Novo Ensino Médio

A escolha do livro didático de ciências da natureza em uma Escola Pública Estadual de Mato Grosso do Sul

Autores

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v19i00.16852

Palavras-chave:

BNCC, PNLD, Itinerário Formativo, Formação de Professores, Currículo

Resumo

A educação está intimamente ligada à política e à cultura, e de tal modo, o currículo escolar não pode ou não deve ser compreendido apenas como um conjunto neutro de conhecimentos. Assim, para atender as mudanças curriculares, os materiais didáticos são alterados, principalmente tratando-se da Reforma do Ensino Médio (EM) e da implantação da Base Nacional Comum Curricular (BNCC). O objetivo deste relato de experiência é descrever a experiência da escolha dos livros didáticos pela coordenação pedagógica do PNLD do EM durante a pandemia da Covid-19, em uma escola pública estadual de Mato Grosso do Sul (Brasil). Resultou-se nas seguintes considerações: diante das incertezas do novo currículo e da redução da carga horária, os professores escolheram os livros didáticos mediados pela coordenação pedagógica. Consideramos preocupante o silenciamento das disciplinas de Química, Física e Biologia com a consequente redução da carga horária.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alessandra dos Santos Olmedo, Secretaria de Estado de Educação

Doutorado em Ensino de Ciências - Instituto de Física (UFMS).

Erica Cristina da Silva, Secretaria de Estado de Educação

Doutorado em Ciências com ênfase em Química Orgânica pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP).

Cristiane Miranda Magalhães Gondin, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Pós-graduanda do Doutorado em Ensino de Ciências - Instituto de Física (UFMS).

Vera de Mattos Machado, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Professora da Pós-Graduação Mestrado e Doutorado Acadêmico em Ensino de Ciências - Instituto de Física (UFMS). Doutorado em Educação (UFMS).

Referências

ALMEIDA, F. A reforma do ensino médio brasileiro de 2017 nos moldes do sistema neoliberal. 2017. 108 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade do Planalto Catarinense, Lages, SC, 2017.

APPLE, M. W. Ideologia e Currículo. São Paulo: Brasiliense, 1994.

APPLE, M. W. A política do conhecimento oficial: faz sentido a ideia de um currículo nacional? In: MOREIRA, A. F. B.; SILVA, T. T. da. (org.). Currículo, Cultura e Sociedade. 12. ed. São Paulo: Cortez, 2013. p. 71-106.

BALL, S. J. Políticas Globais e Relações Políticas Locais em Educação. Currículo sem Fronteiras, [S. l.], v. 1, n. 2, p. 99-116, 2001.

BOWE, R.; BALL, S.; GOLD, A. Reforming education e changing schools: case studies in Policy Sociology. London: Routledge, 1992.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, [2016]. Disponível em: https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/518231/CF88_Livro_EC91_2016.pdf. Acesso em: 09 jan. 2022.

BRASIL. Congresso Nacional. Lei n. 5.537, de 21 de novembro de 1968. Cria o Instituto Nacional de Desenvolvimento da Educação e Pesquisa (INDEP), e dá outras providências. Brasília, DF: Congresso Nacional, 1968. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l5537.htm. Acesso em: 12 jan. 2022.

BRASIL. Congresso Nacional. Decreto-Lei n. 872, de 15 de setembro de 1969. Complementa disposições da Lei n. 5.537, de 21 de novembro de 1968, e dá outras providências. Brasília, DF: Congresso Nacional, 1969. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1960-1969/decreto-lei-872-15-setembro-1969-362742-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em: 13 jan. 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei n. 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: MEC, 1996. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 12 jan. 2022.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Parecer n. 15, de 1 de junho de 1998. Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Brasília, DF: CNE, 1998.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio, Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasília, DF: MEC, SEMTEC, 1999.

BRASIL. Congresso Nacional. Processos legislativos da Lei n. 12.796, de 4 de abril de 2013. Brasília, DF: Presidência da República, 2013. Disponível em: https://legislacao.presidencia.gov.br/atos/?tipo=LEI&numero=12796&ano=2013&ato=69dMTQU50MVpWTb0. Acesso em: 12 jan. 2022.

BRASIL. Lei Federal 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, 2014. Disponível em: https://bd.camara.leg.br/bd/handle/bdcamara/20204. Acesso em: 10 jan. 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, DF: MEC, 2016. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/relatorios-analiticos/bncc-2versao.revista.pdf. Acesso em: 24 jan. 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, DF: MEC, SEB, 2017a.

BRASIL. Lei n. 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Altera as Leis nos 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Brasília, DF: Presidência da República, 2017b. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/l13415.htm. Acesso em: 20 jan. 2022.

BRASIL. Resolução n. 3, de 21 de novembro de 2018. Atualiza as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Brasília, DF: MEC, SEB, 2018. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/novembro-2018-pdf/102481-rceb003-18/file. Acesso em: 21 nov. 2022.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação Conselho Pleno. Resolução CNE/CP N. 2, de 30 de agosto de 2022. Brasília, DF: MEC, CNE, 2022. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=240741-rcp002-22&category_slug=agosto-2022-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 21 nov. 2022.

CÁSSIO, F. L. Base Nacional Comum Curricular: ponto de saturação e retrocesso na educação. Revista Retratos da Escola, [S. l.], v. 12, n. 23, p. 239-253, 2018. DOI: 10.22420/rde.v12i23.887.

FARIAS, E. V. M.; PEREIRA-FERREIRA, C.; AZEVEDO, H. J. C. C.; BARROS, R. P. S.; COSTA, E. C. P. 20 anos de Enpec: um levantamento sobre livros didáticos em Ciências Biológicas e Naturais. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, 12., 2019. Anais [...]. Natal, RN: Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2019. p. 1-9, Disponível em: http://abrapecnet.org.br/enpec/xii-enpec/anais/lista_area_11_1.htm. Acesso em: 20 jan. 2022.

