Formação inicial de professores e grupo de estudos

Concepções de acadêmicos para uma educação inclusiva

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v27iesp.1.17931

Palavras-chave:

Formação de Professores, Grupo de estudos, Educação inclusiva, Licenciatura em Pedagogia

Resumo

O objetivo do trabalho é compreender as concepções dos acadêmicos de um curso de licenciatura em Pedagogia sobre educação inclusiva. A pesquisa colaborativa, com amparo na abordagem qualitativa, ancora-se na teoria histórico-cultural de Vigotski e envolveu 24 participantes de um grupo de pesquisa e estudos em uma universidade pública. A produção dos dados apoiou-se na análise de relatórios, dinâmicas, anotações dos participantes, das pesquisadoras e de material produzido pelos participantes denominado quadros cognitivos. As análises evidenciaram as contribuições da experiência, no sentido de reconhecer a importância das temáticas, bem como aproximações de uma perspectiva crítica que aponta limites e possibilidades. Outro indicativo do estudo reside na necessidade de possibilitar, ainda na formação inicial dos professores, a construção de práticas educacionais e ferramentas culturais para inclusão de alunos com deficiências, considerando a concepção dos próprios acadêmicos e o fortalecimento de uma cultura colaborativa, inclusiva e humanizadora.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Cristina Silva Soares, Universidade Estadual Vale do Acaraú

Professora do curso de pedagogia, Centro de Filosofia, Letras e Educação (CENFLE). Doutorado em Educação (UFC).

Romária de Menezes do Nascimento, Secretaria Municipal da Educação

Professora da Educação Básica. Mestrado em Educação (UECE).

Giovana Maria Belém Falcão, Universidade Estadual do Ceará

Professora Adjunta. Doutorado em Educação (UECE).

Referências

ALVES, C. N. O coordenador pedagógico como agente para a inclusão. In: SANTOS, M. P. S.; PAULINO, M. M. Inclusão na educação: Culturas, políticas e práticas. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

BEYER. H. O. Inclusão e avaliação na escola de alunos com necessidades educacionais especiais. 4. ed. Porto Alegre: Mediação, 2013.

BOOTH, T.; AINSCOW, M. Index para a Inclusão: Desenvolvendo a aprendizagem e a participação na escola. Tradução: Mônica Pereira dos Santos. Bristol: UNESCO (CSIE), 2012.

BOOTH, T.; AINSCOW, M. Index on inclusive: Developing learning and participation in schools. Bristol: Center For Studies on Inclusive (CSIE), 2002.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Imprensa Oficial, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 11 jul. 2018.

BRASIL. Declaração de Salamanca: Sobre Princípios, Políticas e Práticas na área das necessidades educativas especiais. Espanha, 1994. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf. Acesso em: 01 dez. 2020.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: Presidência da República, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 29 jan. 2020.

BRASIL. Resolução CNE/CP n. 1, de 15 de maio de 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em pedagogia, licenciatura. Brasília, DF: CNE, 2006. Disponível em: https://normativasconselhos.mec.gov.br/normativa/view/CNE_rcp0106.pdf?query=LICENCIATURA. Acesso em: 10 jun. 2022.

BRASIL. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília, DF: MEC; SEESP, 2008. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/politica.pdf. Acesso em: 10 ago. 2019.

CANDAU, V. M. Multiculturalismo e educação: Desafios para a prática pedagógica. In: MOREIRA, A. F.; CANDAU, V. M. (org.). Multiculturalismo e educação: Desafios para a prática pedagógica. 2. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.

CARVALHO, S. R.; MARTINS, L. M. A sociedade capitalista e a inclusão/exclusão. In: FACCI, M. G. D.; MEIRA, M. E. M.; TULESKI, S. C. (org.). A exclusão dos “incluídos”: Uma crítica da Psicologia da Educação à patologização e medicalização dos processos educativos. 2. ed. Maringá, PR: EDUEM, 2012.

DESGAGNÉ, S. O conceito de pesquisa colaborativa: A ideia de uma aproximação entre pesquisadores universitários e professores práticos. Revista Educação em Questão, Natal, v. 19, n. 15, p. 07-35, maio/ago. 2007. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/5639/563959961002.pdf. Acesso em: 05 maio 2020.

FAGUNDES, L. C. et al. Aprendizes do futuro: As inovações começaram. Coleção Informática para a mudança na Educação. Brasília, DF: MEC; SEED; ProInfo, 1999.

GOMES, R. V. B. et al. Políticas de inclusão escolar e estratégias pedagógicas no atendimento educacional especializado. Brasília, DF: MC&C, 2016.

GONZÁLEZ REY, F. L. O pensamento de Vigotsky: Contradições, desdobramentos e desenvolvimento. São Paulo: Hucitec, 2013.

IMBERNÓN, F. Formação docente e profissional: Formar-se para a mudança e a incerteza. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

EFFGEN, A. P. S.; JESUS, D. M. Formação docente e práticas pedagógicas: Conexões, possibilidades e tensões. In: MIRANDA. T. G.; FILHO, T. A. G. (org.). O professor e a educação inclusiva: Formação, práticas e lugares. Salvador, BA: EDUFBA, 2012. Disponível em: http://www.galvaofilho.net/noticias/baixar_livro.htm. Acesso em: 23 fev. 2020.

