O virtual como ideia em trânsito e o nomadismo digital pedagógico como atitude docente

Jaqueline Costa Castilho Moreira

Resumo


Os “conceitos nômades” sugerem certas noções gerais que advém do intercâmbio entre os vários saberes. Este trabalho objetivou investigar como o termo “virtual” pôde ser aplicado pedagogicamente como conceito nômade, aprimorando práticas do currículo oficial paulista relacionadas à Educação Física, usando tecnologia disponível, leve e/ou de baixo custo. A metodologia utilizada nesta pesquisa educacional de abordagem qualitativa considerou uma revisão de literatura e um questionário aplicado como avaliação de uma formação continuada de trinta horas, ministrada a dez professores da rede pública que atuam na área no ano de 2016. Como resultado da concepção sugerida para os jogos virtuais, como jogos de representação com alguma tecnologia e que priorizam o movimento corporal e o compartilhamento de vivências, foi observado pelas respostas docentes, que esta acepção favoreceu o entendimento de outras possibilidades de atuação docente pelos cursistas; instigou reflexões sobre as tecnologias disponíveis nas unidades escolares e as adaptações requeridas para o desenvolvimento da temática virtualização do corpo.


Palavras-chave


Conceito nômade. Jogos virtuais. Formação continuada. Educação física.

Texto completo:

PDF

Referências


BARACHO, A. F. O.; GRIPP, F. J.; LIMA, M. R. Os exergames e a educação física escolar na cultura digital. 2012. Disponível em: http://goo.gl/FRBcZF. Acesso em: 12 jun. 2014.

BATISTA, M. L. S. et al. Um estudo sobre a história dos jogos eletrônicos. 2007. Disponível em: http://re.granbery.edu.br/artigos/MjQ4.pdf. Acesso em: 12 set. 2016.

CASSIANI, S.; LINSINGEN, I. V.; GIRALDI, P. M. História de Leituras: produzindo sentidos sobre Ciência e Tecnologia. Pro-Posições, Campinas, v. 22, n. 1, p. 59-70, jan./abr. 2011.

CRAIA, E. O virtual: destino da ontologia de Gilles Deleuze. 2009. Disponível em: http://www.repositorio.unicamp.br/bitstream/REPOSIP/72646/1/WOS000270810100009.pdf. Acesso em: 20 nov. 2016.

DELEUZE, G. O atual e o virtual. 1996. Disponível em: https://antropologiassociativa.files.wordpress.com/2010/06/deleuze_1996_o-atual-e-o-virtual_bookchapt.pdf. Acesso em: 20 nov. 2016.

DUMAS, B. Les savoirs nomade. 1999. Disponível em: http://id.erudit.org/revue/socsoc/1999/v31/n1/001214ar.html?lang=en. Acesso em: 17 nov. 2014.

FERES NETO, A. Videogame e Educação Física/Ciências do Esporte: uma abordagem à luz das teorias sobre o virtual. 2005. Disponível em: http://www.efdeportes.com/efd88/video.htm. Acesso em: 12 jun. 2014.

FINCO, M. D.; REATEGUI, E. B.; ZARO, M. A. Laboratório de Exergames: Um Espaço Complementar para as Aulas de Educação Física. Movimento: Rev. Esc. Ed. Fís., UFRGS, Porto Alegre, v. 21, n. 3, p.687-699, 2015.

LÉVY, P. O que é virtual. São Paulo: Editora 34; 1996.

MELLO, A. S.; DOMINGOS, B. S. M.; INCROCCI, L. O processo de construção de uma pesquisa interdisciplinar: simetria e conceitos nômades. 2014. Disponível em: www.rbgdr.net/revista/index.php/rbgdr/article/download/1470/393. Acesso em: 17 nov. 2014.

RAYNAUT, C. A questão interdisciplinar/vídeo. 2014. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=DrBNs3gCoss. Acesso em: 24 nov. 2014.

SCHWARTZ, G. M.; TAVARES, G. H. (Orgs.) Webgames com o corpo. São Paulo: Ed. Phorte, 2015.

SOUZA, R. R. O que é realmente o virtual? 2013. Disponível em: http://www.ccuec.unicamp.br/revista/infotec/artigos/renato.html. Acesso em: 20 nov. 2016.

VAGHETTI, C. A. O.; BOTELHO, S. S. C. Ambientes virtuais de aprendizagem na Educação Física. 2010. Disponível em: http://goo.gl/4XPnGy. Acesso em: 12 jun. 2014.




DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v21.n.esp3.2017.10039



Rev. on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1519-9029

DOI prefix: 10.22633/rpge

Licença Creative Commons 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.