Atendimento educacional especializado e o ensino regular: interlocuções docentes com vistas à inclusão

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v23i2.12651

Palavras-chave:

Inclusão, Professor, Atendimento educacional especializado.

Resumo

A temática central deste texto é a inclusão no espaço escolar de uma minoria estigmatizada. Objetiva-se refletir como ocorre a interlocução entre professores da sala de Atendimento Educacional Especializado (AEE) e da sala de aula regular, na perspectiva da inclusão de pessoas com deficiência. Trata-se de um estudo do tipo descritivo com abordagem qualitativa, realizado em escolas do sistema público municipal de Sobral - CE, tendo como participantes 10 professores, utilizando-se para a coleta dos dados, o questionário. Os resultados evidenciam que os professores da sala de ensino comum e da sala de recurso multifuncional-AEE devem estar em constante sintonia, para que os objetivos traçados sejam alcançados, de forma que o trabalho seja interdisciplinar e colaborativo. É necessário instrumentalizar as instituições escolares para esse atendimento e investir na formação dos professores da sala de ensino comum e da sala recurso multifuncional-AEE, os quais devem promover o acolhimento e inclusão dessas crianças.

Biografia do Autor

Ilani Marques Souto Araújo, Universidade Estadual do Ceará (UECE)

[1]Mestranda em Ensino na Saúde pela Universidade Estadual do Ceará (UECE). Docente do Curso de Pedagogia do Centro Universitário INTA - UNINTA e Professora Formadora II da Universidade Estadual Vale do Acaraú pelo Programa Nacional de Formação de Professores (PARFOR). Especialista em Atendimento Educacional Especializado-AEE pelo Centro Universitário INTA-UNINTA, Especialista em Psicopedagogia Clínica pelo Instituto Superior de Teologia Aplicada - INTA e em Psicopedagogia Institucional pela Universidade Estadual Vale do Acaraú - UVA. Graduada em Pedagogia pela Universidade Estadual Vale do Acaraú - UVA com habilitação em Biologia.

Liliane Luz Alves, Centro universitário INTA-UNINTA

Jornalista, especialista em teoria da Comunicação e da Imagem pela UFC, mestre em comunicação e semiótica pela PUC-SP. Docente do Curso de Jornalismo do Centro universitário INTA-UNINTA

Francisco Ricardo Miranda Pinto, Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA)

Doutorando e mestre em Saúde Coletiva pela Universidade de Fortaleza (UNIFOR). Docente do Curso de Pedagogia da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA), do Centro Universitário INTA (UNINTA) e do Curso de Direito da Faculdade Alencarina de Sobral (FAL). Especialista em Educação, Pobreza e Desigualdade Social e em Coordenação Pedagógica pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Especialista em Psicopedagogia pela Faculdade IEDUCARE. Bacharel em Enfermagem pelo Centro Universitário INTA (UNINTA). Licenciado em Letras pela Universidade Paulista (UNIP). Licenciado em Pedagogia/ pela Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA).

Ilaneide Marques Souto Bezerra, Universidade Estadual Vale do Acaraú

Possui graduação em PEDAGOGIA pela Universidade Estadual do Ceará (UECE). Especialista em Psicopedagogia (INTA). Gestão Escolar (Conselho Estadual do Ceará) e Atendimento Educacional Especializado - AEE (INTA). Coordenadora Pedagógica na Rede Municipal de Itapipoca e Docente Formadora II da Universidade Estadual Vale do Acaraú, pelo Programa Nacional de Formação de Professores (PARFOR).

Referências

BRASIL. Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva. Disponível em http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=16690-politica-nacional-de-educacao-especial-na-perspectiva-da-educacao-inclusiva-05122014&Itemid=30192. Acesso em 24 de maio de 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Marcos Político-Legais da Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: Secretaria de Educação Especial, 2010.

BAZON, F. V. M. et al. Formação de formadores e suas significações para a educação inclusiva. Educ. Pesqui., São Paulo, v. 44, 2018. Acesso em: 30 abr. 2019.

CAMARGO, E. P. Inclusão social, educação inclusiva e educação especial: enlaces e desenlaces. Ciênc. educ., Bauru, v. 23, n. 1, p. 1-6, mar., 2017. Acesso em: 30 abril 2019.

GREGUOL, M.; MALAGODI, B. M.; CARRARO, A. Inclusão de Alunos com Deficiência nas Aulas de Educação Física: Atitudes de Professores nas Escolas Regulares. Rev. bras. educ. espec., Bauru, v. 24, n. 1, p. 33-44, mar., 2018. Acesso em: 30 abril 2019.

MARQUES DE OLIVEIRA, N. D. M.; CORDEIRO, A. F. M. O que pensam as equipes diretivas escolares sobre o Atendimento Educacional Especializado (AEE). Educ. rev.[online], v. 34, 2018. Acesso em: 20 abril 2019

MAZZOTTA, M.J.S; D’ANTINO, M.E.F. Inclusão social de pessoas com deficiências e necessidades especiais: cultura, educação e lazer. Saúde e Sociedade. São Paulo, v.20, n.2, p. 377-389, 2011.

MONICO, P. A.; MORGADO, L. A. S; ORLANDO, R. M. Formação inicial de professores na perspectiva inclusiva: levantamento de produções. Psicol. Esc. Educ., Maringá, v. 22, n. esp., p. 41-48, 2018. Acesso em: 30 abr. 2019.

MOUSINHO, R; SCHMID, E; MESQUITA, F; PEREIRA, J; MENDES, L; SHOLL, R.; NÓBREGA, V. Mediação Escolar e inclusão: revisão, dicas e reflexões. Revista de Psicopedagogia, São Paulo, v. 27, n. 82, p. 02-08, 2010. Acesso em: 22 nov. 2017.

PELOSI, M. B.; NUNES, L. O. P. Caracterização dos professores itinerantes, suas ações na área de tecnologia assistiva e seu papel como agente de inclusão escolar. Revista Brasileira de Educação Especial, Marília, v.15, n.1, p. 141-154, 2009. Acesso em: 28 jul. 2018.

Publicado

09/06/2019

Como Citar

Araújo, I. M. S., Alves, L. L., Pinto, F. R. M., & Bezerra, I. M. S. (2019). Atendimento educacional especializado e o ensino regular: interlocuções docentes com vistas à inclusão. Revista on Line De Política E Gestão Educacional, 23(2), 441–452. https://doi.org/10.22633/rpge.v23i2.12651

Edição

Seção

Dossiê Temático / Thematic dossier

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)