O acúmulo de saberes à educação do pensamento

Autores

  • Marcelo Alexandre dos Santos

DOI:

https://doi.org/10.21723/riaee.v4i2.2775

Resumo

O presente artigo consiste numa reflexão sobre a extrema valorização atualmente atribuída ao acúmulo de saberes enquanto aquisição de informações, em detrimento de uma educação que priorize a autonomia do pensar e, consequentemente, da emancipação. Pretende-se, portanto, discutir os meios pelos quais este acúmulo se constitui uma exigência e, ao mesmo tempo, uma imposição, influenciando negativamente a ação de pensar dos indivíduos na sociedade contemporânea. Pretende-se também apresentar possíveis caminhos que levem à superação desta problemática e permita atingir um pensar genuíno e emancipador. Para realizar tal intento, recorre-se aos textos dos teóricos frankfurtianos – sobretudo Theodor W. Adorno – e aos de Walter O. Kohan (2005), filósofo da atualidade que aborda as principais idéias dos também filósofos Lipman e Deleuze. Reflete também sobre as maneiras pelas quais a educação poderia articular no processo de irrupção de um pensar autônomo, sem distanciar essa autonomia de um processo reflexivo, crítico e criativo. Conclui-se, ao final, que a educação para o pensar só será possível a partir do reconhecimento das conseqüências da mera valorização do acúmulo de saberes e de como se poderia proporcionar a autonomia do pensamento.

Downloads

Publicado

10/06/2010

Como Citar

SANTOS, M. A. dos. O acúmulo de saberes à educação do pensamento. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 4, n. 2, p. 227–237, 2010. DOI: 10.21723/riaee.v4i2.2775. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/iberoamericana/article/view/2775. Acesso em: 5 mar. 2021.

Edição

Seção

Artigos