A ARTE COMO POTÊNCIA PEDAGÓGICA ATRAVÉS DA MÚSICA

POR QUE O FLAMENGO TAMBÉM SE CANTA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v17i3.16684

Palavras-chave:

Arte. Música. Flamengo. Enseñanza-aprendizaje. Educación Física Escolar.

Resumo

Este texto propõe uma aproximação entre esporte (Futebol/Flamengo) e arte (Música). Tal aproximação é feita com a intenção de deslocar o futebol do estatuto dos gestos técnicos e regras para o campo da arte através da música. O objetivo do escrito é apresentar a música enquanto artefato cultural de arte como potência educativa. Para tal catalogamos e organizamos as músicas que tratam do Flamengo a partir de eixos temáticos a fim de didatizar as mesmas para tratar de temáticas relativas ao “extracampo do futebol” no contexto das aulas de Educação Física escolar. Tratou-se de uma pesquisa de cunho qualitativo abordada sob o viés de um estudo exploratório. Conclui-se que a potência pedagógica da música em sua relação com o futebol está no modo como a partir de seus afectos e perceptos, permite uma exploração das condições da prática do futebol, abrindo novas possibilidades de experimentá-lo e novas maneiras de pensá-lo para além de seus usos e destinações sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabio Zoboli, Universidade Federal de Sergipe - UFS

Pós doutor em "Educação do corpo" pela Universidad Nacional de La Plata - UNLP/Argentina. Doutor em Educação pela Universidade Federal da Bahia - UFBA. Professor do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal de Sergipe - PPGED/UFS. Membro do Grupo de Pesquisa "Corpo e política".

Mtheus Souza dos Santos, Universidade Federal de Sergipe - UFS

Acadêmico do curso de licenciatura em Educação Física da Universidade Federal de Sergipe - UFS. Bolsista de Iniciação Científica PIBIB-COPES.

Elder Silva Correia, Universidade do Nordeste da Bahia - UNEB.

Doutor em Educação pela Universidade Federal de Sergipe - UFS. Mestre em Educação Física pela Universidade Federal do espírito Santo - UFES. Professor do Curso de Educação Física da Universidade do Nordeste da Bahia - UNEB. Membro do grupo de pesquisa "Corpo e política".

Referências

AUGÉ, M. Não lugares: introdução a uma antropologia da sobremodernidade. Tradução Michel Serras Pereira. Lisboa: 90 graus, 2005.

BRASIL. Lei 11.769, de 18 de agosto de 2008. Diário Oficial da União da República Federativa do Brasil, Poder Legislativo, Brasília, DF, 19, ago, 2008.

CASTRO, R. O vermelho e o negro: pequena grande história do Flamengo. São Paulo: Editora Débora Books na Art, 2001

CSEPREGI, G. Verbete música. In. MARZANO, M. Dicionário do corpo. Tradução de Lucia Pereira de Souza; Mariana Paolozzi Sérvulo da Cunha; Nicolás Nyimi Campanário. São Paulo: Edições Loyola, pág. 682-685, 2012.

DAMASCENO, V. Pensar com a arte: a estética em Deleuze. Revista Viso: Cadernos de Estética aplicada nº 20, jan./jun. 2017. Disponível em: http://revistaviso.com.br/visArtigo.asp?sArti=223 Acesso em: 25 mar. 2022.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. O que é a filosofia? São Paulo: Editora 34, 2010.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. V. 3. São Paulo: editora 34, 2012.

ESPOSITO, R. Bios: biopolítica e filosofia. Tradução de Wander Melo Miranda. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2017.

GAARDER, J.; HELLLERN, V.; NOTAKER, H. O livro das religiões. Tradução Isa Mara Lando. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

GIL, C. A. Como Elaborar Projetos de Pesquisa. 6ª edição. São Paulo, Atlas, 2017.

HUIZINGA, J. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. São Paulo: Perspectiva, 2019.

LAPOUJADE, D. Deleuze, os movimentos aberrantes. Trad. Laymert Garcia dos Santos.

São Paulo: N-1 edições, 2015.

NATERA, G.; GUIRALDELLO, G. Música e mídias: contribuições das teses e dissertações brasileiras para a formação de professores. Revista Tempos e Espaços em Educação, São Cristóvão, v.3, nº 32, 2020. Disponível em: https://seer.ufs.br/index.php/revtee/article/view/14007 Acesso em: 02 abr. 2022.

NEVES, J. L. Pesquisa qualitativa – características, usos e possibilidades. Caderno de pesquisas em administração, São Paulo, v.1, nº 3, 1996. Disponível em: https://www.academia.edu/34790129/PESQUISA_QUALITATIVA_CARACTER%C3%8DSTICAS_USOS_E_POSSIBILIDADES Acesso em: 27 mar. 2022.

RODRIGUES FILHO, M. O negro no futebol brasileiro. Rio de Janeiro: Mauad editora, 2003.

RODRIGUES FILHO, M. Histórias do Flamengo. 4 ed. Rio de Janeiro: Mauad editora, 2014.

SILVA, R. I. ZOBOLI, F. Música, corpo e Educação física. Motrivivência v. 27, n. 44, p. 125-141, maio/2015. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/motrivivencia/article/view/2175-8042.2015v27n44p125 Acesso em: 2 abr. 2022.

VERÍSSIMO, L. F. Infantilidades. In: VERÍSSIMO, Luis Fernando. Time dos sonhos: paixão, poesia e futebol. Rio de Janeiro: Objetiva, 2010.

VERNANT, J-P. Mito e pensamento entre os gregos: estudos da psicologia histórica. Tradução de Haiganuch Sarian. Rio de Janeiro: Paz e terra, 1990.

XAVIER, B. Futebol no país da música. São Paulo: Panda Books, 2009.

Publicado

11/05/2022

Como Citar

ZOBOLI, F.; SANTOS, M. S. dos; CORREIA, E. S. A ARTE COMO POTÊNCIA PEDAGÓGICA ATRAVÉS DA MÚSICA: POR QUE O FLAMENGO TAMBÉM SE CANTA. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 17, n. 3, 2022. DOI: 10.21723/riaee.v17i3.16684. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/16684. Acesso em: 29 jun. 2022.