Entre pontos e nós: a produção científica sobre educação especial no curso de pedagogia da UVA, Sobral/CE

Autores

  • Wildiane Gonçalves do Nascimento Universidade Estadual Vale do Acaraú
  • Railane Bento Vieira Universidade Estadual Vale do Acaraú
  • Ana Cristina Silva Soares Universidade Federal do Ceará Universidade Estadual Vale do Acaraú
  • Rejane Maria Gomes da Silva Universidade Federal de São Carlos Universidade Estadual Vale do Acaraú
  • Francisco Ricardo Miranda Pinto Universidade Estadual Vale do Acaraú Instituto Superior de Teologia Aplicada Prefeitura Municipal de Varjota

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v21.n.esp2.2017.10192

Palavras-chave:

Educação especial. Produção científica. Pedagogia.

Resumo

A temática central deste é a Educação Especial enquanto possibilidade de assegurar os direitos que velam os documentos oficiais. Tem como objetivo geral explorar a produção científica do curso de Pedagogia da Universidade Estadual Vale do Acaraú sobre a Educação Especial e a área em estudo. A literatura contemplada busca contextualizar o surgimento da Educação Especial a partir de Capellini; Mendes (2005), Rosseto; Tureck (2005); Bruno (2006), dando ênfase no contexto e nos discursos sobre a Educação Especial nos Documentos Oficiais a partir de Brasil (1994), UNESCO (1990), Brasil (1996), Brasil (2012), Brasil (2015), dentre outros. Trata-se de estudo de abordagem qualitativa, do tipo revisão de literatura integrativa realizada no Curso de Pedagogia da Universidade Estadual Vale do Acaraú – UVA tendo como lócus o Grupo de Pesquisa História e Memória Social da Educação e da Cultura (MEDUC) com a análise de dezessete artigos do acervo daquele grupo. Os resultados cruzados demonstram o quão complexo e importante se faz abordar esse tema entre profissionais da área ao passo que se concluiu que crianças com deficiência estão entre “pontos e nós”, pois mesmo com a existência das leis que lhes propiciam direitos de inclusão, ainda há exclusão velada no meio em que estão inseridas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Wildiane Gonçalves do Nascimento, Universidade Estadual Vale do Acaraú

Graduada em Pedagogia.

Railane Bento Vieira, Universidade Estadual Vale do Acaraú

Especialista em PSICOPEDAGOGIA INSTITUCIONAL, CLÍNICA E HOSPITALAR, graduada em PEDAGOGIA. Atual professora substituta do curso de PEDAGOGIA UVA. Possui experiência em coordenação escolar, educação infantil e ens. fundamental. Foi bolsista nas seguintes áreas:Projeto de pesquisa sobre pedagogia universitária (CNPQ); Projeto de pesquisa: Políticas Públicas e a "Democratização" da educação superior no governo Lula da Silva (BPI FUNCAP); Programa Educação Tutorial -PET (CAPES/MEC). Atualmente Coordenadora do Programa de Iniciação à Docência-PIBID, subprojeto Pedagogia.

Ana Cristina Silva Soares, Universidade Federal do Ceará Universidade Estadual Vale do Acaraú

Professora Adjunto I no Curso de Pedagogia da Universidade Estadual Vale do Acaraú. Doutorado em Educação (2011), Mestrado em Educação (2004) e Especialização em Psicologia Aplicada - Psicopedagogia (1998) pela Universidade Federal do Ceará - UFC. Licenciatura em Pedagogia (1990) pela Universidade Estadual do Ceará - UECE. Consultora Técnica na Organização dos Estados Iberos Americanos (OEI) para atender o Plano de Desenvolvimento da Educação no âmbito do Plano de Ações Articuladas (PAR) (2010 - 2012). Pesquisadora no Grupo de Pesquisa cadastrado no CNPq intitulado Laboratório Interdisciplinar em Saúde Coletiva, Farmácia Social e Saúde Mental Infanto-Juvenil (LISFARME)- UFC.

