A potencialidade educativa da “Auto-organização de Mulheres Negras de Sergipe Rejane Maria”

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v26i00.16765

Palavras-chave:

Desigualdade, Educação, Feminismo, Racismo, Sexismo

Resumo

Este texto empreende uma reflexão teórica-conceitual sobre a potência educativa da “Auto-organização de Mulheres Negras de Sergipe Rejane Maria”, criada em Aracaju-Sergipe em 2014, a partir do referencial do Feminismo Negro e da Pesquisa Ativista Feminista Negra. Nesta análise, consideramos que as mulheres negras historicamente questionam e apontam soluções com relação às desigualdades raciais, sociais, de gênero e sexualidade, organizadas em movimentos sociais. Movimentos sociais que compreendemos como espaços educativos e de formação política dos seus membros, nos quais a educação está associada a uma práxis pautada em sua insurgência propositiva. Insurgência que está associada à construção de novas epistemologias e políticas públicas que tensionam a estrutura racista, sexista, classista e heteronormativa estruturantes da sociedade brasileira. Nesse sentido, consideramos a potencialidade educativa dos trabalhos de base desenvolvidos pela “Auto-Organização de Mulheres Negras de Sergipe Rejane Maria”, como movimentos educativos em que se produzem saberes e pedagogias emancipatórios que questionam a sociedade, ao mesmo tempo em que criam estratégias educativas de combate ao racismo, classismo, sexismo e a heteronormatividade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Andréia Teixeira dos Santos, Universidade Federal de Sergipe (UFS), São Cristóvão – SE – Brasil

Professora de Educação Básica na rede Estadual de Sergipe. Doutoranda em Educação (UFS).

Marizeti Lucini, Universidade Federal de Sergipe (UFS), São Cristóvão – SE – Brasil

Professora Associada II. Doutorado em Educação (UNICAMP).

Referências

ARROYO, M. G. Pedagogias em Movimento – O que temos a aprender com os movimentos sociais? Currículo sem Fronteiras, v. 3, n. 1, p. 28-49, jan./jun. 2003. Disponível em: https://biblat.unam.mx/hevila/CurriculosemFronteiras/2003/vol3/no1/3.pdf. Acesso em: 12 jan. 2021.

BAIRROS, L. Nossos feminismos revisitados. Revista Estudos Feministas, v. 3, n. 2, p. 458-463, 1995. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/16462. Acesso em: 08 jan. 2022.

BRANDÃO, C. R. O que é educação? São Paulo: Brasiliense, 2007.

BARBOSA, E. E. Negras Lideranças: Mulheres ativistas na periferia de São Paulo. 1. ed. São Paulo: Ed. Dandara, 2019.

CARDOSO, C. P. Outras falas: Feminismos na perspectiva de mulheres negras brasileiras. 2012. Tese (Doutorado em Estudos Interdisciplinares sobre mulheres, gênero e feminismo) – Universidade Federal da Bahia, Salvador, Bahia, Brasil, 2012. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/handle/ri/7297. Acesso em: 05 jun. 2021.

COLLINS, P. H. Pensamento Feminista Negro: Conhecimento, Consciência e a Política do Empoderamento. São Paulo: Boitempo, 2019.

CRENSHAW, K. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Revista Estudos Feministas, v. 10, n. 1, p. 171-188, jan. 2002. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ref/a/mbTpP4SFXPnJZ397j8fSBQQ/?lang=pt. Acesso em: 25 jan. 2021.

DOMINGUES, P.; OLIVEIRA, L. T. B. Movimento de Mulheres Negras em Sergipe: Notas de pesquisa. In: SILVA, N. F.; MARTINS, T. C. S.; CRUZ, M. H. S. (org.). Trabalho, Questão Social e Serviço Social. Curitiba: CRV, 2021.

GOMES, N. L. O Movimento Negro Educador: Saberes construídos nas lutas por emancipação. Petrópolis: Vozes, 2017, 160 p.

GOMES, N. L. A força educativa e emancipatória do movimento negro em tempos de fragilidade democrática. Revista Teias, v. 21, n. 62, p. 360-371, 2020. Disponível em: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revistateias/article/view/49715. Acesso em: 20 dez. 2020.

GOHN, M. G. Movimentos sociais e educação. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2009.

HOOKS, B. Teoria feminista: Da margem ao centro. Tradução: Rainer Patriota. São Paulo: Perspectiva, 2019.

