pesquisa apresentado ao Programa de “Políticas Públicas”, FAPESP, São Paulo, 2010.

AMARAL, M. et al. O ancestral e o contemporâneo nas escolas públicas brasileiras: reconhecimento e afirmação de histórias e culturas urbanas negadas. Projeto de pesquisa apresentado ao Programa de “Políticas Públicas”, FAPESP, São Paulo, 2015.

ASANTE, M. K. Afrocentricidade: notas sobre uma posição disciplinar. In: NASCIMENTO, E. L. (Org.). Afrocentricidade: uma abordagem epistemológica inovadora. São Paulo: Selo Negro, 2009, p. 93-110.

BENJAMIN, W. A obra de arte na época de suas técnicas de reprodução. In: BENJAMIN, W. et al. Textos escolhidos. 2. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1980. p. 3-28. (Os Pensadores, 63).

BERKENBROCK, V. J. A experiência dos orixás: um estudo sobre a experiência religiosa do candomblé. Rio de Janeiro: Vozes, 1998.

BÉTHUNE, C. Le rap: une esthétique hors la loi. Paris: Autrement, 2003.

CAPUTO, S. G. Educação nos terreiros e como a escola se relaciona com crianças de candomblé. Rio de Janeiro: Pallas, 2012.

CARRINGTON, J. F. Talking drums of Africa. Nem York: Negro Universities Press, 1969.

DIAS, P. Comunidades do tambor. In: VVVA. Textos do Brasil. Brasília: Ministério das

Relações Exteriores, 2004. n. 11.

DIAS, C. C. Por uma pedagogia hip-hop: o uso da linguagem do corpo e do movimento para a construção da identidade negra e periférica. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, SP, 2018.

FARIAS, J. B. Cidades negras: africanos, crioulos e espaços urbanos no Brasil escravista do século XIX. São Paulo: Alameda, 2006.

GATTI, L. Constelações: crítica e verdade em Benjamin e Adorno. São Paulo: Loyola, 2009. 355 p. (Coleção Filosofia, 76).

GILROY, P. O Atlântico negro: modernidade e dupla consciência. São Paulo: Editora 34; Rio de Janeiro: UCAM - Centro de Estudos Afro-Asiáticos, 2001.

HERRMANN, F. Andaimes do real: o método da psicanálise. São Paulo: Casa do Psicólogo. 2001.

HONNETH, A. Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo: Editora 34, 2003.

JESUS, R. E. Mecanismos eficientes na produção do fracasso escolar de jovens negros: estereótipos, silenciamento e invisibilização. Educação em Revista, Belo Horizonte, n. 34, p. 1-18, 2018. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/0102-4698167901. Acesso em: 26 jun. 2018.

LODUCA, M. T. Música negra na escola: um estudo sobre a ressonância dos tambores nas relações intersubjetivas. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação, universidade de São Paulo, SP, 2018.

MBEMBE, J. A. Crítica da razão negra. Lisboa: Antígona, 2017.

MONTEIRO, M. Aspectos da música no Brasil na primeira metade do século XIX. In: MORAES, J. G. V.; SALIBA, E. T. (Org.). História e música no Brasil. São Paulo: Alameda, 2010, p. 79-118.

MUNANGA, K. Rediscutindo a mestiçagem no Brasil: identidade nacional versus identidade negra. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

MUNANGA, K.; GOMES, N. L. Para entender o negro no Brasil de hoje: história, realidades, problemas e caminhos. São Paulo: Global / Ação Educativa, 2006.

MUNANGA, K. Prefácio. In: CARONE, I.; BENTO, M. A. S. Psicologia social do racismo: estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil. Rio de Janeiro: Vozes, 2009. p. 9-11.

OSUMARE, H. The africanist aesthetic in global hip-hop: power moves. New York: Palgrave Macmillan, 2007.

PRANDI, R. De africano a afro-brasileiro, etnia, identidade, religião. Revista USP, São Paulo, n. 46, p. 52-65, 2000.

REIS, J. J. Rebelião escrava no Brasil: a história do levante dos Malês em 1835. Ed. rev. ampl. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

SANTOS, B. S. A crítica da razão indolente: contra o desperdício da experiência. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2000. 415 p.

SANTOS, B. S. Renovar a teoria crítica e reinventar a emancipação social. São Paulo: Boi tempo, 126 p. 2017.

SCHAFER, R. M. O ouvido pensante. São Paulo: UNESP, 1997.

SCHAFER, R. M. A afinação do mundo: uma exploração pioneira pela história passada e pelo atual estado do mais negligenciado aspecto do nosso ambiente: a paisagem sonora. 2. ed. São Paulo: Unesp, 2011.

SMITH, W. E. O hip hop e suas conexões com a diáspora africana. In: Autor; Carril, L. O hip hop e as diásporas africanas na modernidade - uma discussão contemporânea sobre cultura e educação. São Paulo: Alameda-FAPESP, 2015, p.93-105.

SOUZA, Ana Lúcia Silva. Letramentos da reexistência: poesia, grafite, música, dança: Hip-Hop. São Paulo: Parábola Editorial, 2011.

Publicado

18/10/2019

Como Citar

GUIMARÃES TEIXEIRA DO AMARAL, M.; CORREIA DIAS, C.; LODUCA, M. T. Culturas urbanas e resistência da juventude negra: ressonâncias do tambor nas escolas de periferia de São Paulo. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 14, n. 3, p. 1081–1099, 2019. DOI: 10.21723/riaee.v14i3.11996. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/11996. Acesso em: 8 mar. 2021.

Edição

Seção

Artigos