A Educação Sexual e a promoção da equidade de gênero no enfrentamento da violência doméstica contra mulheres

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v24iesp3.14280

Palavras-chave:

Educação sexual, Equidade de gênero, Violência contra mulheres.

Resumo

A violência contra as mulheres constitui-se em uma das principais formas de violação aos direitos humanos. Segundo a Organização Mundial da Saúde, o Brasil se posiciona no 5º lugar dos países que mais matam mulheres no mundo no contexto doméstico e familiar. Essa violência decorre de uma cultura preconceituosa, discriminatória, patriarcalista, machista e racista. Para combatê-la, é preciso, além de políticas públicas efetivas, a integração do Poder Público com as áreas da educação, por meio de ações educacionais que disseminem os direitos humanos e os valores éticos de irrestrito respeito à dignidade da pessoa humana com a perspectiva de gênero. Nesse sentido, por meio de um levantamento bibliográfico, com análise crítica acerca da temática abordada, este trabalho tem por objetivo ressaltar a importância da educação sexual e da promoção da equidade de gênero no processo educativo de aprendizagem e de socialização, concluindo que essa educação contribui com a formação de um pensamento crítico e com o desenvolvimento social e colabora com a construção de uma cultura igualitária, com a igualdade de gênero e enfrentamento de todas as formas de violência, discriminação e preconceito contra as mulheres.

Biografia do Autor

Mariana Passafaro Mársico Azadinho, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Taquaritinga – SP

Mestranda no Programa de Pós-graduação em Educação Sexual.

Angelita de Lima Oliveira, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Araraquara – SP

Mestranda no Programa de Pós-graduação em Educação Sexual.

Débora Raquel da Costa Milani, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Matão – SP

Docente no Programa de Pós-graduação em Educação Sexual. Doutorado em Educação Escolar (UNESP).

Referências

AMORIM, S. N. D. O combate à violência contra a mulher: a luta entre antigos valores e novos padrões de políticas públicas. Casoteca de Gestão Pública. Brasília, DF: ENAP, 2012. 8 p.

AVELAR, L. Mulheres na elite política brasileira. 2 ed. São Paulo: Konrad Adenauer, 2001. 188 p.

ASSOCIAÇÃO NOVA ESCOLA. BNCC na prática: aprenda tudo sobre as competências gerais. Associação Nova Escola. Fundação Lemann. Disponível em: https://novaescola.org.br/bncc/conteudo/103/faca-o-download-do-livro-sobre-as-competencias-gerais-em-pdf. Acesso em: 25 mar. 2019.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União: Seção 1, Brasília, DF, n. 248, p. 27833, 23 dez. 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1997. 126 p.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos – apresentação dos temas transversais. Brasília: MEC/ SEF, 1998.

BRASIL. Presidência da República. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. Programa de prevenção, assistência e combate à violência contra a mulher – Plano Nacional: diálogos sobre violência doméstica e de gênero, construindo políticas públicas. Brasília: Presidência da República, 2003. 66 p.

BRASIL. Lei n. 11.340, de 7 de agosto de 2006. Lei Maria da Penha. Diário Oficial da União: Seção 1, Brasília, DF, n. 248, p. 1, 8 ago. 2006. PL 4559/2004

BRASIL. Presidência da República. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. II Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2008. 237 p.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Direitos humanos em educação. Série: cadernos pedagógicos. Programa Mais Educação. Brasília, 2009. 68 p.

BRASIL. Presidência da República. Secretaria de Políticas para Mulheres. 7º prêmio construindo a igualdade de gênero. Brasília: SPM/PR, 2012. 226 p.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação Básica. Brasília: MEC/SEF, 2013a. 546 p.

BRASIL. Presidência da República. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. Plano Nacional de Políticas para as Mulheres: 2013-2015. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, 2013b. 114 p.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 5 abr. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Principais Ações e Programas de responsabilidade do Ministério da Educação no PPA 2012-2015. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/secretaria-de-educacao-basica/programas-e-acoes. Acesso em: 06 abr. 2019.

