Empoderamento feminino e a formação cidadã para a emancipação da mulher

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v22i3.12018

Palavras-chave:

Mulher, Emancipação, Empoderamento, Qualificação profissional.

Resumo

A partir de programas, projetos e serviços direcionados às mulheres em situação de vulnerabilidade social, interessadas em qualificar-se profissionalmente, entendendo ser mais uma função da escola, como elaboradora de propostas que colaborem com a emancipação do sujeito coletivo. Este artigo tem como proposta refletir sobre a promoção de atividades de igualdade de direitos entre homens e mulheres e as condições para que as mulheres conquistem autonomia, uma vez que são demandas urgentes em uma sociedade mais igualitária e desenvolvida econômica, social e culturalmente. Neste sentido, faz-se necessário verificar quais as oportunidades foram e estão sendo oferecidas para a educação e de qualificação profissional para as mulheres que, ao longo de suas trajetórias, não tiveram acesso a uma formação suficiente para garantir boas condições de vida.

Biografia do Autor

Solange Aparecida de Souza Monteiro, Instituto Federal de São Paulo (IFSP), Araraquara – SP

Pedadoga. Mestra em Processos de Ensino, Gestão e Inovação pela Universidade de Araraquara - UNIARA (2018). Membro dos núcleos: -Núcleo de Gêneros e Sexualidade do IFSP (NUGS); Núcleo de Apoio às Pessoas com Necessidades Educacionais Específicas (NAPNE).

Referências

AMARAL, G. A. Os desafios da inserção da mulher no mercado de trabalho. Itinerarius Reflectionis. Revista eletrônica do curso de pedagogia do campus Jataí, Universidade Federal de Goiás - UFG, Jataí, v. 8, n. 2, p. 1-20, 2012.

BAKHTIN, M. A cultura popular na Idade Média e no Renascimento: o contexto de François Rabelais. São Paulo/Brasília: HUCITEC/Editora Universidade de Brasília, 1987.

BEAUVOIR, S. O Segundo Sexo, v. I, II. Tradução de Sérgio Milliet. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1980.

BRASIL. Ministério da Educação. PROEJA. Formação Inicial e Continuada/Ensino Fundamental. Documento Base. SETEC, Brasília: Ministério da Educação, 2007. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf2/proeja_fundamental_ok.pdf. Acesso em: 07 fev. 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Guia prático do cuidador. Brasília: Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, 2008.

BRASIL. Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília: Secretaria de Políticas para as Mulheres, 2013.

BRASIL. Ministério da Educação. Guia da Metodologia de Acesso, Permanência e Êxito do Mulheres Mil. Disponível em: http://prx.ifsp.edu.br/images/pdf/Guia_metodologico.pdf. Acesso em: 20 nov 2018.

BOURDIEU, P. A dominação masculina. 5 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.

BUTLER, J. Variações sobre sexo e gênero: Beauvoir, Witting e Foucault. In: BENHABIB, S.; CORNELL, D. (Orgs.). Feminismo como crítica da modernidade. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1986.

BUTLER, J. Subjection, resistence and resignification. In: BUTLER, J. The psychic life of power: Theories in subjections. California: Standford University Press, 2000.

BUTLER, J. Problemas de gênero: Feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

BRUSCHINI, C.; PUPPIN, A. B. Trabalho de mulheres executivas no Brasil no final do século XX. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 34, n. 121, p. 105-138, jan/abr, 2004.

CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES (CUT). Igualdade de remuneração entre homens e mulheres - Experiências e desafios. São Paulo: Central Única dos Trabalhadores/SNMT, 2010.

FAIRCLOUGH, N. Critical discourse analysis in the 1990s: challenges and responses. In: PEDRO, E. R. (org.) Discourse Analysis Proceedings of the 1st Internacional Conference On Discourse Analysis. Lisboa: Colibri, 1997.

HOFSTEDE, G. Culture's Consequences: International differences in work related values. Beverly Hills: Sage, 1980.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo Demográfico de 2010. Rio de Janeiro, 2010.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Sistema de Indicadores Sociais. Rio de Janeiro, 2016.

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE SÃO PAULO (IFSP). Programa Mulheres do IFSP atende a cem alunas. Disponível em: http://www2.ifsp.edu.br/index.php/outras-noticias/52-reitoria/4762-programa-mulheres-mil-do-ifsp-atende-a-cem-alunas.html. Acesso em: 12 nov. 2018.

LEMES, S. S. Indagações sobre as políticas educacionais e reflexões sobre demandas percebidas pelo Estado brasileiro: tópicos para análise circunstanciada de seus instrumentos de ação. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, v. 11, p. 1616-1625, 2016.

MINAYO, M. C. S. Visão antropológica do envelhecimento humano. In: MINAYO, M. C. S. Velhices, reflexões contemporâneas. São Paulo: SESC PUC, 2006.

MOSEDALE, S. Assessing women's empowerment: towards a conceptual framework. Journal of International Development, v. 17, n. 2, p. 243-257, 2005.

MOURA, D. H. A relação entre a educação profissional e a educação básica na CONAE 2010: possibilidades e limites para a construção do novo plano nacional de educação. Educação & Sociedade, Campinas, v.31, n. 112, p. 875-894, jul.-set. 2010.

NASCIMENTO, E. S; LARA, S. V. Alternativas de mercado de trabalho para as travestis de Aracaju. Aracaju: Ministério da Justiça, 2003.

PACHECO, E. Mulheres Mil na Rede Federal: caminhos da inclusão. Página do Programa Mulheres Mil. 2011.

SAFFIOTI, H. I. B. A mulher na sociedade de classes: mito e realidade. Petrópolis: Editora Vozes, 1976.

Downloads

Publicado

01/12/2018

Como Citar

Monteiro, S. A. de S. (2018). Empoderamento feminino e a formação cidadã para a emancipação da mulher. Revista on Line De Política E Gestão Educacional, 22(3), 1182–1197. https://doi.org/10.22633/rpge.v22i3.12018

Edição

Seção

Artigos