Rejane Maria Gomes da Silva, Universidade Federal de São Carlos Universidade Estadual Vale do Acaraú

Possui graduação em Biblioteconomia pela Universidade Federal do Ceará (1990), graduação em Curso Especial de Fomação Pedagogica - Licenciatur pela Universidade Estadual Vale do Acaraú (2008), mestrado em Mestrado Gestão pela Universidade Estadual Vale do Acaraú (2002) e doutorado em Doutorado em Ciências da Educação pela Universidade Federal de São Carlos (2013). Atualmente é professor assistente da Universidade Estadual Vale do Acaraú. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Métodos e Técnicas de Ensino, atuando principalmente nos seguintes temas: educação, gestão escolar, ensino superior, gestão democratica e pedagogia.

 

Francisco Ricardo Miranda Pinto, Universidade Estadual Vale do Acaraú Instituto Superior de Teologia Aplicada Prefeitura Municipal de Varjota

Mestre em Saúde Coletiva (UNIFOR); Especialista em Psicopedagogia (IEDUCARE); Especialista em Coordenação Pedagógica (UFC); Graduado em Letras (UNIP); Graduado em Pedagogia (UVA); Bacharelando em Enfermagem; Professor do Curso de Pedagogia da Universidade Estadual Vale do Acaraú (UVA); Professor do Curso de Pedagogia EaD do Centro Universitário INTA (UNINTA); Professor da Rede Pública Municipal de Ensino da Prefeitura Municipal de Varjota.

Referências

BAPTISTA, S. G.; CUNHA, M. B. Estudo de usuários: visão global dos métodos de coleta de dados. Perspect. ciênc. inf. [online], v.12, n.2, p.168-184, 2007

BRASIL. Declaração de Salamanca sobre princípios, políticas e práticas na área das necessidades educativas especiais. Brasília: MEC, 1994. BRASIL. Ministério da Educação.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: https://legislacao.planalto.gov.br/legisla/legislacao.nsf/viwTodos/509f2321d97cd2d203256b280052245a?OpenDocument&Highlight=1,constitui%C3%A7%C3%A3o&AutoFramed. Acesso em: 25 jul. 2017.

BRASIL. Casa Civil. Decreto nº 3.298, de 20 de Dezembro de 1999. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d3298.htm. Acesso em: 25 jul. 2017.

BRASIL. Decreto nº 3.956, de 8 de Outubro de 2001. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2001/d3956.htm. Acesso em: 25 jul. 2017.

BRASIL. Decreto nº 5.626, de 22 de Dezembro de 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm. Acesso em: 25 jul. 2017.

BRASIL. Decreto nº 6.571, de 17 de Setembro de 2008. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/decreto/d6571.htm. Acesso em: 25 jul. 2017.

BRASIL. Decreto nº 6.949, de 25 de Agosto de 2009. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/decreto/d6949.htm. Acesso em 25 jul. 2017.

BRASIL. Decreto nº 72.425, de 3 de Julho de 1973. Disponível em: http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1970-1979/decreto-72425-3-julho-1973-420888-publicacaooriginal-1-pe.html. Acesso em: 25 jul. 2017.

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente. Vade Mecum Saraiva. Ed. Saraiva, 2010.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação. LDB 4.024 de dezembro de 1961.

BRASIL. Lei nº 10.436, de 24 de Abril de 2002. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm>. Acesso em: 25 jul. 2017.

BRASIL. Lei nº 12.764, de 27 de dezembro de 2012. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12764.htm. Acesso em: 25 jul. 2017.

BRASIL. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm. Acesso em: 25 jul. 2017.

BRASIL. Lei nº 4.169, de 4 de Dezembro de 1962. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/1950-1969/L4169.htm. Acesso em: 25 jul. 2017.

BRASIL. Lei nº 5.692, de 11 de Agosto de 1971. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L5692.htm. Acesso em: 25 jul. 2017.

BRASIL. Lei nº 8.160, de 8 de Janeiro de 1991. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8160.htm. Acesso em: 25 jul. 2017.

BRASIL. LDB: Lei de diretrizes e bases da educação nacional: Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. – 13. ed. – Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Diretrizes nacionais para a educação especial na educação básica/Secretária de Educação Especial – MEC, SEESP, 2001.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução CNE/CEB 4/2010. Diário Oficial da União, Brasília, 14 de julho de 2010, Seção 1, p. 824. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb004_10.pdf. Acesso em: 25 jul. 2017.

