A gestão do conhecimento no sistema de ensino STEM/STEAM

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v17i4.15549

Palavras-chave:

STEAM, STEM, Educação, Gestão do conhecimento

Resumo

A educação STEAM (“Science, Technology, Engineering, Art and Mathematics”, em português “Ciências, Tecnologia, Engenharia, Arte e Matemática”) pretende cultivar cidadãos alfabetizados no modelo através da capacitação dos alunos com conhecimentos, habilidades e valores para o século 21. A Gestão do Conhecimento (GC) oferece recursos para viabilizar essas conexões entre disciplinas e docentes. Este estudo tem como objetivo geral analisar a possibilidade dos ambientes Ba (físico e virtual) serem mediados pela GC. A pesquisa é de natureza aplicada, com abordagem qualitativa, através de modelo hipotético-dedutivo com coleta de dados via revisão da literatura. Como resultado, apresenta-se uma análise sobre as possibilidades dos ambientes físico e virtual serem mediados pela GC, onde constatou-se a importância de se estabelecer um ambiente propício para criação e compartilhamento do conhecimento. Além disso, deve-se aplicar métodos eficientes e sistemáticos para gerenciar o conhecimento dentro da organização de ensino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flávia Dantas de Azevedo Teixeira, Universidade Cesumar (UNICESUMAR), Maringá – PR – Brasil

Mestrado em Gestão do Conhecimento.

Flávio Boertolozzi, Universidade Cesumar (UNICESUMAR), Maringá – PR – Brasil

Professor aposentado. Doutorado em Engenharia de Sistemas Informática (UTC/França).

Iara Carnevale de Almeida, Universidade Cesumar (UNICESUMAR), Maringá – PR – Brasil

Professora e bolsista do Programa Produtividade em Pesquisa (ICETI). Pós-Doutorado (UFRGS).

Yasminn Talyta Tavares Zagonel, Universidade Cesumar (UNICESUMAR), Maringá – PR – Brasil

Mestranda em Gestão do Conhecimento nas Organizações.

Referências

ALARCON, D. F. Diretrizes para a implantação das Práticas de Gestão do Conhecimento na Educação a Distância. 2015. Tese (Doutorado em Engenharia e Gestão do Conhecimento) – Programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão do Conhecimento, Florianópolis, 2015.

BLIKSTEIN, P.; VALENTE, J.; MOURA, E. Educação maker: Onde está o currículo? Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 18, n. 2, p. 523-544, abr./jun. 2020. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/curriculum/article/view/48127. Acesso em: 11 jun. 2019.

BUUNK, I. et al. Tacit knowledge sharing in online environments: locating “Ba” within a platform for public sector professionals. 2018. Disponível em: https://www.napier.ac.uk/~/media/worktribe/output-831111/tacit-knowledge-sharing-in-online-environmentsabstract.pdf. Acesso em: 07 jun. 2019.

CHOO, C. W. A organização do conhecimento: Como as organizações usam a informação para criar significado, construir conhecimento e tomar decisões. Tradução: Eliana Rocha. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2003.

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: Métodos qualitativo, quantitativo e misto. Tradução: Magda Lopes. 3. ed. Porto Alegre: ARTMED, 2010.

DALKIR, K. Knowledge management in theory and practice. 2. ed. England: The MIT Press, 2011.

DAVENPORT, T. H.; PRUSAK, L. Working Knowledge: How organisations manage what they know?. Harvard Business School Press, 1998.

DENZIN, K. N.; LINCOLN, S. Y. O planejamento da pesquisa qualitativa: Teoria e abordagens. Tradução: Sandra Regina Netz. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2006.

KUENZI, J. J. Science, technology, engineering, and mathematics (STEM) education: Background, federal policy, and legislative action, Congressional Research Service Reports, 2008. Disponível em: https://digitalcommons.unl.edu/crsdocs/35/. Acesso em: 08 jun. 2019.

LUDGER, W. et al. Competências básicas universais o que os países têm a ganhar: O que os países têm a ganhar. Publicação da OCDE, 2015.

