FATORES QUE DETERMINAM A ROTATIVIDADE DE DIRETORES NAS ESCOLAS PÚBLICAS MUNICIPAIS DE FORTALEZA

Afonso Filho Nunes Lopes

Resumo


O presente trabalho busca conhecer os fatores que interferem na rotatividade dos diretores das escolas públicas municipais de Fortaleza, no período de 2013-2018. A pesquisa se deu em escolas do Distrito de Educação III. Os fatores identificados foram: a composição da equipe gestora, desempenho dos alunos nas avaliações externas e o perfil do diretor escolar nos aspectos formação acadêmica, liderança e experiência docente\gestor. A pesquisa identificou 03 (três) escolas: Alfa, Beta e Gama com maior número de trocas de diretores no período de 2013-2018, cada uma com 03(três) trocas de direção. Os resultados apontam opiniões divergentes entre os gestores escolares e os dirigentes do Distrito de Educação III e a Secretaria Municipal de Educação – SME. Neste contexto torna-se necessário uma revisão da legislação com relação a composição da equipe gestora principalmente no que diz respeito ao cargo de coordenador pedagógico e níveis de ensino das unidades escolares.


Palavras-chave


Rotatividade de Diretores, Politicas Publicas

Referências


BRASIL. Lei nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília. 16ª ed. Brasilia: Camara dos Deputados, 2016. Disponível em< http://bd.camara.gov.br/bd/bitstream/handle/bdcamara/19339/ldb_13ed.pdf?sequence=46> Acesso em: 15 fev 2019.

CATANI, D. B. (Org.). Docência, memória e gênero: estudos sobre formação. São Paulo: Escritura Editora, 1997.

FORTALEZA. Lei Complementar nº 169, de 12 de setembro de 2014. Dispõe sobrea gestão democrática e participativa da rede pública municipal de ensino de Fortaleza, institui o Programa Municipal de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino (PMDE), modifica o estatuto do magistério de Fortaleza e dá outras providencias. Fortaleza, CE, 15 set. 2014. p. 01-09.

FREITAS, Ieda Maria Araujo Chaves. Qualidade da educação, gestão democrática e avaliação, In: FRANÇA, Magna. Sistema Nacional de Educação e o PNE (2011-2020) diálogos e pespectivas.Brasilia: Liber Livro, 2009. p. 63-83.

LUCK, Heloisa. Liderança em gestão escolar. 9. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014. (Série cadernos de Gestão; vol. IV).

MAGALHÃES JÚNIOR, Antônio Germano; FARIAS, Maria Adalgiza de. SPAECE: Uma história em sintonia com avaliação educacional do Governo Federal. Humanidades, Fortaleza, v. 31, n. 2, p.525-547, jul. 2016. Semestral. Disponível em: . Acesso em: 23 mar. 2018.

PARO, Vitor Henrique. Gestão escolar, democracia e qualidade do ensino. São Paulo: Ática, 2007.

VIEIRA, Sofia Lerche; VIDAL, Eloísa Maia. Gestão escolar: formar o diretor a partir

do professor? Dialogia, São Paulo, v. 1, n. 22, p.115- 130, jul/dez. 2015. Disponível em:

. Acesso em: 26 jan. 2019.

VIEIRA. Perfil e formação de gestores escolares no Brasil. Dialogia, São Paulo, v. 1, n. 19, p.115-130, jan/jul. 2014. Disponível em: . Acesso em: 30 mar. 2019.




DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v24i1.12736



Rev. on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1519-9029

DOI prefix: 10.22633/rpge

Licença Creative Commons 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.