Alimentação para alunos com necessidades de alimentação especial como preceito educacional inclusivo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v23i3.12573

Palavras-chave:

Necessidade alimentação especial, Direitos humanos a alimentação adequada, Inclusão escolar.

Resumo

O DHAA é o direito de toda pessoa estar livre da fome e ter alimentação adequada e o PNAE garante o direito do aluno da Educação Básica pública à alimentação. É nesse sentido que se pretende ampliar a discussão em torno das possibilidades de exclusão dessas pessoas na escola, o objetivo deste artigo foi realizar um levantamento bibliográfico sobre a inclusão das crianças com NAE nas escolas por meio de uma revisão documental e bibliográfica. Os alunos com NAE podem ser excluídos através de atividades pedagógicas não-planejadas. Alunos com alergias podem se contaminar com materiais que contenham os alérgenos, alunos com restrições alimentares nos eventos da escola podem ficar sem opção de alimentação. Os cuidados com esses alunos, como analisado, vão muito além de nutrientes e deve-se promover a inclusão destes no ambiente escolar e atividades pedagógicas, pois isso pode afetar sua aprendizagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mileni da Silveira Fernandes Rosa, Universidade Federal de Santa Maria

Possui graduação em Bacharel em Nutrição pelo Centro Universitário Franciscano (2007). Tem experiência na área de Nutrição, com ênfase em Dietética, atuando principalmente nos seguintes temas: Nutrição clínica e Educação nutricional. Mestranda no Programa de Pós-graduação de Mestrado Profissional em Políticas Públicas e Gestão Educacional, Linha de Pesquisa Gestão Pedagógica e Contextos Educativos, Temática: Educação, saúde, acessibilidade e inclusão: psicopedagogia.

Sílvia Maria de Oliveira Pavão, Universidade Federal de Santa Maria

Possui graduação em Educação Especial pela Universidade Federal de Santa Maria (1986), mestrado em Inovação e Sistema Educativo - Universidad Autonoma de Barcelona (1998) e doutorado em Educação - Universidad Autonoma de Barcelona (2003). Atualmente é professor da Universidade Federal de Santa Maria. Tem experiência na área de Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: saúde, educação, educação especial, interdisciplinaridade, aprendizagem e ensino.

Lorena Ines Peterini Marquezan, Universidade Federal de Santa Maria, Centro de Educação, Departamento de Fundamentos da Educação.

Doutorado em Educação do Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE) UFSM (2015). Participa de dois grupos de pesquisa. Atualmente é professora Adjunto IV da Universidade Federal de Santa Maria. Tem experiência na área de Psicologia da Educação, com ênfase em Psicologia do Desenvolvimento Humano, atuando principalmente nos seguintes temas: Educação Infantil, Ensino Fundamental, Educação de Jovens e Adultos, Ensino Superior, lúdico, avaliação, interdisciplinaridade, Transdicisplinariedade, autoestima, afetividade, educação a distância, Gestão Escolar e Educacional. Exerce a função de Chefe de Departamento de Fundamentos da Educação CE/UFSM desde 18/10/1999 com portaria do Centro de Educação da Universidade Federal de Santa Maria n° 54 de 05 de abril de 2016, para término em 05 de abril de 2018. Trabalha com Graduação, na área de Formação de Professores: Artes Cênicas, Artes Visuais (Desenho e Plástica), Pedagogia, Música, Educação Especial e Pós-Graduação em Psicopedagogia e Gestão Educacional, presencial e a distância. Orienta Trabalhos de Conclusão do Curso de Licenciatura Plena em Pedagogia (TCC) e Monografias da Pós- Graduação em Gestão Educacional. É professora colaboradora no mestrado profissional: Programa de Pós Graduação em Políticas Públicas e Gestão Educacional. Desenvolveu curso de formação para professores e TAES promovido pela PROGEP sobre motivação, nos anos de 2017 e 2018. Faz parte de dois grupos de pesquisa financiados pelo CNPQ: GEPFICA coordenado pela professora Helenise Sangoi Antunes e o grupo GEU - Grupo de estudos sobre a Universidade liderado pela Adriana Moreira da Rocha Veiga e Liliane Gontan Timm Della Méa. A grande área de atuação é Interdisciplinar e transdisciplinar focando no Ensino, Pesquisa e Extensão.

