Estado e gerenciamento da educação para o desenvolvimento sustentável: recomendações do capital expressas na Agenda 2030

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v24iesp1.13785

Palavras-chave:

Política educacional, Agenda 2030, Educação para o desenvolvimento sustentável, Gestão da educação, Declaração de Incheon.

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar as propostas anunciadas na Agenda 2030 relativas à implementação do chamado desenvolvimento sustentável. A partir da análise dos documentos: Transformando Nosso Mundo: a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável e  Educação 2030 - Declaração de Incheon e Marco de Ação para a implementação do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 4 , indicamos  quais são as tarefas atribuídas ao Estado e as reformas da educação propostas nesse projeto de desenvolvimento. As evidencias permitem afirmar que a agenda 2030 busca transformar a sustentabilidade em vetor de desenvolvimento e prioriza o combate a pobreza extrema. Suas propostas para a educação enfatizam estratégias de monitoramento de resultados, incremento da privatização, valorização  de experiências exitosas. O papel do Estado é reorientado ao fomento às parcerias público-privadas, responsabilização pela regulação, estabelecimento de normas, fornecimento de dados para governança global.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eneida Oto Shiroma, Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

Professora Titular do Centro de Ciências da Educação. Vice-coordenadora do Grupo de Estudos sobre Política Educacional e Trabalho (GEPETO/UFSC).  Bolsista Produtividade em Pesquisa do CNPq.

Isaura Monica Souza Zanardini, Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE).

Professora Associada do Centro de Educação, Comunicação e Artes. Membro do Grupo de Estudos e Pesquisas em Política Educacional e Social (GEPPES/UNIOESTE), do Grupo de Estudos sobre Política Educacional e Trabalho (GEPETO/UFSC) e da Red Latinoamericana de Investigación em Evaluación - RELIEVA. Bolsista PNPD/CAPES junto ao Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Santa Catarina.

Referências

BARONI. Margaret. Ambigüidades e deficiências do conceito de desenvolvimento sustentável. In: Revista de Administração de Empresas. São Paulo: abril/junho 1992, p. 14-24

BEHRING, Elaine Rossetti. Estado no Capitalismo: notas para uma leitura crítica do Brasil recente. In: BEHRING, Elaine; BOSCHETTI, Ivanete; LIMA, RITA DE L. de. Marxismo, Política Social e Direitos. São Paulo, SP: Cortez, 2018.

BOITO JUNIOR, Armando e BERRINGER, Tatiana. Brasil: classes sociais, neodesenvolvimentismo e política externa nos governos Lula e Dilma. In: Revista de Sociologia e Política. Curitiba: 2013, p. 31-38

BRÜSEKE, Franz Josef. O problema do desenvolvimento sustentável. In: CAVALCANTI, Clóvis (org.) Desenvolvimento e natureza: estudos para uma sociedade sustentável. Recife: INPSO/FUNDAJ, Instituto de Pesquisas Sociais, Fundação Joaquim Nabuco, Ministério de Educação, Governo Federal, 1994.

CARCANHOLO, Marcelo. Entrevista Marcelo Carcanholo - O segundo mandato da presidente Dilma será de sérias e graves conseqüências para a classe trabalhadora. In: Revista Poli, ano VII número 39, Rio de Janeiro, 2015.

COMISSÃO ECONÔMICA PARA AMÉRICA LATINA E CARIBE. Orelac. Educación y conocimiento: eje de la transformación productiva con equidad. Santiago de Chile:CEPAL; OREALC, 1992

COMISSÃO ECONÔMICA PARA AMÉRICA LATINA E CARIBE.Transformación productiva con equidad: la tarea prioritaria del desarrollo de América Latina y el Caribe en los años noventa. Santiago de Chile: CEPAL/OREALC, 1990.

CHOMSKY, Noam; DIETERICH, Heinz. La sociedad global: Educación, Mercado y Democracia. México: Joaquim Moritz, 1995.

DEITOS, Roberto. Ensino Médio e Profissional e seus vínculos com o Bid/Bird : os motivos financeiros e as razões ideológicas da política educacional. Cascavel: UNIOESTE, 2001.

EVANGELISTA, Ely Guimarães dos Santos. A Unesco e o mundo da cultura. Brasilia; DF: Unesco, Goiânia: Editora da UFG, 2003.

