O discurso da emenda n. 95/2016 no contexto da governamentalidade neoliberal

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v24i1.13189

Palavras-chave:

Poder, Governamentalidade, Biopolítica, Resistência.

Resumo

O texto apresenta uma análise sobre o discurso da criação da Emenda Constitucional n. 95/2016 em uma perspectiva foucaultiana. Os princípios do Novo Regime Fiscal (NRF) determinam uma redução dos investimentos nos setores da saúde e da educação. Diante disso, busca-se identificar o contexto da Emenda na conjuntura de uma governamentalidade que está relacionada ao modo como os sujeitos são conduzidos, bem como apontar relações sobre a emergência de uma governamentalidade neoliberal em que o Estado tende a sofrer uma maior influência da iniciativa privada no setor educacional. Considera-se a proposta desta Emenda uma biopolítica, pelo fato de orientar os corpos dos sujeitos e conduzi-los no processo de sua constituição em uma relação de poder e controle.

Biografia do Autor

Silvia Cristina Barbosa da silva, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Faculdade de Ciências e Letras Campus- Araraquara (FCLAr)

Mestre em Educação Escolar pelo Programa de Pós-Graduação na Faculdade de Ciências e  Letras - Campus Araraquara,. Doutoranda no mesmo programa.

Paula Ramos de Oliveira, Universidade Estadual Paulista (UNESP)

Professora assistente doutora no departamento de Educação. Pós-doutorado pela Universidade de Lisboa. Professora e orientadora (mestrado acadêmico e doutorado) no Programa de Pós-Graduação em Educação Escolar (UNESP/Araraquara) e do Programa de Mestrado em Filosofia (PROF-FILO/núcleo UFSCar).

Referências

BRASIL. Emenda Constitucional. n. 95, de 15 de dezembro de 2016. Altera o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o Novo Regime Fiscal, e dar outras providências. Diário oficial da República Federativa do Brasil, Brasília: 2016.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. Aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. São Paulo: Loyola, 2008.

FOUCAULT, M. Segurança. Território e População. Curso dado no Collège de France (1977-1978). Tradução Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

GALLO, S. Deleuze & a Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

GALLO, S. Governamentalidade democrática e ensino de filosofia no Brasil contemporâneo. Cadernos de pesquisa, São Paulo, v. 42, n. 145, p. 48-65, jan./abr. 2012. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cp/v42n145/05.pdf. Acesso em: 29 nov. 2019.

KOHAN, W. O. Infância. Entre Educação e Filosofia. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

PRADO FILHO, K. Michel Foucault: uma história da governamentalidade. Rio de Janeiro: Achiamé, 2006.

SILVA, J. R. P; BITTENCOURT, F. M. Orçamento em discussão. Uma interpretação para o teor dos dispositivos da Emenda Constitucional nº 95, 15 de dezembro de 2016, que instituiu o Novo Regime Fiscal com limites com os gastos da União, e considerações sobre sua implementação. Disponível em: https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/529648/OED0034.pdf?sequence. Acesso em: 30 nov. 2019.

VEIGA-NETO, A. Gubernamentalidad neoliberal: implicaciones para la educación. Revista Educación y Pedagogía, Medellín, vol. 22, n. 58, p. 213-235, set./dez. 2010. Disponível em: http://aprendeenlinea.udea.edu.co/revistas/index.php/revistaeyp/article/view/9748/8965. Acesso em: 29 nov. 2019.

VEIGA-NETO, A. Foucault & a Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

Publicado

06/01/2020

Como Citar

Barbosa da silva, S. C., & Oliveira, P. R. de. (2020). O discurso da emenda n. 95/2016 no contexto da governamentalidade neoliberal. Revista on Line De Política E Gestão Educacional, 24(1), 154–163. https://doi.org/10.22633/rpge.v24i1.13189

Edição

Seção

Artigos