FERNANDES, M. S.; SILVA, V. A.; JUNIOR, C. A. P. Um estudo semiótico dos modelos atômicos em livros didáticos de química adotados por escolas públicas no município de goiás. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENSINO DE QUÍMICA, 19., 2018. Anais [...]. Rio Branco, AC: [s. n.], 2018. p. 1819-1830. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/1vIvpX7ijcYIYlNfzZiwuEj1cBFqvbBCB/view. Acesso em: 16 ago. 2021.

FIORESE, J. Z.; DELIZOICOV, N. C. Livros didáticos de biologia e a história da ciência. Roteiro, [S. l.], v. 40, n. 1, p. 101-126, 2015.

FONTES, A. M.; LOURENÇO, M. F. P.; MESSEDER, J. C. A representação experimental da pilha de Daniell nos livros didáticos: um erro questionado. In: ENCONTRO NACIONAL DE ENSINO DE QUÍMICA, 16.; ENCONTRO DE EDUCAÇÃO QUÍMICA DA BAHIA, 10., 2012. Anais [...]. Salvador, BA: [s. n.], 2012. p. 1-9. Disponível em http://www.eneq2012.qui.ufba.br. Acesso em: 16 ago. 2021.

GOODSON, I. F. Currículo: teoria e história. 15. ed. Petrópolis, RJ: Vozes. 2020.

LOPES, A. C. Itinerários formativos na BNCC do Ensino Médio: identificações docentes e projetos de vida juvenis. Revista Retratos da Escola, [S. l.], v. 13, n. 25, p. 59-75, 2019.

LOPES, A. C. Políticas curriculares: continuidade ou mudança de rumos? Revista Brasileira de Educação, [S. l.], n. 26, p. 110-118, 2004. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbedu/a/bjF9YRPZJWWyGJFF9xsZprC/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 30 dez. 2021.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. Pesquisa em Educação: Abordagens qualitativas. 12. reimp. São Paulo: EPU, 2010.

MAINARDES, J. Abordagem do Ciclo de Políticas: uma contribuição para a análise de políticas educacionais. Educação e Sociedade, Campinas, v. 27, n. 94, p. 47- 69, 2006.

MATO GROSSO DO SUL. Decreto nº 15.391, de 16 de março de 2020. Dispõe sobre medidas temporárias a serem adotadas no âmbito da Administração Pública do Estado de Mato Grosso do Sul, para prevenção do contágio da doença COVID-19. Diário Oficial Eletrônico, Campo Grande, MS, ANO XLII, n. 10.115, p. 2-5, 2020a. Disponível em: https://www.spdo.ms.gov.br/diariodoe/Index/Download/DO10115_16_03_2020. Acesso em: 08 dez. 2021.

MATO GROSSO DO SUL. Secretaria de Estado de Educação, Resolução n. 3.745, de 19 de março de 2020 Regulamenta o Decreto n. 15.391, de 16 de março de 2020 e a oferta de Atividades Pedagógicas Complementares nas Unidades Escolares e Centros. Diário Oficial Eletrônico, Campo Grande, MS, ANO XLII n. 10.120, p. 1-6, 2020b. Disponível em: https://www.spdo.ms.gov.br/diariodoe/Index/Download/DO10120_19_03_2020. Acesso em: 08 ago. 2021.

MATO GROSSO DO SUL. (Estado). Secretaria de Estado de Educação. Currículo de Referência de Mato Grosso do Sul: Ensino Médio e Novo Ensino Médio. Campo Grande, MS: SED, 2021. Disponível em: https://www.sed.ms.gov.br/wp-content/uploads/2022/01/Curriculo-Novo-Ensino-Medio-v1.1.pdf. Acesso em: 10 jan. 2022.

PINHEIRO, R. M. S.; ECHALAR, A. D. L. F.; QUEIROZ, J. R. O. As políticas públicas de livro didático no Brasil: editais do PNLD de Biologia em questão. Educar em Revista, [S. l.], v. 37, e81261, p. 1-23, 2021. DOI: 10.1590/0104-4060.81261.

RODRIGUES, L. Z.; PEREIRA, B.; MOHR, A. O Documento Proposta para Base Nacional Comum da Formação de Professores da Educação Básica (BNCFP): dez razões para temer e contestar a BNCFP. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, [S. l.], n. 20, p. 1–39, 2020. DOI: 10.28976/1984-2686rbpec2020u139.

SILVA, M. R. A BNCC da reforma do ensino médio: o resgate de um empoeirado discurso. Educação em Reviste, [S. l.], v.34, e214130, p. 1-15, 2018. DOI: 10.1590/0102-4698214130.

SILVA, T. T. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 1999.

VITIELLO, M. A.; CACETE, N. H. Currículo, poder e a política do livro didático de geografia no Brasil. Revista Brasileira de Educação, [S. l.], v. 26, e260013, p. 1-21, 2021. DOI: 10.1590/S1413-24782021260013

Publicado

15/03/2024

Como Citar

OLMEDO, A. dos S.; SILVA, E. C. da; GONDIN, C. M. M.; MACHADO, V. de M. Novo Ensino Médio: A escolha do livro didático de ciências da natureza em uma Escola Pública Estadual de Mato Grosso do Sul. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 19, n. 00, p. e024032, 2024. DOI: 10.21723/riaee.v19i00.16852. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/16852. Acesso em: 23 abr. 2024.

Edição

Seção

Relatos de Experiência