CÉSAR, M. R. A. Gênero, sexualidade e educação: notas para uma “epistemologia”. Educar, Curitiba, n. 35, p. 37-51, 2009,

CHAUÍ, M. Repressão Sexual, essa nossa (des)conhecida. 12. ed. São Paulo: Brasiliense, 1991.

COELHO, S.; ZELIC, H. Passos da luta pelo fim da violência contra as mulheres. In: Relatório anual da rede social de justiça e direitos humanos. 2018. p. 156-162.

CROCIARI, A.; PEREZ, M. C. A. O que estamos estudando sobre gênero na educação infantil: as lacunas na formação docente. Dossiê Sexualidade, gênero e educação sexual em debate. Rev. Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, SP, Brasil, v .14, n. esp. 2, p. 1556-1568, jul. 2019. e-ISSN: 1982-5587. DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v14iesp.2.12615

DATA FOLHA. Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP). Visível e invisível: a vitimização de mulheres no Brasil. 2. ed. Datafolha/FBSP, 2019.

DALLARI, D. Policiais, juízes e igualdades de direitos. In: LERNER, J. (Ed.). O preconceito. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, 1996/1997.

FIGUEIRÓ, M. N. D. Educação sexual: retomando uma proposta um desafio. 3. ed. Londrina: EDUEL, 2010.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis, RJ: Vozes, 1987.

FOUCAULT, M. História da sexualidade: o cuidado de si. Rio de Janeiro: Graal, 2005.

FREIRE, P. Pedagogia da esperança: um reencontro com a Pedagogia do oprimido. São Paulo: Paz e Terra, 2006.

FUNDAÇÃO VICTOR CIVITA. Ética e cidadania. In: Ofício de professor: aprender mais para ensinar melhor. São Paulo: Abril, 2002.

GUERRA, I. C. Pesquisa qualitativa e análise de conteúdo: sentidos e formas de uso. Portugal: Principia, 2006.

HUMAN RIGHTS WATCH (HRW). Word Report 2019 (events of 2018). Brasil: eventos de 2018. 2019. Disponível em: https://www.hrw.org/pt/world/report/2019/country-chapters/325547. Acesso em: 20 jun. 2020.

LIBÂNEO, J. C.; SILVA, E. Finalidades educativas escolares e escola socialmente justa: a abordagem pedagógica da diversidade social e cultural. Rev. on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 24, n. esp. 1, ago. 2020. e-ISSN: 1519-9029. DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v24iesp1.13783

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação: das afinidades políticas às tensões teórico-metodológicas. Educação em revista, Belo Horizonte, n. 46, p. 201-2018, dez. 2007.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012. 185 p.

LUCIFORA, C. A.; REINA, F. T.; MUZZETI, L. R.; SILVA, R. A. Marcas sociais de nossos tempos: gênero, sexualidade e educação em âmbito escolar. Dossiê Sexualidade, gênero e educação sexual em debate. Rev. Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 14, n. esp. 2, jul. 2019. e-ISSN: 1982-5587. DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v14iesp.2.12607

LÜDKE, M.; ANDRE, M. E. D. A. A Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. 2. ed. Rio de Janeiro: E.P.U., 2013.

MAIA, A. C. B. Sexualidade e educação sexual. Disponível em: https://acervodigital.unesp.br/bitstream/unesp/155340/3/unesp-nead_reei1_ee_d06_s03_texto02.pdf. Acesso em: 6 abr. 2019.

MAIA, A. C. B.; RIBEIRO, P. R. M. Educação sexual: princípios para ação. Doxa: Revista Paulista de Psicologia e Educação, Araraquara, v. 15, n. 1, p. 75-84, 2011. ISSN 1413-2060. Disponível em: https://www.academia.edu/12736279/Educa%C3%A7%C3%A3o_Sexual_princ%C3%ADpios_para_a%C3%A7%C3%A3o. Acesso em: 10 out. 2020.

