Entre naturalizações e desassossegos: educando para tolerar o intolerável?

Igor Vinicius Lima Valentim

Resumo


Três cenas escritas a partir de vivências em uma universidade pública, localizada muito, muito distante de nós. Com a atenção voltada ao cotidiano e às relações acadêmicas desenvolvidas, este texto busca questionar, provocar e incitar reflexões a respeito do que produzimos na universidade enquanto estudantes, docentes e técnicos. Acostumamo-nos a fazer parte de universidades que investigam e analisam... os outros! Mas damos pouca atenção àquilo que fazemos, ao modo como o fazemos e ao que nossas atitudes suscitam, estimulam e produzem. Apoiado em referenciais teóricos ligados à micropolítica e à subjetividade, este texto utiliza a autoetnografia como método. Com narrativas autoetnográficas interrogo em que medida as relações acadêmicas – compreendidas enquanto processos de subjetivação – podem contribuir para a naturalização de situações que ameaçam a saúde e colocam em perigo as vidas de docentes, estudantes, técnicos, funcionários e demais envolvidos na Academia. O que já naturalizamos e sequer questionamos? O que estimulamos com nossas atitudes e relações? Que modos de gerir a universidade construímos? O que esses modos de gerir a educação superior estimulam? Estamos educando para que se tolere o intolerável?


Palavras-chave


Educação superior. Autoetnografia. Relações acadêmicas.

Texto completo:

PDF XML

Referências


ADAMS, Tony.; HOLMAN JONES, Stacy.; ELLIS, Carolyn. Autoethnography. New York: Oxford University Press, 2015.

ANDES-SN. Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior. Cortes orçamentários ameaçam funcionamento das Instituições Federais de Ensino. 21 jul. 2017. Disponível em: http://portal.andes.org.br/andes/print-ultimas-noticias.andes?id=8942. Acesso em: 01 ago. 2017.

DELEUZE, Gilles. Conversações. São Paulo: Ed. 34, 1992.

DIAS, Rosimeri de Oliveira. Vida e resistência: formar professores pode ser produção de subjetividade? Psicologia em Estudo, v. 19, n. 3, p. 415-426, jul./set,. 2014.

FOUCAULT, Michel. La creación de modos de vida. Estética, ética y hermenéutica. Barcelona: Paidós, 1999.

GALLO, Sílvio. Deleuze e a Educação. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

GUATTARI, Félix.; ROLNIK, Suely. Micropolítica: cartografias do desejo. 8. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

JARDINE, Gail McNicol. Foucault e educação. Mangualde: Edições Pedago, 2007.

NIETZSCHE, Friedrich. Aurora. 2. ed. São Paulo: Escala, 2008.

NOGUEIRA, Marco Aurélio. Sofrimento organizacional, democracia e gestão universitária. In: TÓVOLI, Emília M. Gaspar.; SEGATTO, José A.; NOGUEIRA, Marco Aurélio (Orgs.). Gestão Universitária. Araraquara: Laboratório Editorial/Cultura Acadêmica, 2005, p. 19-67. Disponível em: https://labpolitica.files.wordpress.com/2010/01/nogueira-marco-aurelio-sofrimento-organizacional-democracia-e-gestao-universitaria.pdf. Acesso em: 20 set. 2017.

PÁL PELBART, Peter. O avesso do niilismo: cartografias do esgotamento. São Paulo: n-1 edições, 2013.

ROLNIK, Suely. À sombra da cidadania: alteridade, homem da ética e reinvenção da democracia. Núcleo de Estudos da Subjetividade da PUC/SP, 1995. Disponível em: www.pucsp.br/nucleodesubjetividade/Textos/SUELY/homemetica.pdf. Acesso em 08 jun 2010.

ROLNIK, Suely. Desentranhando futuros. ComCiência – Revista Eletrônica de Jornalismo Científico, n. 99, 10 jun. 2008.

SANTOS, Milton. O intelectual e a universidade estagnada. Revista Adusp, n. 11, out. 1997, p. 17-20.

SGUISSARDI, Valdemar; SILVA JÚNIOR, João dos Reis. Trabalho intensificado nas federais: pós-graduação e produtivismo acadêmico. São Paulo: Xamã, 2009.

SILVA, Antonio Ozaí da. Somos todos delinquentes acadêmicos? Revista Espaço Acadêmico, n. 88, set. 2008.

SIMÕES, Gustavo. Para agitar o que está imóvel. Verve, n. 12, out 2007, p. 307-309.

TRAGTENBERG, Maurício. Educação e burocracia. São Paulo: Editora UNESP, 2012.

VALENTIM, Igor Vinicius Lima. Cafetinagem acadêmica: alguém tem medo de pesquisar as relações acadêmicas? Polêm!ca, v. 16, p. 19-36, 2016.

VERSIANI, Daniela Beccaccia. Autoetnografias: conceitos alternativos em construção. Rio de Janeiro: 7Letras, 2005.

VEYNE, Paul. Foucault: seu pensamento, sua pessoa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.




DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v22.nesp1.2018.10794



Rev. on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1519-9029

DOI prefix: 10.22633/rpge

Licença Creative Commons 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.