A gestão da educação fluminense e as implicações do modelo gerencialista

Silvana Malheiro do Nascimento Gama, Jorge Najjar

Resumo


No bojo das reformas estruturais que inauguraram elementos na gestão pública da Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro (SEEDUC), expressos através de metas estabelecidas em seu planejamento estratégico, também foi apresentada a Gestão Integrada da Escola (GIDE), um sistema de gestão que abrange aspectos estratégicos, políticos e gerenciais da área educacional com foco nos resultados. De acordo com a SEEDUC, através da implementação da GIDE cada unidade escolar teria uma diagnóstico da sua situação e poderia dar prioridade às causas dos problemas, ajudando o estado a elevar seus resultados no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB). Nesse sentido, observamos a estreita vinculação entre a GIDE e a cultura de metas, que levam em última instância à elevação do IDEB. Sob atenta análise é possível identificar que a ênfase em aspectos gerenciais está associada à performatividade. Assim, o presente texto tencionará apresentar a proposta da GIDE, relacioná-la ao contexto gerencial da política educacional fluminense, suscitando a reflexão sobre as implicações da introdução de um novo modelo de gestão educacional no Estado do Rio de Janeiro.


Palavras-chave


Educação Fluminense. GIDE. Gerencialismo.

Texto completo:

PDF XML

Referências


ABRUCIO, F. L. O impacto do modelo gerencial na administração pública: um breve estudo sobre a experiência internacional recente. Cadernos ENAP, n. 10. Brasília: ENAP, 1997.

AFONSO, A. J. Nem tudo o que conta em educação é mensurável ou comparável: crítica à accountability baseada em testes estandardizados e rankings escolares. Revista Lusófona de Educação, Lisboa, n. 13, p. 13-29, 2009.

AFONSO, A. J. Para uma concetualização alternativa de accountability em educação. Educação & Sociedade, n. 33, abr./jun., 2012.

BALL, S. Reformar Escolas - Reformar Professores e os Terrores da Perfomatividade. Revista Portuguesa de Educação, v. 15, n. 2, p. 3-23, 2002.

BALL, S. Contribuições de Stephen Ball para o estudo de políticas de currículo. In: BALL, Stephen; MAINARDES, Jefferson (org.). Políticas educacionais: questões e dilemas. São Paulo: Cortez, 2011.

BALL, S. Performatividade, Privatização e o Pós- Estado de Bem-Estar. Educ. Soc., Campinas, v. 25, n. 89, p. 1105-1126, set./dez., 2004.

BALL, S. Profissionalismo, gerencialismo e performatividade. Cadernos de Pesquisa, v. 35, n. 126, p. 539-564, set./dez., 2005.

BRASIL. Plano diretor da reforma do aparelho de Estado. Brasília, Documentos da Presidência da República, 1995.

BRESSER-PEREIRA, L. C. Da administração pública burocrática à gerencial. Revista do Serviço Público, v. 47, n. 1, 1996, p. 1.

FADUL, É.; SOUZA, A. R. Analisando a interface entre o gerencialismo, a criação das agências reguladoras e a inovação institucional. In: XXX ENANPAD. Salvador, 2006.

FALCONI, V. O Método PDCA. Falconi Consultores de Resultados, 2017. Disponível em: www.falconi.com/quem-somos/o-metodo-pdca/. Acesso em: 01 set. 2017.

GENTILI. P. A falsificação do consenso: simulacro e imposição na reforma educacional do neoliberalismo. Petrópolis/RJ: Vozes, 1998.

MATIAS-PEREIRA, J. Administração pública comparada: uma avaliação das reformas administrativas do Brasil, EUA e União Européia. RAP, Rio de Janeiro, v. 42, n. 1, p. 61-82, jan./fev., 2008.

NAJJAR, J. A disputa pela qualidade da escola: uma análise do Programa Nova Escola do estado do Rio de Janeiro. Niterói/RJ, EDUFF, 2015.

PORTAL G1, RJ. Novo secretário de educação do RJ assume com promessa de avanços. Rio de Janeiro, 06/10/2010. Disponível em: http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2010/10/novo-secretario-de-educacao-do-rj-assume-com-promessa-de-avancos.html. Acesso em 01 set. 2017.

PORTAL G1, RJ. Estado regulamenta eleição de diretores em colégios estaduais no Rio. Rio de Janeiro, 2016. Disponível em: http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2016/10/estado-regulamenta-eleicao-de-diretores-em-colegios-estaduais-no-rio.html. Acesso em: 01 out. 2017.

RIO DE JANEIRO, Estado do. Lei nº 7299, de 03 de junho de 2016. Dispõe sobre o estabelecimento de processos consultivos para a indicação de Diretores e Diretores Adjuntos das Instituições de ensino integrantes da Rede Estadual de Estado de Educação e da Fundação de Apoio à Escola Técnica – FAETEC. Rio de Janeiro, 2016.

RIO DE JANEIRO, Estado do. Decreto 42.793, de 06 de janeiro de 2011. Estabelece programas para o aprimoramento e valorização dos servidores públicos da Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro – Secretaria de Estado de Educação – SEEDUC e dá outras providências. SEEDUC/RJ, 2011a.

RIO DE JANEIRO, Estado do. Planejamento Estratégico: Governo do Estado do Rio de Janeiro 2012-2031. Secretaria de Estado de Planejamento e Gestão – SEPLAG/RJ, 2012a.

RIO DE JANEIRO, Estado do. Informativo GIDE. Rio de Janeiro: SEEDUC/RJ, 2011b.

RIO DE JANEIRO, Estado do. Educação – Gestão Integrada da Escola (GIDE). SEEDUC/ RJ, 2012b.

RIO DE JANEIRO, Estado do. Planejamento Estratégico da SEEDUC – Cartilha. SEEDUC/RJ, 2013.

RIO DE JANEIRO, Estado do. SEEDUC divulga cartilha sobre Sistema de Bonificação. Rio de Janeiro, 2011.

SHIROMA, E. O. Implicações da Política de Profissionalização sobre a Gestão e o Trabalho Docente. Trabalho e Educação, v. 13, n. 2, ago./dez., 2004.

SOUZA, J. dos S. O que é GIDE? Rio de Janeiro, 2016. Disponível em: http://trabalhopoliticaesociedade.blogspot.com.br/2016/10/o-que-e-gide.html. Acesso em: 01 set. 2017.

SOUZA, S. Z. L. de.; OLIVEIRA, R. P. de. Políticas de avaliação da educação e quase mercado no Brasil. Educação & Sociedade, Campinas, v. 24, n. 84, p. 873-895, set., 2003.




DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v22.nesp1.2018.10783



Rev. on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1519-9029

DOI prefix: 10.22633/rpge

Licença Creative Commons 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.