MANZINI, E. J. A entrevista na pesquisa social. São Paulo: Didática, 1990/1991. v. 26/27.

NOGUEIRA, J. K.; FELIPE, D. A.; TERUYA, T. K. Conceitos de gênero, etnia e raça: reflexões sobre a diversidade cultural na educação escolar. Fazendo Gênero 8 – Corpo, Violência e Poder. Florianópolis, 2008.

NOGUEIRA, N. S. et al. Educação sexual no contexto escolar: as estratégias utilizadas em sala de aula pelos educadores. Holos, ano 32, v. 3, 2016.

RABELO, A. O.; PEREIRA, G. R.; REIS, M. A. S. Formação docente em gênero e sexualidade: entrelaçando teorias, políticas e práticas. 1. ed. Petrópolis, RJ: De Petrus et Alii, 2013.

RAYA, L. C. Educação: caminho para a liberdade. Rio Claro: Franciscana, 1981. 198 p.

RELATÓRIO Anual da Rede Social de Justiça e Direitos Humanos. 2007. Disponível em: www.social.org.br. Acesso em: 7 abr. 2019.

RIBEIRO, P. R. M.; MONTEIRO, S. A. S. Avanços e retrocessos da educação sexual no Brasil: apontamentos a partir da eleição presidencial de 2018. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, p. 1254-1264, jun., 2019. ISSN 1982-5587. DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v14iesp.2.12701

SANTOS, C. M. Direitos humanos das mulheres e violência contra as mulheres: avanços e limites da Lei “Maria da Penha”. In: Relatório Anual da Rede Social de Justiça e Direitos Humanos. 2007. p. 193-202. Disponível em: www.social.org.br. Acesso em: 7 abr. 2019.

SILVA, A. S. Direitos Humanos em lugares minoritários: um convite ao pensar sobre processos de exclusão na escola. In: Programa ética e cidadania: construindo valores na escola e sociedade. 2007. Disponível em: portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/Etica/11_soares.pdf. Acesso em: 6 abr. 2019.

TAVARES, A. C. C.; NERY, I. S. Violência doméstica conjugal contra as mulheres: uma reflexão acerca da dimensão simbólica proposta por Pierre Bourdieu. In: ENCONTRO NACIONAL DA REDE FEMINISTA E NORTE E NORDESTE DE ESTUDOS E PESQUISA SOBRE A MULHER E RELAÇÕES DE GÊNERO, 17., 2012, João Pessoa. Anais [...]. João Pessoa, PB: UFPB, dez. 2012. Disponível em: http://www.ufpb.br/evento/index.php/17redor/17redor/paper/view/125/60. Acesso em: 09 dez. 2019.

TEIXEIRA, F.; MARQUES, F. M. A educação em sexualidade e os media. Revista Elo, v. 19, 2012. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/282851974_A_EDUCACAO_EM_SEXUALIDADE_E_OS_MEDIA_-_Revista_Elo_n_19_2012. Acesso em: 4 abr. 2019.

VACCARI, V. L. Projeto cidadania e gênero: superando a violência contra a mulher. Gênero e Pesquisa, Uberlândia, ano 9, n. 17, p. 2-8, 2001.

WAS. World Association Sexology. Declaração dos Direitos Sexuais como Direitos Sexuais. Hong-Kong, 1999.

Publicado

28/12/2020

Como Citar

Azadinho, M. P. M., Oliveira, A. de L., & Milani, D. R. da C. (2020). A Educação Sexual e a promoção da equidade de gênero no enfrentamento da violência doméstica contra mulheres. Revista on Line De Política E Gestão Educacional, 24(esp3), 1727–1742. https://doi.org/10.22633/rpge.v24iesp3.14280