Política educacional indigenista brasileira

Contradições e desafios

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v17i2.14354

Palavras-chave:

Educação, Política Educacional, Política Indigenista, Tradição, Modernidade

Resumo

A história das políticas educacionais brasileiras voltadas às populações indígenas é perpassada pelo paradigma sociológico clássico da tradição e modernidade. Este texto apresenta um breve panorama das políticas educacionais indigenistas, apontando como os modelos tradicionais e modernos afetaram o desenvolvimento das mesmas. O estudo é de natureza teórica e, portanto, baseado em pesquisa bibliográfica e documental para questionar as políticas indigenistas implementadas no Brasil. O desenvolvimento deste artigo apresenta a política educacional brasileira para a educação indígena dentro de um contexto histórico, utilizando-se do conceito tradição e modernidade. Analisa aspectos da política educacional indígena tradicional e as modificações trazidas pela chamada modernidade que se estabeleceu definitivamente no debate educacional indígena após a Constituição de 1988. E tece considerações sobre alguns resultados das políticas adotadas nas primeiras décadas do século XXI.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kasandra Castro, Universidade Tuiuti do Paraná (UTP), Curitiba – PR – Brasil

Mestranda em Educação pelo Programa de Pós Graduação em Educação.  Possui graduação em Bacharelado em Ciências Sociais pela Universidade Luterana do Brasil (2010). Especialista em A Questão Social pela Perspectiva Interdisciplinar da Universidade Federal do Paraná - UFPR.  

Rita de Cássia Gonçalves, Universidade Tuiuti do Paraná (UTP), Curitiba – PR – Brasil

Professora Adjunta do Programa de Pós-Graduação em Educação. Doutorado em Educação (UFPR).

Referências

AIRES, M. M. P. De Aculturados a índios com cultura: estratégias de representação do movimento de professores tapebas em zonas de contato. In: AIRES, M. M. P. Escolas indígenas e políticas interculturais no Nordeste brasileiro. Fortaleza, CE: EdUECE, 2009. 215 p.

BARROSO-HOFFMANN, M. et al. A administração pública e os povos indígenas. In: FALEIROS, V. P.; NUNES, S. P.; FLEURY, S. A era FHC e o governo Lula: transição?. Brasília, DF: Instituto de Estudos Socioeconômicos, 2004. p. 293-326.

BRAZIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988. Available at: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/consti/1988/constituicao-1988-5-outubro-1988-322142-publicacaooriginal-1-pl.html. Accessed on: 14 Oct. 2020.

BRAZIL. Decreto n. 26, de 4 de fevereiro de 1991. Dispõe sobre educação indígena no Brasil. Brasília, DF: Presidência da República, 1991. Available at: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1990-1994/d0026.htm. Accessed on: 14 Oct. 2020.

BRAZIL. Lei 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, ano 175, n. 248, p. 27833-27841, 1996.

BRAZIL. Lei n. 11.645, de 10 março de 2008. Inclui no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”. Brasília, DF: Presidência da República, 2008. Available at: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11645.htm#:~:text=Altera%20a%20Lei%20no,Afro%2DBrasileira%20e%20Ind%C3%ADgena%E2%80%9D. Accessed on 14 Oct. 2020.

BRAZIL. Decreto n. 6.861, de 27 de maio de 2009. Dispõe sobre a Educação Escolar Indígena, define sua organização em territórios etnoeducacionais, e dá outras providências. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, n. 100, p. 23-24, 2009.

BRAZIL. Lei n. 12.711, de 29 de agosto de 2012. Dispõe sobre o ingresso nas universidades federais e nas instituições federais de ensino técnico de nível médio e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, 2012a. Available at http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12711.htm. Accessed on 14 Oct.. 2020.

BRAZIL. Decreto n. 7.747, de 05 de junho de 2012. Institui a Política Nacional de Gestão Ambiental e Territorial das Terras Indígenas – PNGATI. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, ano 149, n. 109, p. 9-11, 2012b.

BRASIL. Resolução CEB/CNE n. 05, de 22 de junho de 2012. Define Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Escolar Indígena na Educação Básica. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, ano 149, n. 121, p. 7-10, 2012c.

BRAZIL. Portaria do Ministério da Educação MEC Nº 389/2013. Cria o Programa Nacional de Bolsa Permanência e dá outras providências. Brasília, DF: Governo Federal, 2013a. Available at: https://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/30550825. Accessed on: 14 Oct. 2020.

BRAZIL. Portaria do Ministério da Educação GM/MEC nº 1.062/2013. Institui o Programa Nacional dos Territórios Etnoeducacionais - PNTEE. Brasília, DF: Governo Federal, 2013b. Available at: https://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/31176478/do1-2013-10-31-portaria-n-1-062-de-30-de-outubro-de-2013-31176474. Accessed on: 14 Oct.. 2020.

BRAZIL. Direitos Humanos: Atos internacionais e normas correlatas. 4. ed. Brasília, DF: Senado Federal, 2013c. 441 p. Disponível em: https://www2.senado.leg.br/bdsf/handle/id/508144. Acesso em: 14 set. 2021

BRAZIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Indicadores de Vigilância em Saúde descritos segundo a variável raça/cor, Brasil. Boletim Epidemiológico, Brasília, v. 48, n. 4, 2017.

BRAZIL. MEC trabalha por avanços na educação escolar indígena. Brasília, DF: MEC, 2019. Available at: http://portal.mec.gov.br/busca-geral/206noticias/1084311476/75261-mec-trabalha-por-avancos-na-educacao-escolar-indigena. Accessed on: 03 Mar. 2020.

