Reflexões acerca da educação do negro no Brasil: um enfoque para a mulher negra

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v24i3.13990

Palavras-chave:

Educação, Decolonial, Relações étnico-raciais, Mulher

Resumo

O referido estudo busca trazer breve reflexão acerca da trajetória da educação do negro no Brasil do período colonial aos dias atuais, com enfoque para a mulher negra. Trata-se de resultado preliminar de um estudo exploratório de natureza qualitativa. Os resultados apontam uma trajetória de luta pelos direitos negados e uma constante resistência aos ajustes das classes dominantes que solidificaram uma sociedade moldada no pensamento eurocêntrico, hegemônico, racista, em que a educação, desde o período colonial, foi pensada e direcionada aos portugueses e, após esse período, às classes dominantes, sempre visando a manutenção dos privilégios, restando à população negra a dominação e exploração. Além disso, a mulher negra foi subjugada de forma mais dolorosa, pois sofreu e ainda sofre preconceito e discriminação de cor e gênero.

Biografia do Autor

Adaíles Aguiar Lima, Universidade Federal do Amapá (UNIFAP), Macapá – AP

Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGED/UNIFAP).

Elivaldo Serrão Custódio, Universidade Federal do Amapá (UNIFAP), Macapá – AP

Professor Permanente no Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGED/UNIFAP). Pós-Doutorado em Educação (UNIFAP).

Referências

ALMEIDA, M. A. B.; SANCHEZ, L. Os negros na legislação educacional e educação formal no Brasil. Revista Eletrônica de Educação, São Paulo, v. 10, n. 2, p. 234-246, 2016. Disponível em: http://www.reveduc.ufscar.br/index.php/reveduc/article/view/1459. Acesso em: 20 jun. 2020.

ARROYO, G. M. Outros sujeitos, outras pedagogias. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012. p. 25-47.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, [2016]. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 20 jun. 2020.

BRASIL. Decreto n. 13.331, de 17 de fevereiro de 1854. Aprova o Regulamento para a reforma do ensino primário e secundário do Município da Corte. Coleção de Leis do Império do Brasil, 1854, v. 1, p. 45. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1824-1899/decreto-1331-a-17-fevereiro-1854-590146-publicacaooriginal-115292-pe.html. Acesso em: 8 jul. 2020.

BRASIL. Decreto n. 7.247, de 19 de abril 1879. Reforma o ensino primário e secundário no município da Corte e o superior em todo o Império. Coleção de Leis do Império do Brasil, 1879. v. 1, p. 196. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1824-1899/decreto-7247-19-abril-1879-547933-publicacaooriginal-62862-pe.html. Acesso em: 8 jul. 2020.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua. Rio de Janeiro, 2016. Disponível em: https://sidra.ibge.gov.br/. Acesso em: 15 jun. 2020.

BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua. Rio de Janeiro, 2018. Disponível em: https://sidra.ibge.gov.br/. Acesso em: 15 jun. 2020.

BRASIL. Lei n. 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Altera a Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática “História e Cultura Afro-Brasileira”, e dá outras providências. Diário Oficial da União: Seção 1, Brasília, DF, p. 1, 10 jan. 2003. PL 259/1999

BRASIL. Lei n. 4024 de 20 de dezembro de 1961. Fixa as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF, 1961. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1960-1969/lei-4024-20-dezembro-1961-353722-publicacaooriginal-1-pl.html/. Acesso em: 24 jul. 2020.

CARNEIRO, S. Mulheres negras na educação: desafios para a sociedade Brasileira, 2016. Disponível em: http://generoeeducacao.org.br/wp-content/uploads/2016/12/generoeducacao_site_completo.pdf. Acesso em: 22 jul. 2020.

DEL PRIORI, M. História das mulheres no brasil. 10. ed. 6. reimp. São Paulo: Contexto, 2018.

FANON, F. Pele negra, máscaras brancas. Trad. Renato da Silveira. Salvador: EDUFBA, 2008.