MARTIN, L. The Promise of the MAKER Movement for Education. Journal of Pre-College Engineering Education Research (J-PEER), v. 5, n. 1, artigo 4, 2015. Disponível em: https://docs.lib.purdue.edu/jpeer/vol5/iss1/4/. Acesso em: 21 jun. 2019.

NEUMAN, W. L. Social Research Methods: Qualitative and Quantitative Approaches. 3. ed. Boston: Allyn and Bacon, 1997.

NONAKA, I. A empresa criadora de conhecimento. In: TAKEUCHI, H.; NONAKA, I. Gestão do conhecimento. Porto Alegre: Bookman, 2008.

NONAKA, I. et al. SECI, Ba and leadership: a unified model of dynamic knowledge creation. Long Range Planning, v. 33, n. 1, p. 5-34, fev. 2000. Disponível em: https://www.sciencedirect.com/science/article/abs/pii/S0024630199001156. Acesso em: 29 jul. 2021.

O’DELL, C.; HARPER, M. Using knowledge-sensitive measures to evaluate km’s impact in STEM disciplines. 2020. Disponível em: https://www.apqc.org/resource-library/resource-listing/using-knowledge-sensitive-measures-evaluate-kms-impact-stem. Acesso em: 12 jun. 2019.

ORTIZ-REVILLA, J. La Educación STEAM y el desarrollo competencial en la Educación Primaria. In: GRECA, I. M.; MENESES VILLAGRÁ, J. Á. (eds.). Proyectos STEAM para la Educación Primaria: Fundamentos y aplicaciones prácticas, p. 41-54. Madrid: Dextra, 2018.

PRODANOV, C. C.; FREITAS, E. C. Metodologia do trabalho Científico: Métodos e Técnicas da Pesquisa e do Trabalho Acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo: Feevale, 2013.

QUIVY, R.; CAMPENHOUDT, L. V. Manuel de recherche en sciences sociales. Paris: Dunod, 1995.

SANDERS, M. E. Integrative STEM education as best practice. In H. Middleton. Explorations of Best Practice in Technology, Design, & Engineering Education, v. 2, p. 103-117, 2012.

SANDERS, M. STEM, STEM education, STEMmania. The Technology Teacher, v. 68, n. 4, p. 20-26, jan./dez. 2009. Disponível em: https://vtechworks.lib.vt.edu/handle/10919/51616. Acesso em: 12 jul. 2021.

SAUNDERS, M. et al. Métodos de pesquisa para estudantes de negócios. 5. ed. Inglaterra: Pearson Education Limited, 2009.

SERVIN, C. B. G. ABC of Knowledge Management. NHS National Library for Health: Specialist Library, 2005. Disponível em: http://www.fao.org/fileadmin/user_upload/knowledge/docs/ABC_of_KM.pdf. Acesso em: 14 jun. 2019.

SUNG, Y. T. et al. Os efeitos da integração de dispositivos móveis com ensino e aprendizagem no desempenho de aprendizagem dos alunos: Uma meta-análise e síntese de pesquisa. Computers and Education, v. 94, p. 252-275, mar. 2016.

PRODANOV, C. C.; FREITAS, E. C. Metodologia do trabalho Científico: Métodos e Técnicas da Pesquisa e do Trabalho Acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo: Feevale, 2013.

TAKEUCHI, H.; NONAKA I. Gestão do conhecimento. Tradução: Ana Thorell. Porto Alegre: Bookman, 2008.

TONIN, L. B. A criação do conhecimento sob a perspectiva do BA na metodologia de ensino híbrido no contexto da educação superior. 2018. Dissertação (Mestrado em Gestão do Conhecimento nas Organizações) – Centro Universitário de Maringá, 2018.

Publicado

30/12/2022

Como Citar

TEIXEIRA, F. D. de A.; BOERTOLOZZI, F.; ALMEIDA, I. C. de; ZAGONEL, Y. T. T. A gestão do conhecimento no sistema de ensino STEM/STEAM. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 17, n. 4, p. 3009–3026, 2022. DOI: 10.21723/riaee.v17i4.15549. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/15549. Acesso em: 8 fev. 2023.

Edição

Seção

Relatos de Pesquisas