KARAGIANNIS, A.; STAINBACK, W.; STAINBACK, S. Fundamentos do Ensino Inclusivo. In: STAINBACK, S.; STAINBACK, W. Inclusão: Um guia para educadores. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999.

LIBÂNEO, J. C. Pedagogia e pedagogos: Inquietações e buscas. Educar, Curitiba, n. 17, p. 153-176, 2001. Disponível em: http://educa.fcc.org.br/pdf/er/n17/n17a12.pdf. Acesso em: 05 fev. 2022

LIBÂNEO, J. C. Pedagogia e pedagogos, para quê? 12. ed. São Paulo: Cortez, 2010.

MANTOAN, M. T. É. Inclusão escolar: O que é? por quê? como fazer? São Paulo: Moderna, 2003.

MAINARDES, J. Grupos de pesquisa em educação como objeto de estudo. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 52, e08532, 2022. Disponível em: https://www.scielo.br/j/cp/a/6cNpjBBjGGcLcQSzMwK56jg/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 09 dez. 2022.

MARQUES, E. S. A.; CARVALHO, M. V. C. Pesquisas que explicam a dimensão subjetiva da docência: Questões teórico-metodológicas em discussão. In: MARQUES, E. S. A.; ARAUJO, F. A. M.; CARVALHO, M. V. C. (org.). Produzindo dados sobre subjetividades na educação: Aspectos teórico-metodológicos da pesquisa. Teresina, PI: EDUPI, 2015.

MENINO-MENCIA, G. F. et al. Estudos Desenvolvidos Tendo como Base o Documento “Index Para a Inclusão”. Rev. bras. educ. espec., Marília, v. 25, n. 2, p. 319-336, abr. 2019. Disponível em http://educa.fcc.org.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-65382019000200319&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 01 out. 2022.

MYNAIO, M. C. S. Pesquisa social: Teoria, método e criatividade. In: MYNAIO, M. C. S. Ciência, técnica e arte: O desafio da pesquisa social. 21. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

PIMENTEL, S. C. Formação de professores para a inclusão: Saberes necessários e percursos formativos. In: MIRANDA, T. G.; GALVÃO FILHO, T. A. (org.). O professor e a educação inclusiva: Formação, práticas e lugares. Salvador, BA: EDUFBA, 2012. Disponível em: http://www.galvaofilho.net/noticias/baixar_livro.htm. Acesso em: 23 fev. 2020.

RODRIGUES, D. Educação inclusiva: mais qualidade à diversidade. In: RODRIGUES, D.; KREBS, R.; FREITAS, S. N. (org.). Educação Inclusiva e Necessidades Educacionais Especiais. Santa Maria: Editora UFSM, 2005.

SAWAIA, B. Introdução: Exclusão ou inclusão perversa? In: SAWAIA, B. (org.). As artimanhas da exclusão: Análise psicossocial e ética da desigualdade social. 2. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001.

SANTOS, G. C. S.; FALCÃO, G. M. B. Formação de professores e inclusão escolar: Uma tarefa em construção. In: SANTOS, G. C. S.; FALCÃO, G. M. B. (org.). Educação Especial Inclusiva e Formação de Professores: Contribuições teóricas e práticas. Curitiba, PR: Appris, 2020.

SILVA, E. F.; SOARES, E. R. M.; TORRES, H. R. Pesquisa colaborativa: Contribuições para a formação didática e o trabalho pedagógico do professor da educação básica. Ensino Em Re-Vista, v. 29, p. 1-23, fev. 2022. Disponível em: https://seer.ufu.br/index.php/emrevista/article/view/64661. Acesso em: 15 abr. 2022.

SILVA, J. T. Metodologia de apoio ao processo de aprendizagem via autoria de objetos de aprendizagem por alunos. 2008. Tese (Doutorado em Informática na Educação) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2008. Disponível em: lume.ufrgs.br/handle/10183/14665. Acesso em: 23 ago. 2021.

SILVA, A. P. O professor de Educação Física como agente do processo inclusivo. In: SANTOS, M. P. S.; PAULINO, M. M. (org.). Inclusão em Educação: Culturas, Políticas e Práticas. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

UVA. Universidade Estadual Vale do Acaraú. Projeto Pedagógico de Curso Licenciatura em Pedagogia. Sobral, CE: Universidade Estadual Vale do Acaraú, 2018.

VIGOTSKI, L. S. Psicologia Pedagógica. 3. ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010.

VYGOTSKI, L. S. Fundamentos de Defectologia. Moscou: Editorial Pedagógica, 1997.

WANDERLEY, M. Â. B. Refletindo sobre a noção de exclusão. In: SAWAIA, B. (org.). As artimanhas da exclusão: Análise psicossocial e ética da desigualdade social. 2. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001.

Publicado

13/05/2023

Como Citar

SOARES, A. C. S.; NASCIMENTO, R. de M. do; FALCÃO, G. M. B. Formação inicial de professores e grupo de estudos: Concepções de acadêmicos para uma educação inclusiva. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 27, n. esp.1, p. e023012, 2023. DOI: 10.22633/rpge.v27iesp.1.17931. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/17931. Acesso em: 19 jul. 2024.

Artigos Semelhantes

1 2 3 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.