CEPAL. Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe. Os povos indígenas na América Latina: avanços na última década e desafios pendentes para a garantia de seus direitos. Santiago: CEPAL/ONU, 2015. 124 p. Available at: https://repositorio.cepal.org/bitstream/handle/11362/37773/S1420764_pt.pdf;jsessionid=4D1C2B75ACA46D1B59C5DF8C725E3E63?sequence=1. Accessed on 14 Oct.. 2020.

DEAN, B. Identity and Indigenous Education in Peruvian Amazonia. In: JACOB, W. J.; CHENG, S. Y.; PORTER, M. K. Indigenous Education: Language, culture and identity. Berlim: Springer, Dordrecht, 2015. p. 429-446.

DIZ, J. B. M. Nova ordem ambiental internacional e desenvolvimento sustentável. Belo Horizonte: Arraes, 2014. 117 p.

DUSSEL, E. Europa, modernidade e eurocentrismo. Buenos Aires: CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociale, 2005.

FAUSTO, B. História do Brasil. 12. ed. São Paulo: EDUSP, 2006.

FLEURY, L. C.; ALMEIDA, J. Populações tradicionais e conservação ambiental: um a contribuição da teoria social. Revista Brasileira de Agroecologia, Dois Vizinhos, v. 2, n. 3, p. 3-19, 2007. Available at: https://revistas.aba-agroecologia.org.br/rbagroecologia/article/view/6270/4578. Accessed on: 10 Aug.. 2021.

FONTENELE, F. N. Grão-Pará pombalina: trabalho, desigualdade e relações de poder. 2008. Dissertação (Mestrado em História) - Programa de Estudos Pós-Graduados em História, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2008.

FUNAI. Fundação Nacional do Índio. In: Política indigenista. Brasília, DF: Funai, 2020c. Availale at: http://www.funai.gov.br/index.php/nossas-acoes/politica-indigenista?limitstart=0#. Accessed on: 15 Oct.. 2020.

GUSTAFSON, B. Manipulating cartographies: plurinationalism, autonomy and indigenous resourgence in Bolivia. Anthropological Quarterly, Washington, v. 82, n. 4, p. 985-1016, 2009. Available at: http://www.jstor.org/stable/20638677. Accessed on: 23 Nov. 2020

GUSTAFSON, B. Paradoxes of Liberal Indigenism: Indigenous Movements, State Process, and Intercultural Reform in Bolivia. In: MAYBURY-LEWIS, D. Identities in Conflict: indigenous peoples in Latin American States. Cambridge: Harvard University Press, 2002. p. 267-306.

HALE, C. R. Does Multiculturalism Menace? Governance, Cultural Rights and the Politics of Identity in Guatemala. Journal of Latin American Studies, Cambridge, v. 34, n. 3, p. 485-524, 2002. Available at: https://www.jstor.org/stable/3875459. Accessed on: 25 May 2021.

IPEA. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Comissão Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais na Visão de seus Membros. Brasília, DF: IPEA, 2012. 60 p.

LUCIANO, G. S. O Índio Brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de hoje. Brasília, DF: Ministério da Educação, LACED/Museu Nacional, 2006. 236 p. Available at: http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/pdf/indio_brasileiro.pdf. Accessed on: 14 Oct. 2020.

MELIÁ, B. Educação indígena e alfabetização. São Paulo: Loyola, 1979.

OLIVEIRA, J. P.; FREIRE, C. A. R. A presença indígena na formação do Brasil. Brasília, DF: MEC/UNESCO, 2006. 272 p.

OLIVEIRA, L. A.; NASCIMENTO, R. G. Roteiro para uma história da educação escolar indígena: notas sobre a relação entre política indigenista e educacional. Educação e Sociedade, Campinas, v. 33, n. 120, p. 765-781, jul./set. 2012. Available at: https://www.scielo.br/j/es/a/wMzP6M8bn8bDsjdQMwNzk4J/?lang=pt. Accessed on 19 Oct. 2020.

QUIJANO, A. Colonialidade do poder, Eurocentrismo e América Latina. Buenos Aires: CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociale, 2005.

ROUANET, S. P. As razões do iluminismo. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

SAVIANI, D. Escola e democracia: teorias da educação, curvatura da vara, onze teses sobre educação e política. 32. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 1999.

SAVIANI, D. Pedagogia Histórico-crítica. 11. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2011.

SAVIANI, D. Sistema nacional de Educação articulado ao Plano Nacional de Educação. Revista Brasileira de Educação, v. 15, n. 44, maio/ago. 2010. Available at: https://www.scielo.br/j/rbedu/a/KdGRyTzTrq88q5HyY3j9pbz/?format=pdf&lang=pt. Accessed on: 12 Apr. 2020.

SOUZA, A. H. C. População indígena de Boa Vista/RR: uma análise socioeconômica. 2009. Dissertação (Mestrado em Economia) – Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

VEIGA, J. E. Indicadores de Sustentabilidade. Estudos Avançados, v. 24, n. 68, p. 39-52, 2010. Available at: https://www.scielo.br/j/ea/a/kbNBRDnhFxbgL5rwyn3q8Cv/abstract/?lang=pt. Accessd on: 12 Sept. 2021.

VETTORAZZO, L. País tem 11,8 milhões de analfabetos; taxa entre negros dobra ante brancos. São Paulo: Folha de São Paulo, 2017. Available at: https://www1.folha.uol.com.br/educacao/2017/12/1944963-pais-tem-118-milhoes-de-analfabetos-taxa-entre-negros-dobra-ante-brancos.shtml. Accessed on: 15 Oct. 2020.

Publicado

01/04/2022

Como Citar

CASTRO, K.; GONÇALVES, R. de C. Política educacional indigenista brasileira: Contradições e desafios. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 17, n. 2, p. 1062–1078, 2022. DOI: 10.21723/riaee.v17i2.14354. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/14354. Acesso em: 19 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos