A inclusão do aluno com transtorno do espectro autista na sala de aula

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.unesp.v22.nesp2.dez.2018.11991

Palavras-chave:

Transtorno do espectro autista, Educação inclusiva, Políticas públicas.

Resumo

A inclusão educacional escolar de crianças e jovens com Transtornos do Espectro Autista (TEA), vem se mostrando um desafio a todos os envolvidos no processo educativo, nos dias atuais e tem sido meta para as políticas públicas educacionais.  A partir desse ensaio teórico, o objetivo deste artigo,  é descrever o movimento necessário para a inclusão do aluno com transtorno do espectro autista (TEA) na sala de aula, por meio da caracterização do sujeito, a partir de uma breve análise da legislação, com vistas a contribuir para o debate sobre a educação inclusiva dentro do modelo educacional atual e a defesa da garantia da participação de todos nas experiências educacionais, partilhando os mesmos espaços, vivendo as mesmas experiências e relações sociais sem preconceito de qualquer ordem, motivado pela diferença.

Biografia do Autor

Solange Aparecida de Souza Monteiro, Instituto Federal de São Paulo (IFSP)

Mestra em Processos de Ensino, Gestão e Inovação pela Universidade de Araraquara - UNIARA (2018). Possui graduação em Pedagogia pela Faculdade de Educação, Ciências e Letras Urubupunga (1989). Possui Especialização em Metodologia do Ensino pela Faculdade de Educação, Ciências e Letras Urubupunga (1992). Trabalha como pedagoga do Instituto Federal de São Paulo campus São Carlos(IFSP/Câmpus Araraquara-SP). Participa dos núcleos: -Núcleo de Gêneros e Sexualidade do IFSP (NUGS); -Núcleo de Apoio ás Pessoas com Necessidades Educacionais Específicas (NAPNE). Desenvolve sua pesquisa acadêmica na área de Educação, Sexualidade e em História e Cultura Africana, Afro-brasileira e Indígena e/ou Relações Étnico-raciais. 

Paulo Rennes Marçal Ribeiro, Universidade Estadual Paulista

Possui graduação em Psicologia (1985) pelo Instituto de Psicologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUCCAMP; graduação em Pedagogia (1983) e mestrado em Educação (1989) pela Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP; especialização em Psiquiatria e Psicologia Clínica da Infância (1988) e doutorado em Saúde Mental (1995) pela Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP; e pós-doutorado em Saúde Mental (1996-1997) pelo Instituto de Psiquiatria da Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ. É Livre-Docente em Sexologia e Educação Sexual pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP (2007). Foi vice-diretor da Faculdade de Ciências e Letras da UNESP, em Araraquara, de 1º de fevereiro de 2005 a 31 de janeiro de 2009, onde atualmente é Professor Associado (MS-5) no Departamento de Psicologia da Educação. É especialista do Conselho Estadual de Educação - SP e atua nas áreas de Educação e Psicologia, com ênfase na pesquisa em Sexualidade Humana, principalmente com os seguintes temas: educação sexual, história da sexualidade e da educação sexual, adolescência, sexualidade e sociedade. É professor e orientador de mestrado e doutorado nos seguintes Programas de Pós-Graduação da UNESP, em Araraquara: Educação Sexual, do qual é o coordenador do Programa; e Educação Escolar, onde coordena a Linha de Pesquisa Sexualidade, cultura e educação sexual. Foi um dos fundadores e vice-coordenador do GT-23 Gênero, sexualidade e educação, da ANPED

Referências

BAKHTIN, M. Para uma filosofia do ato responsável. Tradução de Valdemir Miotello & Carlos Alberto Faraco. São Carlos: Pedro & João, 2010.

BARROCO, S. M. S. Pedagogia histórico-crítica, psicologia histórico-cultural e educação especial: em defesa da pessoa com e sem deficiência. In: MARSIGLIA, A. C. G.(org.) Pedagogia histórico-crítica: 30 anos. Campinas, SP: Autores Associados, 2011. p.169-196

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988.

