Por outros espaços educativos e o desemparedamento da infância

Uma experiência a partir da arquitetura educacional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v17i2.14678

Palavras-chave:

Educação infantil, Desemparedamento da infância, Espaços informais, Arquitetura educacional

Resumo

Trataremos de apresentar neste artigo os resultados de uma pesquisa exploratória com estudo de caso e observação participante, realizada em um município do Sul da Bahia no período de 2019 a 2021, com foco no diálogo entre arquitetura educacional e Projeto Político Pedagógico - PPP para a educação infantil, sob a orientação do Programa de Pós-Graduação de Mestrado Profissional em Educação – PPGE/UESC. O trabalho de campo revelou que num momento histórico e político de desmantelamento da educação e tentativas de enfraquecimento das políticas educacionais, uma comunidade envolvendo professoras, alunos e pais conseguiu discutir e planejar uma educação de qualidade a partir do projeto arquitetônico para a construção de um Centro Integrado de Educação Integral em Serra Grande, um distrito de Uruçuca-BA, como possibilidade de uma educação integrada a outros espaços com potencial educativo dentro do território da Vila, em que a arquitetura educacional e o PPP fazem parte da pauta de discussões coletivas da educação local.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marciléa Melo Alves Lima, Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), Ilhéus – BA – Brasil

Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Educação.

Cândida Maria Santos Daltro Alves, Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC), Ilhéus – BA – Brasil

Professora no curso de Pedagogia e no Programa de Pós-graduação em Educação. Doutora em Educação (UNICAMP).

Referências

BARBOSA, M. C. S.; RICHTER, S. R. S.; DELGADO, A. C. C. Educação Infantil: Tempo integral ou Educação integral?. Educação em Revista, v. 31, n. 04, p. 95-119, out./dez. 2015. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/edur/v31n4/1982-6621-edur-31-04-00095.pdf. Acesso em: 10 jun. 2020.

BARROS, M. I. A. (org.). Desemparedamento da infância: a escola como lugar de encontro com a natureza. 2. ed. Rio de Janeiro: Criança e Natureza, 2018. Disponível em: https://criancaenatureza.org.br/acervo/desemparedamento/. Acesso em: 12 maio 2021.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/ Constituiçao.htm.

BRASIL. Lei Federal n. 8069, de 13 de julho de 1990. ECA: Estatuto da Criança e do Adolescente. Brasília, DF: Presidência da República, 1990. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8069.htm. Acesso em: 8 abr. 2019.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF: Presidência da República, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 10 jul. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília, DF: MEC, SEB, 2010. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/diretrizescurriculares_2012.pdf. Acesso em: 12 abr. 2021.

BRASIL. Lei n. 13.005, de 25 de junho de 2014. Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, 2014. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm. Acesso em: 2 set. 2021.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Brasília, DF: EC/CONSED/UNDIME, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_sit e.pdf. Acesso em: 8 abr. 2019.

CANÁRIO, R. Territórios educativos e políticas de intervenção prioritária: uma análise crítica. PERSPECTIVA, Florianópolis, v. 22, n. 01, p. 47-78, jan./jun. 2004. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/view/10082. Acesso em: 12 set. 2021.

CORSINO, P.; NUNES, M. F. Políticas públicas universalistas e residualistas: os desafios da educação infantil. In: REUNIÃO DA ANPED, 33., GT 07, 2010. Caxambu, MG:ANPED, 2010. Disponível em: http://33reuniao.anped.org.br/33encontro/app/webroot/files/file/Trabalhos%20em%20PDF/GT07-6749-Int.pdf. Acesso em: 18 ago. 2020

DEWEY, J. Democracia e educação. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1959

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Tradução de Raquel Ramalhete. 35. ed. Petrópolis: Vozes, 2008.

GOHN, M. G. Educação não formal: direitos e aprendizagens dos cidadãos (ãs) em tempos do coronavírus. Revista Humanidades e Inovação, v. 7, n. 7.7, p. 9- 20, out. 2020. Disponível em: https://revista.unitins.br/index.php/humanidadeseinovacao/article/view/3259. Acesso em: 18 ago. 2021.

GOHN, M. G. Educação não-formal na pedagogia social. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE PEDAGOGIA SOCIAL, 1., 2006, São Paulo. Anais [...] São Paulo: Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, 2006. Disponível em: http://www.proceedings.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=MSC0000000092006000100034&lng=en&nrm=abn. Acesso em: 2 jun. 2021.

GUIMARÃES, D. A relação com as famílias na Educação Infantil. In: VAZ, A. F.; MONN, C. M. (org.). Educação infantil e sociedade: questões contemporâneas. Nova Petrópolis: Nova Harmonia, 2012.

KUHLMANN, J. M.; FERNANDES, F. S. Infância: construção social e histórica. In: VAZ, A. F.; MONN, C. M. (org.). Educação infantil e sociedade: questões contemporâneas. Nova Petrópolis: Nova Harmonia, 2012.

LIBÂNEO, J. C. Pedagogia e pedagogos, para quê? 12. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

RAZUK, R. M. A. Linguagem e creche: entre espaços, tempos e relações. 2018. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018.

SINGER, H. (org.). Territórios educativos: experiências em diálogo com o Bairro-Escola. v. 2. São Paulo: Moderna, 2015.

TRILLA, J. A educação não formal. In: TRILLA, J.; GHANEM, E. (org.) Valéria Amorim Arantes. Educação formal e não formal: Pontos e Contrapontos. São Paulo: Summus, 2008.

TRILLA, J. La Educación No Formal. In: URUGUAI. MEC. Educación no formal: lugar de conocimientos. Selección de textos. 1. ed. Uruguai: MEC, 2013. pag. 27-50.

VIEIRA, D. M. Imagens da experiência educativa de professores da educação infantil no espaço-ambiente do Proinfância. 2016. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2016.

Publicado

01/04/2022

Como Citar

LIMA, M. M. A.; ALVES, C. M. S. D. Por outros espaços educativos e o desemparedamento da infância: Uma experiência a partir da arquitetura educacional. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 17, n. 2, p. 1197–1214, 2022. DOI: 10.21723/riaee.v17i2.14678. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/14678. Acesso em: 19 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigos