Fatores que determinam a rotatividade de diretores nas escolas públicas municipais de Fortaleza

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v24i1.12736

Palavras-chave:

Rotatividade de diretores, Equipe gestora, Perfil, Desempenho.

Resumo

O presente trabalho busca conhecer os fatores que interferem na rotatividade dos diretores das escolas públicas municipais de Fortaleza, no período de 2013-2018. A pesquisa se deu em escolas do Distrito de Educação III. Os fatores identificados foram: a composição da equipe gestora, desempenho dos alunos nas avaliações externas e o perfil do diretor escolar nos aspectos de formação acadêmica, liderança e experiência docente/gestor. A pesquisa identificou 03 (três) escolas: Alfa, Beta e Gama, com maior número de trocas de diretores no período de 2013-2018, cada uma com 03(três) trocas de direção. Os resultados apontam opiniões divergentes entre os gestores escolares e os dirigentes do Distrito de Educação III e a Secretaria Municipal de Educação – SME. Neste contexto torna-se necessário uma revisão da legislação com relação à composição da equipe gestora, principalmente no que diz respeito ao cargo de coordenador pedagógico e níveis de ensino das unidades escolares.

Biografia do Autor

Afonso Filho Nunes Lopes, Universidade Estadual do Ceará

Graduado em Ciência 1º grau

Graduado em Administração Pública

Especialista em Tecnologias Digitais na Educação

Especialista em Gestão Pública

Mestrado em Planejamento e Politicas Publicas

Referências

BRASIL. Lei nº. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília. 16ª ed. Brasília: Câmara dos Deputados, 2016. Disponível em: http://bd.camara.gov.br/bd/bitstream/handle/bdcamara/19339/ldb_13ed.pdf?sequence=46. Acesso em: 15 fev. 2019.

CATANI, D. B. (Org.). Docência, memória e gênero: estudos sobre formação. São Paulo: Escritura Editora, 1997.

FORTALEZA. Lei Complementar nº 169, de 12 de setembro de 2014. Dispõe sobrea gestão democrática e participativa da rede pública municipal de ensino de Fortaleza, institui o Programa Municipal de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino (PMDE), modifica o estatuto do magistério de Fortaleza e dá outras providencias. Fortaleza, CE, p. 01-09, 15 set. 2014.

FREITAS, I. M. A. C. Qualidade da educação, gestão democrática e avaliação. In: FRANÇA, Magna. Sistema Nacional de Educação e o PNE (2011-2020) diálogos e perspectivas. Brasília: Liber Livro, p. 63-83, 2009.

LUCK, H. Liderança em gestão escolar. 9. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2014. (Série cadernos de Gestão; vol. IV).

MAGALHÃES JÚNIOR, A. G.; FARIAS, M. A. SPAECE: Uma história em sintonia com avaliação educacional do Governo Federal. Humanidades, Fortaleza, v. 31, n. 2, p. 525-547, jul. 2016. Disponível em: periodicos.unifor.br/rh/article/view/6036. Acesso em: 23 mar. 2018.

PARO, V. H. Gestão escolar, democracia e qualidade do ensino. São Paulo: Ática, 2007.

VIEIRA, S. L.; VIDAL, E. M. Perfil e formação de gestores escolares no Brasil. Dialogia, São Paulo, v. 1, n. 19, p. 115-130, jan./jul. 2014. Disponível em: https://doi.org/10.5585/dialogia.n19.4984. Acesso em: 30 mar. 2019.

VIEIRA, S. L.; VIDAL, E. M. Gestão escolar: formar o diretor a partir do professor? Dialogia, São Paulo, v. 1, n. 22, p. 115-130, jul./dez. 2015. Disponível em: https://doi.org/10.5585/dialogia.n22.6078. Acesso em: 26 jan. 2019.

Publicado

06/01/2020

Como Citar

Lopes, A. F. N. (2020). Fatores que determinam a rotatividade de diretores nas escolas públicas municipais de Fortaleza. Revista on Line De Política E Gestão Educacional, 24(1), 71–85. https://doi.org/10.22633/rpge.v24i1.12736

Edição

Seção

Artigos