Referências

BRASIL. Decreto nº 3.298, de 20 de dezembro de 1999. Regulamenta a Lei no 7.853, de 24 de outubro de 1989, dispõe sobre a Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, consolida as normas de proteção, e dá outras providências. 1999. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d3298.htm . Acesso em: 16 jun. 2018.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Brasília: MEC; SEESP, 2001. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/diretrizes.pdf. Acesso em: 16 jun. 2018.

BRASIL. Documento subsidiário a política de inclusão/ Simone Maiineri Paulon, Lia Beatriz de Lucca Freias, Gerson Smiech Pinho. Brasília: Ministério da educação, secretaria de Educação Especial, 2005.

BRASIL. Lei 11.346 de setembro de 2006. Lei Orgânica de Segurança alimentar e nutricional (LOSAN).

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes Operacionais da Educação Especial para o Atendimento Educacional Especializado (AEE) na Educação Básica. Brasília, MEC/SEESP, 2008a.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: 2008b. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdf. Acesso em: 16 jun. 2018.

BRASIL. Lei 11.947 de 2009. Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE).

BRASIL. Decreto nº 7.611, de 17 de novembro de 2011. Dispõe a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. Brasília, 2011. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/decreto/d7611.htm. Acesso em: 20 abr. 2019.

BRASIL. Manual de orientação sore a alimentação escolar para portadores de diabetes, hipertensão, doença celíaca, fenilcetonúria e intolerância a lactose. 2.ed., Brasilia: PNAE: CECANE-SC, 2012.

BRASIL. Lei 12.982 de 28 de maio de 2014. Altera a Lei no 11.947, de 16 de junho de 2009, para determinar o provimento de alimentação escolar adequada aos alunos portadores de estado ou de condição de saúde específica.

BRASIL. O direito humano à alimentação adequada e o sistema nacional de segurança alimentar e nutricional. Organizadora Marilia Leão. Brasília: ABRANDH, 2013.

BRASIL. Lei 13.146 de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência).

BRASIL. Caderno de referências sobre a alimentação escolar para estudantes com necessidades alimentares especiais. Programa Nacional de Alimentação Escolar. Brasília: FNDE, 2017.

CENTRAL DE ABASTECIMENTO DE CMPINAS AS (CEASA). Manual de orientações sobre restrições alimentares. Departamento de Alimentação Escolar, ed. 3, Campinas, 2016.

CHRISTMANN, M. As implicações das condições de saúde para aprendizagem. Atendimento educacional especializado: aprendizagem, saúde e inclusão. Organizadoras Silvia Maria de Oliveira Pavão, Ana Cláudia de Oliveira Pavão. Santa maria, RS: ed. Pe.com UFSM, 2018.

MAHAN, L. K.; ESCOTT-STUMP, S.; RAYMOND, J. L. K. Alimento Nutrição e Dietoterapia. Ed 13. Elsevier, 2013.

NUNES, M. R. A.; PAIVA, A. L. C.; MARQUES, R. C. P. Educação inclusiva: uso de cartilha com considerações sobre alimentação do autista. Revista Includere, Mossoró, v. 2, n. 2, p. 664- 118, Ed. 1, 2016.

STAINBACK, S.; STAINBACK, W. Inclusão: uma guia para educadores. Trad. Magda França. Porto Alegre: Arte Médicas Sul, 1999.

Publicado

15/08/2019

Como Citar

ROSA, M. da S. F.; PAVÃO, S. M. de O.; MARQUEZAN, L. I. P. Alimentação para alunos com necessidades de alimentação especial como preceito educacional inclusivo. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 23, n. 3, p. 656–664, 2019. DOI: 10.22633/rpge.v23i3.12573. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/12573. Acesso em: 24 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.