BRUNO, M. M. G. Educação infantil: saberes e práticas da inclusão : introdução. 4. ed. Brasília: MEC, Secretaria de Educação Especial,2006.

CAPELLINI, V.L.M.F.; MENDES, E. G. Bases Históricas da Educação Especial no Brasil e a perspectiva da Educação Inclusiva. (texto produzido para a disciplina Educação Especial no Brasil) - mimeo, 2005.

CAMPOS, L. S. Avaliação e reeducação psicomotora e sócio-cognitiva de crianças de classe especial da E. E. P. G. Marechal Floriano. Anais da Mostra de T. G. I. - v. 1, n.º 1, 1º Semestre de 1999, p. 12.

CHAER, G.; DINIZ, R. R. P.; RIBEIRO, E. A. A técnica do questionário na pesquisa educacional. In: Evidência, olhares e pesquisas em saberes educacionais. v.7, n.7, p.251-266, 2011. Araxá.

ESPOTE, R.; SERRALHA, C. A.; COMIN, F. S. Inclusão de surdos: revisão integrativa da literatura científica. Psico-USF, Bragança Paulista, v. 18, n. 1, p. 77-88, jan./abr. 2013.

GERHARDT, T. E.; SILVEIRA, D. T. Métodos de pesquisa. 2009.

GUHUR, M. L. P. A Política de inclusão de pessoas com deficiência no ensino regular: demandas da globalização excludente. In: CARVALHO, E. J. G. de; FAUSTINO, R. C. Educação e Diversidade Cultural. Maringá: Eduem, 2012. p. 223-249.

MALHOTRA, N. Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. 4 ed. Porto Alegre; Booman, 2006.

MARFINATI, A. C. Um estudo histórico sobre as práticas psicanalíticas institucionais com crianças autistas no Brasil. Assis, 2012.

MENDES, E. G. Deficiência mental: a construção científica de um conceito e a realidade educacional. 3887 f. (Tese de Doutorado em Psicologia) – Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, 1995.

MENDES, K. D. S.; SILVEIRA, R. C. C. P.; GALVÃO, C. M. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na Enfermagem. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, v. 17, n. 4, p. 758-64, out-dez, 2008.

OLIVEIRA, R. Q. et al. A inclusão de pessoas com necessidades especiais no ensino superior. Rev. Bras. Ed. Esp., Marília, v. 22, n. 2, p. 299-314, abr./jun. 2016

PÓSTEL, J.; QUÉTEL, C. Historia de la psiquiatría. In J. Póstel & C.

Quétel,Nacimiento de la psiquiatría infantil (destinos de la idiocia, origen de las psicosis)(p. 507525). Cidade do México, México: Fondo de Cultura Económica. 1988.

RIBEIRO, E. A perspectiva da entrevista na investigação qualitativa. In: Evidência, olhares e pesquisas em saberes educacionais. n.4, maio de 2008. Araxá.

ROSSETTO, E.; TURECK, L. T. Z. Refletindo sobre a educação especial. 2005.Disponível em: http://cac-php.unioeste.br/projetos/gpps/midia/seminario1/trabalhos/Educacao/eixo1/76ElisabethRossetto.pdf. Acesso em: 25 fev. 2017.

RUFINO, M. B. et al. Estratégias de ensino e recurso pedagógico nas aulas de Educação Física: uma revisão integrativa. Revista Científica Fagoc Multidisciplinar. v. 1, n. 2, 2016.

UNESCO. Declaração de Salamanca: sobre princípios, políticas e práticas na área das necessidades educativas especiais, 1994 Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf. Acesso em: 10 mar. 2017.

UNESCO. Declaração Mundial sobre Educação para Todos: satisfação das necessidades básicas de aprendizagem, 1990. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0008/000862/086291por.pdf. Acesso em: 25 fev. 2017.

Downloads

Publicado

01/11/2017

Como Citar

NASCIMENTO, W. G. do; VIEIRA, R. B.; SOARES, A. C. S.; DA SILVA, R. M. G.; MIRANDA PINTO, F. R. Entre pontos e nós: a produção científica sobre educação especial no curso de pedagogia da UVA, Sobral/CE. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, p. 1208–1227, 2017. DOI: 10.22633/rpge.v21.n.esp2.2017.10192. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/10192. Acesso em: 24 jul. 2024.

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.