FONSECA, M. V. A Educação da Criança Escrava nos Quadros da Escravidão do Escritor Joaquim Manoel de Macedo. Educ. Real., Porto Alegre, v. 36, n. 1, p. 231-251, 2011. Disponível em: http://www.ufrgs.br/edu_realidade. Acesso em: 22 jul. 2020.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2018.

GOMES, N. L. Cultura negra e educação. Rev. Bras. Educ. [online], Rio de Janeiro, n. 23, p.75-85, 2003. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbedu/n23/n23a05.pdf. Acesso em: 22 jul. 2020.

GONÇALVES, L. A. O; SILVA, P. B. G. Movimento negro e educação. Rev. Bras. Educ., Rio de Janeiro, n. 15, p. 134-158, 2000. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbedu/n15/n15a09.pdf. Acesso em: 22 jul. 2020.

MARTINS, M. F. Conhecimento e disputa pela hegemonia: Reflexões em torno do valor ético-político e pedagógico do senso comum e da filosofia em Gramsci. In: LOMBARDI, J. C.; SAVIANI, D. (Org.). Marxismo e educação: debates contemporâneos. Campinas, SP: Autores Associados, 2005. p. 123-159.

MIRANDA, M. A Ratio Studiorum e o desenvolvimento de uma cultura escolar na Europa moderna. Universidade de Coimbra. Humanitas, Portugal, n. 63, p. 473-490, 2011. Disponível em: https://www.uc.pt/fluc/eclassicos/publicacoes/ficheiros/humanitas63/26_MMiranda.pdf. Acesso em 20 jun. 2020.

MIRANDA, M. Código Pedagógico dos Jesuítas – RATIO STUDIORUM da Companhia de Jesus. Campo Grande: Esfera do Caos Editores LTDA, 2009.

MOTA NETO, J. C. Educação popular e pensamento decolonial latino-americano em Paulo Freire e Orlando Fals Borda. 2015. 368 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Pará, Belém, 2015. Disponível em: http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/8383. Acesso em: 15 jul. 2020.

MOTA NETO, J. C. Por uma pedagogia decolonial na América Latina: Convergências entre a educação popular e a investigação-ação participativa. Arquivos Analíticos de Políticas Educativas, Arizona State University (Estados Unidos da América), v. 84, n. 26, 2018. Disponível em: https://epaa.asu.edu/ojs/article/view/3424/2094. Acesso em: 28 mar. 2019.

MUNANGA, K. Negritude: usos e sentidos. São Paulo: Ática, 1999.

PINTO, R. P. Educação do negro: uma revisão bibliográfica. Cad. Pesq., São Paulo, n. 62, p. 3-34, 1987. Disponível em: http://publicacoes.fcc.org.br/ojs/index.php/cp/article/view/1253. Acesso em 26 jun. 2020

RIBEIRO, D. Pequeno manual antirracista. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

SAVIANI, D. História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados, 2013.

STAMATTO, M. I. S. Um olhar na História: a mulher na escola (Brasil:1549- 1910). In: CONGRESSO BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO, 2., 2002, Natal. Anais [...]. Natal, RN: SBHE, 2000. p. 1-11. Disponível em: http://www.sbhe.org.br/novo/congressos/cbhe2/pdfs/Tema5/0539.pdf. Acesso em: 20 jun. 2020.

WALSH, C.; OLIVEIRA, L. F.; CANDAU, V. M. Colonialidade e pedagogia decolonial: Para pensar uma educação outra. Arquivos Analíticos de Políticas educativas, Arizona State University (Estados Unidos da América), v. 83, n. 26, p. 1-16, 2018.

Downloads

Publicado

01/09/2020

Como Citar

Lima, A. A., & Custódio, E. S. (2020). Reflexões acerca da educação do negro no Brasil: um enfoque para a mulher negra. Revista on Line De Política E Gestão Educacional, 24(3), 1312–1332. https://doi.org/10.22633/rpge.v24i3.13990