O que os gestores escolares da rede pública entendem sobre gênero?

Lia Machado Fiuza Fialho, Lorena Brenda Santos Nascimento

Resumo


A pesquisa objetiva compreender saberes e práticas pedagógicas efetivadas por gestores da rede pública de ensino sobre a temática de gênero. Questiona-se que conhecimentos e atividades são desenvolvidos por gestores escolares na orientação de ações educativas que incentivam o respeito às diferenças e diversidades na escola acerca das questões de gênero, uma vez que esse tema também é responsável pela formação educacional do aluno. Sob o argumento de que as temáticas envolvendo gênero ainda são pouco discutidas na escola, defende-se o pressuposto de que sua visibilidade social, especialmente em espaços formativos, precisa ser ampliada e envolver todos os membros da comunidade escolar; os gestores devem fomentar e apoiar iniciativas nessa direção. Com uma abordagem qualitativa, recorre-se a um estudo de caso envolvendo três gestores da rede pública de ensino do município de Fortaleza, Ceará. Com aporte metodológico na História Oral Temática, constataram-se, mediante as entrevistas, dificuldades dos gestores em compreender os conceitos de gênero, sexo e sexualidade, ainda que tenham afirmado apoiar palestras e atividades de conscientização para tratar sobre diversidade de gênero em sala de aula, bem como resistência por parte de alguns alunos e professores. O incipiente conhecimento teórico dos gestores e as resistências evidenciam a necessidade de debates, práticas de ensino e políticas públicas voltadas ao respeito às pluralidades, na contramão da cultura do preconceito.


Palavras-chave


Gênero. Diversidades. Gestor escolar. Práticas pedagógicas. Escola.

Texto completo:

PDF

Referências


AQUINO, J. G. Diferenças e preconceito na escola: alternativas teóricas e práticas. São Paulo: Summus, 1998.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 21 dez. 1996.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Brasília, DF: MEC/SEB/Dicei, 2013.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Resolução nº 12, de 16 de janeiro de 2015. Estabelece parâmetros para a garantia das condições de acesso e permanência de pessoas travestis e transexuais – e todas que tenham sua identidade de gênero não reconhecida em diferentes espaços sociais – nos sistemas e instituições de ensino, formulando orientações quanto ao reconhecimento da identidade de gênero e sua operacionalização. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 12 mar. 2015.

CANDAU, V. M. Direitos humanos, educação e interculturalidade. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 13, n. 17, p. 45-56, 2008.

CURY, C. R. J. Gestão democrática da educação: exigências e desafios. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação, Goiânia, v. 18, n. 2, p. 163-174, 2002.

DESLANDES, K. Gênero e diversidade na escola: como verificar o impacto da formação de professore/as? In: fazendo gênero: diásporas, diversidades, deslocamentos, 9., 2010, Florianópolis. Anais... Florianópolis: UFSC, 2010. p. 1-8.

FERNÁNDEZ, M. P. M. Identidades de gênero e etnolinguística nas experiências de educação superior de professoras indígenas no Brasil. Em Aberto, Brasília, DF, v. 27, n. 92, p. 147-163, 2014.

FIALHO, L. M. F.; NASCIMENTO, L. B. S.; XEREZ, A. S. P. O que as professoras da educação básica sabem sobre gênero? Cadernos de Pesquisa: Pensamento Educacional, Curitiba, v. 11, p. 63-69, 2016.

FLICK, U. Introdução à pesquisa qualitativa. 3. ed. São Paulo: Artmed, 2009.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

GALINKIN, A. L.; BERTONI, L. M. Gênero e educação: um caminho para a igualdade. Em Aberto, Brasília, DF, v. 27, n. 92, p. 21-42, 2014.

JOCA, A. M. Educação escolarizada e diversidade sexual: problemas, conflitos e expectativas. In: COSTA, A. H.; JOCA, A. M.; LOIOLA, L. P. (Org.). Desatando nós: fundamentos para a práxis educativa sobre gênero e diversidade sexual. Fortaleza: UFC, 2009. p. 99-140.

LOURO, G. L. Corpo, escola e identidade. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 25, n. 2, p. 59-75, 2000.

MUSSKOPF, A. S. Quando sexo, gênero e sexualidade se encontram. Revista Tempo e Presença, Rio de Janeiro, v. 3, n. 8, s/p, 2008.

PARO, V. H. Gestão escolar, democracia e qualidade de ensino. São Paulo: Ática, 2007.

PEREIRA, A. C.; RIBEIRO, C. S. J. A culpabilidade pelo fracasso escolar e a interface com os “problemas de aprendizagem” em discurso. Educação & Formação, Fortaleza, v. 2, n. 5, p. 95-110, 2017.

ROMANELLI, O. O. História da educação no Brasil. 7. ed. Petrópolis: Vozes, 1985.

SCOTT, J. W. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 72-99, 1995.

SHIROMA, E. O.; MORAES, M. C.; EVANGELISTA, O. Política educacional. 3. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2004.

SILVA, M. R. Direito à educação, universalização e qualidade: cenário da educação básica e da particularidade do ensino médio. Jornal de Políticas Educacionais, Curitiba, v. 9, n. 17, p. 61-74, 2015.

SOUSA, M. G. M.; SILVA, V. F. Mediação de conflitos na escola. Leopoldina: Superintendência Regional de Ensino, 2006.

THOMPSON, P. A voz do passado: introdução à história oral. São Paulo: Paz e Terra, 1998.

VIANNA, C. P.; UNBEHAUM, S. O gênero nas políticas públicas de educação no Brasil: 1988-2002. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 34, n. 121, p. 77-104, 2004.




DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v21.n.esp2.2017.10147



Rev. on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1519-9029

DOI prefix: 10.22633/rpge

Licença Creative Commons 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.