LEHER, Roberto; MOTTA, Fernando Cláudio Prestes. Da ideologia do desenvolvimento à ideologia da globalização: a educação como estratégia do Banco Mundial para alívio da pobreza. São Paulo: Universidade de São Paulo, 1998.

MARTINS, Elita Betania de Andrade. O papel da educação escolar na construção de conhecimento em tempos de mercado. In: Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 22, n. 1, p, 322-335, jan/abril 2018. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/10721/7339 Acesso em: 15 abr.2020

MERCADANTE OLIVA, Aloizio. As Bases do Novo Desenvolvimentismo no Brasil: Análise do governo Lula (2003-2010). Tese (doutorado). Campinas, SP: Universidade Estadual de Campinas, 2010. Disponível em: < http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=000794314>.

ONU; BRASIL. Transformando nosso mundo: a agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável, 2016. Disponível em . Acesso em 24 de março de 2020.

OREALC/UNESCO. La educación como bien público y estratégico: encuentro regional Unesco. Cartagena das Indias: Unesco/Unicef, 2005.

ROBERTSON, Susan. A estranha não morte da privatização neoliberal na Estratégia 2020 para a educação do Banco Mundial. Revista Brasileira de Educação [online]. 2012, vol.17, n.50, pp.283-302. https://doi.org/10.1590/S1413-24782012000200003.Acesso em: 15 abr.2020

ROHDE, Geraldo Mário. Mudanças de paradigma e desenvolvimento sustentado. In: CAVALCANTI, Clóvis (org.) Desenvolvimento e natureza: estudos para uma sociedade sustentável. Recife: INPSO/FUNDAJ, Instituto de Pesquisas Sociais, Fundação Joaquim Nabuco, Ministério de Educação, Governo Federal, 1994.

SALLES, Fernanda Cimini. (2016). A nova face das Políticas de Desenvolvimento do Banco Mundial: do Ajuste Estrutural para a Boa Governança. Carta Internacional, 11(2), 99 - 125. Disponível em: https://doi.org/10.21530/ci.v11n2.2016.478Acesso em: 15 abr.2020

SAMPAIO JUNIOR, Plínio Arruda. Desenvolvimentismo e Neodesenvolvimentismo: Tragédia e farsa. Revista Serviço Social & Sociedade, São Paulo, n. 112, p. 672-688, out./dez. 2012.

SACHS, Ignacy. Desenvolvimento: includente, sustentável e sustentado. Rio de Janeiro: Garamond, 2008

SACHS, Ignacy. Ecodesenvolvimento: crescer sem destruir. São Paulo: Vértice, 1981.

SHIROMA, Eneida; EVANGELISTA, Olinda. Subsídios teórico-metodológicos para o trabalho com documentos de política educacional: contribuições do marxismo. In: CÊA, G.; RUMMERT, S.M;GONÇALVES, L. Trabalho e Educação: interlocuções marxistas. 1ª ed, Rio Grande: Editora da FURG, 2018, p. 87-124.

SOUZA, Kellcia Rezende; KERBAUY, Maria Teresa Miceli. O direito à educação básica nas declarações sobre educação para todos de Jomtien, Dakar e Incheon. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 22, n. 2, p. 668-681, maio/ago., 2018. DOI: 10.22633/rpge.v22.n2.maio/ago.2018.11679

TORRES, Ana Paula e KERBAUY, Maria Teresa Miceli. Um olhar estratégico para a gestão educacional: uma análise dos contornos gerenciais propostos pela reforma do Estado. In: Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 23, n. 1, p. 6-30 jan/abril 2019. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/12115/8073Acesso em 14 fev.2020.

UNESCO. Declaração de Incheon e Marco de ação da educação: rumo a uma educação de qualidade inclusiva e equitativa e à educação ao longo da vida para todos. Brasília, 2016.

Publicado

06/07/2020

Como Citar

SHIROMA, E. O.; ZANARDINI, I. M. S. Estado e gerenciamento da educação para o desenvolvimento sustentável: recomendações do capital expressas na Agenda 2030. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 24, n. esp1, p. 693–714, 2020. DOI: 10.22633/rpge.v24iesp1.13785. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/13785. Acesso em: 28 set. 2021.