Reflexões sobre as interfaces entre ações formativas EDUSEX e as tecnologias digitais: um estudo de caso interpretativo-dialético

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v14iesp.2.12612

Palavras-chave:

Grupo de pesquisa edusex, Formação de professores, Ações formativas, Tecnologias digitais, Aprender fazendo.

Resumo

Trata-se das primeiras reflexões de um estudo de caso sobre as ações formativas experienciadas e realizadas pelo Grupo de Pesquisa EDUSEX, Formação de Educadores e Educação Sexual CNPq/UDESC – Brasil, em suas interfaces hoje com as tecnologias digitais, bem como o trânsito progressivo de modelos de formação e práticas de ensino e aprendizagem expositivas, para possibilidades mais interativas, apoiadas nas novas tecnologias, numa perspectiva de aprender fazendo. São interrogações orientadoras desta investigação: (a) Quais as ações formativas elaboradas pelo Grupo Edusex, mais especificamente as relacionadas à tecnologia digital? (b) Quais as características dessas ações formativas e suas interfaces com as tecnologias digitais? Neste recorte, buscamos refletir sobre as ações realizadas, e para isso recorremos há alguns teóricos contemporâneos que estudam a temática da educação sexual. O estudo é de cunho qualitativo e segue pautado no paradigma sócio-crítico, assumindo uma visão global e dialética da realidade. No estudo de caso utilizamos, na análise dos dados, a técnica de análise hermenêutica dialética. Os achados apontaram que as ações formativas buscam: (1) publicizar e facilitar o acesso a pesquisas e conhecimentos da temática sexualidade; (2) auxiliar na reflexão de enfoques atuais sobre a temática; (3) instrumentalizar os alunos e alunas, graduandos/as, mestrandos/as e doutorandos/as, a fazerem o uso didático-pedagógico das tecnologias digitais e de outros formatos; (4) realizar a transposição didática dos conteúdos aprendidos, transformando-a em uma ferramenta formativa, utilizada posteriormente para a formação de professores e estudantes das escolas de ensino básico.

Biografia do Autor

Sônia Maria Martins de Melo, FAED/UDESC

Doutora em Educação, Professora aposentada da Graduação FAED/UDESC e voluntária do Programa de Pós-Graduação em Educação PPGE/FAED/UDESC, linha Educação, Comunicação e Tecnologia; Vice-líder do Grupo de Pesquisa EDUSEX Formação de Educadores e Educação Sexual CNPq/UDESC.

Mônica Wendhausen, PPGE/FAED/UDESC

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE/FAED/UDESC), Orientadora Educacional Efetiva da RME Florianópolis/ SC.

Referências

CHATFIELD, T. 50 cosas que hay que saber sobre mundo digital. Editora Planeta. (Primera edición en libro electrónico (PDF): abril 2012. Disponível em: https://assets-libr.cantook.net/assets/publications/13431/medias/excerpt.pdf. Acesso em: 14 abr. 2016.

COUTINHO, C. Metodologia de investigação em Ciências Sociais e Humanas: teoria e prática. Coimbra, Portugal: Almedina, 2011.

FREIRE, P. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. São Paulo: autores Associados: Cortez, 1988.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. 38. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014.

FREIRE, P. Política e Educação. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2015.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 60 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2016.

FIGUEIRÓ, M. N. D. Formação de Educadores Sexuais: adiar não é mais possível. 2. ed. Londrina: Eduel, 2014.

KENSKI, V. M. Educação e tecnologias: O novo ritmo da informação – Campinas: Papirus, 2007. (Coleção Educação Papirus)

KRIPKA, R. M. L et al. Pesquisa Documental: considerações sobre conceitos e características na Pesquisa Qualitativa. Revista CIAIQ. v. 2. Ata: Investigação Qualitativa em Educação. p. 243-247, 2015. Disponível em: http://proceedings.ciaiq.org/index.php/ciaiq2015/article/view/252/248. Acesso em: 23 fev. 2017.

MELO, S. M. M. de; POCOVI, R. M. S. Educação e sexualidade: caderno pedagógico I. Florianópolis: CEAD, 2002.

MELO, S. M. M. et al. Educação e sexualidade. 2. ed. rev. – Florianópolis: UDESC/CEAD/UAB, 2011.

MESSEDER, S. A. Uma existência de gozos, bonitezas, perdas e danos: reflexões e práticas sobre sexualidade e atos performativos de gênero em nosso cotidiano. Revista Espaço Acadêmico. v. 13. n. 154, mar., 2014. Disponível em: http://www.periodicos.uem.br/ojs/index.php/EspacoAcademico/issue/view/867. Acesso em: 05 jul. 2017.

MORAN, J. M. Las Nuevas Tecnologías y el Re-encantamiento del Mundo. Aletheia Revista de desarrollo humano, educativo y social contemporáneo. Revista Semestral. v. 3 n. 1. Enero/Junio/Fev. p. 120-127, 2011. Disponível em: http://aletheia.cinde.org.co/. Acesso em: 03 abr. 2017.

NUNES, C.; SILVA, E. Sexualidade e Educação: elemnetos teóricos e marcos histereográficos da educação Sexual no Brasil. In: J. C. LOMBARDI, Pesquisa em educação: História, Filosofia e Temas transversais. 2. ed. Campinas-SP: Autores Associados, p. 161-177, 2000.

STAKE, R. A arte da investigação com estudos de caso. 4. ed. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2016.

TRIVIÑOS, A. N. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Altas. 1987.

WACHOWICZ, L. A. O método dialético na didática. Campinas/SP: Papirus, 1989.

Publicado

01/06/2019

Como Citar

Melo, S. M. M. de, & Wendhausen, M. (2019). Reflexões sobre as interfaces entre ações formativas EDUSEX e as tecnologias digitais: um estudo de caso interpretativo-dialético. Revista Ibero-Americana De Estudos Em Educação, 14(esp.2), 1480–1499. https://doi.org/10.21723/riaee.v14iesp.2.12612