Estado e gerenciamento da educação para o desenvolvimento sustentável: recomendações do capital expressas na Agenda 2030

Eneida Oto Shiroma, Isaura Monica Souza Zanardini

Resumo


O objetivo deste artigo é analisar as propostas anunciadas na Agenda 2030 relativas à implementação do chamado desenvolvimento sustentável. A partir da análise dos documentos: Transformando Nosso Mundo: a Agenda 2030 para o Desenvolvimento Sustentável e  Educação 2030 - Declaração de Incheon e Marco de Ação para a implementação do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável 4 , indicamos  quais são as tarefas atribuídas ao Estado e as reformas da educação propostas nesse projeto de desenvolvimento. As evidencias permitem afirmar que a agenda 2030 busca transformar a sustentabilidade em vetor de desenvolvimento e prioriza o combate a pobreza extrema. Suas propostas para a educação enfatizam estratégias de monitoramento de resultados, incremento da privatização, valorização  de experiências exitosas. O papel do Estado é reorientado ao fomento às parcerias público-privadas, responsabilização pela regulação, estabelecimento de normas, fornecimento de dados para governança global.

Palavras-chave


Política educacional; Agenda 2030; Educação para o desenvolvimento sustentável; Gestão da educação; Declaração de Incheon.

Texto completo:

PDF/A PDF/A (English)

Referências


BARONI. Margaret. Ambigüidades e deficiências do conceito de desenvolvimento sustentável. In: Revista de Administração de Empresas. São Paulo: abril/junho 1992, p. 14-24

BEHRING, Elaine Rossetti. Estado no Capitalismo: notas para uma leitura crítica do Brasil recente. In: BEHRING, Elaine; BOSCHETTI, Ivanete; LIMA, RITA DE L. de. Marxismo, Política Social e Direitos. São Paulo, SP: Cortez, 2018.

BOITO JUNIOR, Armando e BERRINGER, Tatiana. Brasil: classes sociais, neodesenvolvimentismo e política externa nos governos Lula e Dilma. In: Revista de Sociologia e Política. Curitiba: 2013, p. 31-38

BRÜSEKE, Franz Josef. O problema do desenvolvimento sustentável. In: CAVALCANTI, Clóvis (org.) Desenvolvimento e natureza: estudos para uma sociedade sustentável. Recife: INPSO/FUNDAJ, Instituto de Pesquisas Sociais, Fundação Joaquim Nabuco, Ministério de Educação, Governo Federal, 1994.

CARCANHOLO, Marcelo. Entrevista Marcelo Carcanholo - O segundo mandato da presidente Dilma será de sérias e graves conseqüências para a classe trabalhadora. In: Revista Poli, ano VII número 39, Rio de Janeiro, 2015.

COMISSÃO ECONÔMICA PARA AMÉRICA LATINA E CARIBE. Orelac. Educación y conocimiento: eje de la transformación productiva con equidad. Santiago de Chile:CEPAL; OREALC, 1992

COMISSÃO ECONÔMICA PARA AMÉRICA LATINA E CARIBE.Transformación productiva con equidad: la tarea prioritaria del desarrollo de América Latina y el Caribe en los años noventa. Santiago de Chile: CEPAL/OREALC, 1990.

CHOMSKY, Noam; DIETERICH, Heinz. La sociedad global: Educación, Mercado y Democracia. México: Joaquim Moritz, 1995.

DEITOS, Roberto. Ensino Médio e Profissional e seus vínculos com o Bid/Bird : os motivos financeiros e as razões ideológicas da política educacional. Cascavel: UNIOESTE, 2001.

EVANGELISTA, Ely Guimarães dos Santos. A Unesco e o mundo da cultura. Brasilia; DF: Unesco, Goiânia: Editora da UFG, 2003.