LEMOS, R. O. O Feminismo Negro e sua metodologia: A pesquisa ativista feminista negra. In: FERREIRA, L. (org.). Gênero em perspectiva. Curitiba: CRV, 2020.

LEMOS, R. O. Do Estatuto da Igualdade Racial à Marcha das Mulheres Negras 2015: Uma Análise das Feministas Negras Brasileiras sobre Políticas Públicas. 2016a. Tese (Doutorado em Política Social) – Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2016. Disponível em: https://app.uff.br/riuff/handle/1/23551. Acesso em: 18 jul. 2020.

LEMOS, R. O. Os feminismos negros: A reação aos sistemas de opressões. Revista Espaço Acadêmico, v. 16, n. 185, p. 12-25, out. 2016b. Disponível em: https://periodicos.uem.br/ojs/index.php/EspacoAcademico/article/view/33592. Acesso em: 27 jul. 2020.

LIMA, A. N. C. Grupo de mulheres negras Mãe Andresa: Marcações identitárias de gênero e raça na produção de estratégias contra o racismo e o machismo. 2014. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Universidade Federal do Maranhão, São Luís, 2014. Disponível em: http://repositorio.ufpa.br/jspui/handle/2011/10156. Acesso em: 15 jun. 2020.

LUGONES, M. Colonialidade e gênero. Tabula Rasa, n. 9, p. 73-102, 2008. Disponível em: http://www.scielo.org.co/scielo.php?pid=S1794-24892008000200006&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 21 mar. 2021.

MIÑOSO, Y. E. Fazendo uma genealogia da experiência: O método rumo a uma crítica da colonialidade da razão feminista a partir da experiência histórica na América Latina. In: HOLANDA, H. B. (org.). Pensamento feminista hoje: Perspectivas decoloniais. 1. ed. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2020.

MIRANDA, C. Oyèronké oyěwùmí e a crítica aos discursos ocidentais de gênero: Releituras na diáspora africana. In: SILVA, J. (org.). O pensamento de/por mulheres negras. Belo Horizonte: Nandyala, 2018.

NASCIMENTO, M. B. Beatriz Nascimento, Quilombola e Intelectual: Possibilidades nos dias da destruição. 1. ed. São Paulo: Diáspora Africana: Editora filhos da África, 2018.

PEREIRA, A. C. J. Pensamento social e político do movimento de mulheres negras: O lugar de ialodês, orixás e empregadas domésticas em projetos de justiça social. 2016. Tese (Doutorado em Ciência Política) – Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2016. Disponível em: https://www.bdtd.uerj.br:8443/handle/1/12449. Acesso em: 21 mar. 2021.

PIEDADE, V. Dororidade. São Paulo: Editora Nós, 2019.

SCOTT, J. W. O enigma da igualdade. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 13, n. 1, p. 11-30, abr. 2005. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ref/a/H5rJm7gXQR9zdTJPBf4qRTy/?lang=pt. Acesso em: 09 ago. 2021.

SILVA, M. L. Mulheres negras em movimento(s): Trajetórias de vida, atuação política e construção de novas pedagogias em Belo Horizonte - MG. 2007. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2007. Disponível em: https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/HJPB-7CAJK3. Acesso em: 08 maio 2020.

SILVA, A. B. “Coisa de Mulher” e “Criola”: Um estudo sobre aprendizagens decoloniais em ONGs de mulheres negras. 2018. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018. Disponível em: http://www.repositorio-bc.unirio.br:8080/xmlui/bitstream/handle/unirio/13038/Dissertação%20PPGEdu%20-%20Ana%20Beatriz%20da%20Silva.pdf?sequence=1. Acesso em: 06 maio 2021.

SOUZA, M. E. S. Movimento Negro em Sergipe e política institucional: um estudo a partir de carreiras de militantes negros. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais). Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, 2012. Disponível em: https://ri.ufs.br/handle/riufs/6324 Acesso em: 06 maio 2021.

Publicado

11/05/2022

Como Citar

SANTOS, A. T. dos; LUCINI, M. A potencialidade educativa da “Auto-organização de Mulheres Negras de Sergipe Rejane Maria”. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 26, n. 00, p. e022118, 2022. DOI: 10.22633/rpge.v26i00.16765. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/16765. Acesso em: 29 set. 2022.