BRASIL. Lei 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, 23 de dezembro de 1996.

BRASIL. Lei 12.764, de 27 de dezembro de 2012. Institui a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista. Diário Oficial da União, 28 de dezembro de 2012.

BRASIL. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13146.htm. Acesso em: 16 dez. 2018.

CORREIA, L. de M. Alunos com necessidades educativas especiais nas classes regulares. Portugal: Porto Editora, 1999. (Colecção Educação Especial, 1).

ELIAS, N. C. Transtorno do espectro do autismo e intervenções comportamentais. In: GOLÇALVES, A. G.; CIA, F.; CAMPOS, J. Ap. de P. P. (Org.). Letramento para o estudante com deficiência. 1 ed. São Carlos: EdUFSCar, 2018, v. 1, p. 9-14.

FERREIRA, M. M. Educação inclusiva: Inclusão de crianças com Síndrome de Down no ciclo I do ensino fundamental. Anais... II Encontro Científico e II Simpósio de Educação, Lins, 2009. Disponível em: http://www.unisalesiano.edu.br/encontro2009/trabalho/aceitos/cc31441044850.pdf. Acesso em: 13 dez 2018.

JANNUZZI, G. de M. A educação do deficiente no Brasil: dos primórdios ao início do século XXI. Campinas: Autores Associados, 2004.

MARQUES, C. A. Para uma Filosofia da deficiência: aspectos da pessoa portadora de deficiência. Juiz de Fora: UFRJ, 1994.

MEIRIEU, P. O cotidiano da escola e da sala de aula o fazer e o compreender. Porto Alegre: Artmed, 2005.

MELETTI, S. M. F.; RIBEIRO, K. Indicadores educacionais sobre a educação especial no Brasil. Caderno Cedes, Campinas, v. 34, n. 93, p. 175-189, maio/ago., 2014.

MENDES, E. G. Perspectivas para a construção da escola inclusiva no Brasil. In: PALHARES, M.; MARINS, S. (orgs.) Escola Inclusiva. São Carlos: EdUFSCar, p. 61-85, 2002.

OMOTE, S. Normatização, integração, inclusão. Revista Ponto de Vista. Florianópolis, v. 1, n. 1, jul./dez., 1999.

ONOFRE, J. A. Aprendendo com a educação inclusiva: experiências no núcleo “Aprendendo Down”. Extensão & Cidadania, Vitória da Conquista, v. 4, n. 7, p. 7-13, jan./jun., 2017.

SILVA, B. K. L. N. Inclusão Escolar de uma Criança com Síndorme de Down. In: IX Congresso Nacional de Educação – EDUCERE, III Encontro Sul Brasileiro de Psicopedagogia. PUCRS, 26 a 29 de outubro de 2009. Disponível em: http://www.pucpr.br/eventos/educere/educere2009/anais/pdf/2465_1462.pdf. Acesso em: 30 abr. 2016.

SCHWARTZMAN, J. S. Síndrome de Down São Paulo: Memnon, 1999.

UNESCO. Declaração de Salamanca e linha de ação sobre necessidades educativas especiais. Brasília: CORDE, 1994.

VOIVODIC, Maria Antonieta. Inclusão escolar de crianças com síndrome de down. Petrópolis: Vozes, 2004.

WERNECK, C. Ninguém mais vai ser bonzinho na sociedade inclusiva. Rio de Janeiro: WVA, 1997.

Downloads

Publicado

01/12/2018

Como Citar

Monteiro, S. A. de S., & Ribeiro, P. R. M. (2018). A inclusão do aluno com transtorno do espectro autista na sala de aula. Revista on Line De Política E Gestão Educacional, 22(2), 905–919. https://doi.org/10.22633/rpge.unesp.v22.nesp2.dez.2018.11991

Edição

Seção

Artigos