LEHER, Roberto; MOTTA, Fernando Cláudio Prestes. Da ideologia do desenvolvimento à ideologia da globalização: a educação como estratégia do Banco Mundial para alívio da pobreza. São Paulo: Universidade de São Paulo, 1998.

MARTINS, Elita Betania de Andrade. O papel da educação escolar na construção de conhecimento em tempos de mercado. In: Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 22, n. 1, p, 322-335, jan/abril 2018. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/10721/7339 Acesso em: 15 abr.2020

MERCADANTE OLIVA, Aloizio. As Bases do Novo Desenvolvimentismo no Brasil: Análise do governo Lula (2003-2010). Tese (doutorado). Campinas, SP: Universidade Estadual de Campinas, 2010. Disponível em: < http://www.bibliotecadigital.unicamp.br/document/?code=000794314>.

ONU; BRASIL. Transformando nosso mundo: a agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável, 2016. Disponível em . Acesso em 24 de março de 2020.

OREALC/UNESCO. La educación como bien público y estratégico: encuentro regional Unesco. Cartagena das Indias: Unesco/Unicef, 2005.

ROBERTSON, Susan. A estranha não morte da privatização neoliberal na Estratégia 2020 para a educação do Banco Mundial. Revista Brasileira de Educação [online]. 2012, vol.17, n.50, pp.283-302. https://doi.org/10.1590/S1413-24782012000200003.Acesso em: 15 abr.2020

ROHDE, Geraldo Mário. Mudanças de paradigma e desenvolvimento sustentado. In: CAVALCANTI, Clóvis (org.) Desenvolvimento e natureza: estudos para uma sociedade sustentável. Recife: INPSO/FUNDAJ, Instituto de Pesquisas Sociais, Fundação Joaquim Nabuco, Ministério de Educação, Governo Federal, 1994.

SALLES, Fernanda Cimini. (2016). A nova face das Políticas de Desenvolvimento do Banco Mundial: do Ajuste Estrutural para a Boa Governança. Carta Internacional, 11(2), 99 - 125. Disponível em: https://doi.org/10.21530/ci.v11n2.2016.478Acesso em: 15 abr.2020

SAMPAIO JUNIOR, Plínio Arruda. Desenvolvimentismo e Neodesenvolvimentismo: Tragédia e farsa. Revista Serviço Social & Sociedade, São Paulo, n. 112, p. 672-688, out./dez. 2012.

SACHS, Ignacy. Desenvolvimento: includente, sustentável e sustentado. Rio de Janeiro: Garamond, 2008

SACHS, Ignacy. Ecodesenvolvimento: crescer sem destruir. São Paulo: Vértice, 1981.

SHIROMA, Eneida; EVANGELISTA, Olinda. Subsídios teórico-metodológicos para o trabalho com documentos de política educacional: contribuições do marxismo. In: CÊA, G.; RUMMERT, S.M;GONÇALVES, L. Trabalho e Educação: interlocuções marxistas. 1ª ed, Rio Grande: Editora da FURG, 2018, p. 87-124.

SOUZA, Kellcia Rezende; KERBAUY, Maria Teresa Miceli. O direito à educação básica nas declarações sobre educação para todos de Jomtien, Dakar e Incheon. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 22, n. 2, p. 668-681, maio/ago., 2018. DOI: 10.22633/rpge.v22.n2.maio/ago.2018.11679

TORRES, Ana Paula e KERBAUY, Maria Teresa Miceli. Um olhar estratégico para a gestão educacional: uma análise dos contornos gerenciais propostos pela reforma do Estado. In: Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 23, n. 1, p. 6-30 jan/abril 2019. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/12115/8073Acesso em 14 fev.2020.

UNESCO. Declaração de Incheon e Marco de ação da educação: rumo a uma educação de qualidade inclusiva e equitativa e à educação ao longo da vida para todos. Brasília, 2016.




DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v24iesp1.13785



Rev. on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1519-9029

DOI prefix: 10.22633/rpge

Licença Creative Commons 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.