Parceria entre os setores público e privado como política educacional

Relato de algumas pesquisas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v17i4.16690

Palavras-chave:

Educação não formal, Interações funcionais, Privatizações exógena

Resumo

No contexto político-educacional neoliberal, as parcerias fazem parte das relações entre o setor público e o privado. Algumas delas articulam a educação formal e a educação não formal, trazendo para a Educação Básica propostas educativas de diferentes organizações sociais. O objetivo do artigo é analisar as articulações entre organizações sociais e escolas públicas no estado do Rio de Janeiro e do Maranhão, partindo de quatro pesquisas acadêmicas realizadas com docentes, discentes e gestores entre os anos de 2013 e 2021. Trata-se de uma pesquisa documental que dialoga com a reflexões sobre articulações dos espaços formativos de Maria Gohn e Jaume Trilla e com as críticas às políticas educacionais contemporâneas de Stephen Ball. Observou-se aspectos limitadores das parcerias: número reduzido de alunos participantes e materiais didáticos inadequados; como potencialidades, a melhoria no desempenho escolar e o desenvolvimento de laços de afetividade pelos envolvidos nas ações educativas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Wania Regina Coutinho Gonzalez, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Duque de Caxias – RJ – Brasil

Professora de Pós-Graduação em Educação e Cultura nas Periferias Urbanas e Professora do Programa de Educação e Cultura Contemporânea. Doutorado em Educação (UERJ).

Elaine Rodrigues de Ávila, Secretaria Municipal de Educação (SME), Rio de Janeiro – RJ – Brasil

Professora de História. Doutorado em Educação (UNESA).

Referências

AVELAR, M. Entrevista com Stephen J. Ball: Uma análise de sua contribuição para a pesquisa em política educacional. Revista Archivos Analíticos de Políticas Educativas, v. 24, n. 24, p. 1-18, fev. 2016. Disponível em: https://epaa.asu.edu/ojs/article/viewFile/2368/1743. Acesso: 21 jan. 2018.

AVILA, E. R. Parceria público-privada e os efeitos no trabalho docente: Uma aceleração de estudos na rede pública municipal da cidade do rio de janeiro (2012 - 2016). 2020. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estácio de Sá, Rio de Janeiro. Disponível em: https://portal.estacio.br/media/4684997/elaine-rodrigues-de-%C3%A1vila.pdf. Acesso em: 10 jan. 2022.

AZEVEDO, E. C. As ações educativas não formais da iniciativa privada em espaços formais de educação do estado do Rio de Janeiro. 2013. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estácio de Sá, Rio de Janeiro, 2013. Disponível em: https://portal.estacio.br/media/3733182/2013-eduardo-campos-azevedo.pdf. Acesso em: 12 jan. 2022.

BALL, S. J. Education Reform: a critical and post-structural approach. London: Open University Press, 1994.

BALL, S. J. Educação Global S. A.: Novas redes políticas e o imaginário neoliberal. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2014.

BOAES, K. O Terceiro Setor e a Educação: Parcerias entre as escolas públicas e as ONGs localizadas no centro histórico de São Luís. 2018. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estácio de Sá, Rio de Janeiro, 2018. Disponível em: https://portal.estacio.br/media/3733051/tese-katana-vers%C3%A3o-final-1.pdf. Acesso em: 15 jan. 2022.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Assembleia Nacional, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 20 set. 2022.

CAMPOS, D. C. B.; DAMASCENO, A. Parcerias público-privada (PPP): Trajetória histórica no Brasil e sua inserção na política educacional brasileira. Perspectiva, Florianópolis, v. 38, n. 1, p. 1-23, jan./mar. 2020. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/view/2175-795X.2020.e62834. Acesso em: 17 mar. 2022.

GOHN, M. G. Educação não formal e o educador social. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

GOHN, M. G. Educação Não Formal: Direitos e aprendizagens dos cidadãos (ãs) em tempos de coronavírus. Revista Humanidades e Inovação, Palmas, v. 7, n. 7.7, p. 1-19, 2020. Disponível em: https://revista.unitins.br/index.php/humanidadeseinovacao/article/view/3259. Acesso em: 10 jan. 2022.

LACERDA, P. M. (org.). Parcerias com escolas municipais do Rio de Janeiro 2009. Rio de Janeiro: Instituto Desiderata, 2009.

LANDIM, L. Múltiplas identidades das ONGs. In: HADDAD, S. (org.). ONGs e Universidades: Desafios na cooperação na América Latina. São Paulo: ABONG; Peirópolis, 2002.

LIMA, V. O. Parceria público- privada no contexto da Educação Básica. 2021. Dissertação (Mestrado em Educação) – UNESA, Rio de Janeiro, 2021.

MONTAÑO, C. Terceiro Setor e a questão social: Crítica ao padrão emergente da intervenção social. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2005.

PERONI, V. M. V. Relação público-privado no contexto do neoconservadorismo no Brasil. Educação e Sociedade, Campinas, v. 41, e241697, 2020. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/gPNy6mbMhQVmfzrqX8tRz4N/?lang=pt&format=pdf. Acesso em: 17 mar. 2022.

SILVA, A.; TRIPODI, Z. F. Organizações sociais e educação: perfis e tendências em marcos legais nordestinos. Educação e Sociedade, Campinas, v. 42, e241677, 2021. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/HxVX6dzZV3nj9zxgj5Z8htD/abstract/?lang=en. Acesso em: 16 fev. 2022.

TRILLA, J.; GHANEM, E.; ARANTES, V. A. (org.). Educação formal e não-formal: Pontos e contrapontos. São Paulo: Summus, 2008.

Publicado

30/12/2022

Como Citar

GONZALEZ, W. R. C.; ÁVILA, E. R. de. Parceria entre os setores público e privado como política educacional: Relato de algumas pesquisas. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 17, n. 4, p. 3039–3055, 2022. DOI: 10.21723/riaee.v17i4.16690. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/16690. Acesso em: 8 fev. 2023.

Edição

Seção

Relatos de Pesquisas