A POTENCIALIDADE EDUCATIVA DA AUTO-ORGANIZAÇÃO DE MULHERES NEGRAS DE SERGIPE REJANE MARIA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v26i00.16765

Palavras-chave:

Educação, Feminismo negro, Pesquisa ativista feminina negra, Auto-Organização de Mulheres Negras de Sergipe Rejane Maria

Resumo

Este texto empreende uma reflexão teórico-conceitual sobre a potência educativa da Auto-Organização de Mulheres Negras de Sergipe Rejane Maria, criada em Aracaju-Sergipe em 2014, a partir do referencial do Feminismo Negro e da Pesquisa Ativista Feminista Negra. Nesta análise consideramos que as mulheres negras historicamente questionam e apontam soluções com relação às desigualdades raciais, sociais, de gênero e sexualidade, organizadas em movimentos sociais. Movimentos sociais que compreendemos como espaços educativos e de formação política dos seus membros, nos quais a educação está associada a uma práxis pautada em sua insurgência propositiva. Insurgência que está associada à construção de novas epistemologias e políticas públicas que tensionam a estrutura racista, sexista, classista e heteronormativa estruturantes da sociedade brasileira. Nesse sentido, consideramos a potencialidade educativa dos trabalhos de base desenvolvidos pela Auto-Organização de Mulheres Negras de Sergipe Rejane Maria, como movimentos educativos em que se produzem saberes e pedagogias emancipatórios que questionam a sociedade, ao mesmo tempo que criam estratégias educativas de combate ao racismo, classismo, sexismo e a heteronormatividade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARROYO, M. G. (2003). Pedagogias em Movimento – o que temos a aprender com os movimentos sociais? Currículo sem Fronteiras, 3(1), 28-49.

BAIRROS, L. (1995). Nossos feminismos revisitados. Revista Estudos Feministas, 3(2), 458-463. https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/16462

BRANDÃO, C. R. (2007). O que é educação? São Paulo: Brasiliense.

BARBOSA, E. E. (2019). Negras Lideranças: mulheres ativistas na periferia de São Paulo. 1ª ed. São Paulo: Ed. Dandara.

CARDOSO, C. P. (2012). Outras falas: feminismos na perspectiva de mulheres negras brasileiras. Tese (Doutorado em Estudos Interdisciplinares sobre mulheres, gênero e feminismo). Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil.

COLLINS, P. H. & BILGE, S. (2021). Interseccionalidade. Tradução de Rane Souza. 1. Ed. São Paulo: Boitempo.

COLLINS, P. H. (2019). Pensamento feminista negro: conhecimento, consciência e a política do empoderamento. Tradução Jamille Pinheiro Dias. São Paulo: Boitempo.

CRENSHAW, K. (2002). Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Revista Estudos Feministas. 10 (1), 171-188. https://doi.org/10.1590/S0104-026X2002000100011

GOMES, N. L. (2017). O Movimento Negro Educador: Saberes construídos nas lutas por emancipação. Petrópolis: Vozes.

GOMES, N. L. (2020). A força educativa e emancipatória do movimento negro em tempos de fragilidade democrática. Revista Teias. 21(62), p. 360-371.

https://doi.org/10.12957/teias.2020.49715

GOHN, M. da G. (2009). Movimentos sociais e educação. 7ª. Ed. São Paulo: Cortez.

hooks, b. (2019). Teoria feminista: Da margem ao centro. Tradução de Rainer Patriota. São Paulo: Perspectiva.

LEMOS, R. de O. (2020). O Feminismo Negro e sua metodologia: a pesquisa ativista feminista negra. In: FERREIRA, L. (Org.) Gênero em perspectiva. Curitiba: CRV, p.17-39.

LEMOS, R. de O. (2016). Do Estatuto da Igualdade Racial à Marcha das Mulheres Negras 2015: uma Análise das Feministas Negras Brasileiras sobre Políticas Públicas. Tese (Doutorado em Política Social). Universidade Federal Fluminense, Niterói, RJ, Brasil.

LEMOS, R. de O. (2016). Os feminismos negros: a reação aos sistemas de opressões. Revista Espaço Acadêmico. (185), 12-25.

LIMA, A. N. C. (2014). Grupo de mulheres negras Mãe Andresa: marcações identitárias de gênero e raça na produção de estratégias contra o racismo e o machismo. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais). Universidade Federal do Maranhão, São Luís, MA, Brasil.

MIÑOSO, Y. E. (2020). Fazendo uma genealogia da experiência: o método rumo a uma crítica da colonialidade da razão feminista a partir da experiência histórica na América Latina. In: HOLANDA, H. B. (Org.). Pensamento feminista hoje: perspectivas decoloniais. 1 ª. ed. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, p. 96-118.

MIRANDA, C. (2018). Oyèronké oyěwùmí e a crítica aos discursos ocidentais de gênero: releituras na diáspora africana. In: SILVA, J. da. (Org.) O pensamento de/por mulheres negras. Belo Horizonte: Nandyala, p.17-34.

NASCIMENTO, M.B. (2018). Beatriz Nascimento: Quilombola e Intelectual: Possibilidades nos dias da destruição. 1 ª. Ed. São Paulo: Diáspora Africana: Editora filhos da África.

NÚÑEZ, J. M. L., & RIOS, J. A. V. P. (2021). Pedagogias de (re)existências do movimento de mulheres negras na Bahia em tempos de pandemia. ODEERE, 6(1), 287-310. https://doi.org/10.22481/odeere.v6i01.8500.

PEREIRA, A. C. J. (2016). Pensamento social e político do movimento de mulheres negras: o lugar de ialodês, orixás e empregadas domésticas em projetos de justiça social. Tese (Doutorado em Ciência Política). Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

PIEDADE, V. (2019). Dororidade. São Paulo: Editora Nós.

SCOTT, J. W. (2005). O enigma da igualdade. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, 13(1), 11-30. https://doi.org/10.1590/S0104-026X2005000100002

SILVA, M. L. da. (2007). Mulheres negras em movimento(s): trajetórias de vida, atuação política e construção de novas pedagogias em Belo Horizonte-MG. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.

SILVA, A. B. da. (2018). “Coisa de Mulher” e “Criola”: um estudo sobre aprendizagens decoloniais em ONGs de mulheres negras. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Publicado

11/05/2022

Como Citar

LUCINI, M.; SANTOS, A. T. dos. A POTENCIALIDADE EDUCATIVA DA AUTO-ORGANIZAÇÃO DE MULHERES NEGRAS DE SERGIPE REJANE MARIA . Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 26, n. 00, 2022. DOI: 10.22633/rpge.v26i00.16765. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/16765. Acesso em: 25 maio. 2022.