Curso de pedagogia a distância

Reverberações e desdobramentos para a formação inicial do professor

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v26i00.17587

Palavras-chave:

Curso de pedagogia, Profissão professor, Educação a distância, Discursos de democratização, Precarização

Resumo

Organizado como um ensaio, este artigo tem como objetivo analisar implicações da educação a distância (EaD) na formação de pedagogos, tendo como referência as políticas oficiais. Se situa na linha de pesquisa “Políticas Curriculares para a formação de professores: Educação Superior e Cursos de Licenciatura”. A discussão se desenvolve fundamentada na perspectiva dialética-histórica, contextualizada e situada, entendendo que as contradições se explicitam no movimento histórico. O estudo de natureza bibliográfica tem como principais objetos de análise as concepções, teorias e normativas que na atualidade regulam os cursos de Pedagogia propostos na modalidade a distância. A análise desse material evidencia o jogo das forças que atuam no tecido social que está condicionado pelos contextos econômico, social, cultural e político. Além disso, mostra que o discurso de democratização do acesso ao ensino superior tem fortalecido as políticas públicas alinhadas à educação a distância sem que ocorra, no entanto, o debate das contradições e das suas implicações para a qualidade da formação dos professores e da educação. Assim, este texto debate as reverberações e desdobramentos da formação inicial do pedagogo/professor a distância, com o intuito de desmistificar a ideia de que essa modalidade promove a democratização do ensino superior para as camadas populares tendo em vista seu processo laboral.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Yuna Lélis Beleza Lopes, Universidade de São Paulo (USP), Ribeirão Preto – SP – Brasil

Doutoranda, Programa de Pós-Graduação em Educação/Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto.

Noeli Prestes Padilha Rivas, Universidade de São Paulo (USP), Ribeirão Preto – SP – Brasil

Professora Associada, Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto/Departamento de Educação, Informação e Comunicação.

Cristina Cinto Araújo Pedroso, Universidade de São Paulo (USP), Ribeirão Preto – SP – Brasil

Professora Doutora, Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto/Departamento de Educação, Informação e Comunicação.

Referências

ALONSO, K. M. Algumas considerações sobre a educação a distância, aprendizagens e a gestão de sistemas não-presenciais de ensino. In: PRETI, O. (org.). Educação a distância: ressignificando práticas. Brasília, DF: Liber Livro, 2005. p. 17-38.

AMORIM, E. V. Formação de pedagogos na educação a distância no Brasil – período de 1990-2018: uma análise contra-hegemônica a partir da Pedagogia Histórico-Crítica. 2021. Dissertação (Mestrado em Ciências, Tecnologia, Linguagens e Cultura) - Universidade Estadual do Estado do Paraná, Foz do Iguaçu, 2021.

ASSOCIAÇÃO DE DOCENTES DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Considerações sobre o ensino a distância. Informativo ADUSP, São Paulo, n. 304, p. 1-4, abr. 2010. Disponível em: https://adusp.org.br/index.php/ead/1697-consideracoes-sobre-ensino-a-distancia. Encarte especial. Acesso em: 7 jul. 2020.

BALL, S. Sociologia das políticas educacionais e pesquisa crítico-social: uma revisão pessoal das políticas educacionais e da pesquisa em política educacional. Currículo sem fronteiras, v. 6, n. 2, p. 10-32. 2006. Disponível em: http://www.curriculosemfronteiras.org/vol6iss2articles/ball.pdf. Acesso em: 10 jul. 2020.

BARRETO, R. G. A formação de professores a distância como estratégia de expansão do Esnino Superior. Educação & Sociedade, Campinas, v. 31, n. 113, p. 1299-1318, out./dez. 2010. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/V8RtQrhtzydP3L4PnPXdCRz/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 10 dez. 2021.

BARRETO, R. G. As tecnologias na política nacional de formação de professores a distância: entre a expansão e a redução. Educação & Sociedade, Campinas, v. 29, n. 104, p. 919-937, out. 2008. Número especial. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/xnPDLbymtWR9q3TjTkzqfwx/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 23 out. 2021.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: Presidência da República, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 20 jul. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Conselho Pleno. Resolução CNE/CP n. 2, de 1 de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Brasília, DF: MEC, CNE, 2015b. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/agosto-2017-pdf/70431-res-cne-cp-002-03072015-pdf/file. Acesso em: 20 jul. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Decreto n. 9.057, de 25 de maio de 2017. Regulamenta o art. 80 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: MEC, CNE, 2017b. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2017/Decreto/D9057.htm. Acesso em: 10 maio 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Portaria n. 1.428, de 28 de dezembro de 2018. Dispõe sobre a oferta, por Instituições de Educação Superior – IES, de disciplinas na modalidade a distância em cursos de graduação presencial. Brasília, DF: MEC, CNE, 2018. Disponível em: https://www.in.gov.br/materia/-/asset_publisher/Kujrw0TZC2Mb/content/id/57496468/do1-2018-12-31-portaria-n-1-428-de-28-de-dezembro-de-2018-57496251. Acesso em: 13 jun. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Portaria n. 2.117, de 6 de dezembro de 2019. Dispõe sobre a oferta de carga horária na modalidade de Ensino a Distância – EAD em cursos de graduação presenciais ofertados por Instituições de Educação superior – IES pertencentes ao Sistema Federal de Ensino. Brasília, DF: MEC, CNE, 2019a. Disponível em: https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-n-2.117-de-6-de-dezembro-de-2019-232670913. Acesso em: 13 jun. 2020.

CARDOSO, A. L. T.; PEREIRA, J. B. O Tutor e a atividade de tutoria na Educação a Distância. In: COSTA, M. L. F.; ZANATTA, R. M. Educação a distância no Brasil: aspectos históricos, legais, políticos e metodológicos. 3. ed. Maringá: Eduem, 2014. p. 67-84.

CARDOSO, N. S.; FARIAS, I. M. S. Qual o conceito de docência? Entre resistências e investigações. Formação em Movimento, Seropédica, v. 2, n. 4, p. 395-415, jul./dez. 2020. Disponível em: http://costalima.ufrrj.br/index.php/FORMOV/article/view/612/898. Acesso em: 13 abr. 2021.

CHAUÍ, M. S. Ideologia e educação. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 42, n. 1, p. 245-257, jan./mar. 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ep/a/Hkd5kq8TC4k7bgfGBY7PNds/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 23 ago. 2019.

COSTA, M. L. F.; ZANATTA, R. M. A gestão democrática para cursos superiores a distância. In: COSTA, M. L. F.; ZANATTA, R. M. (org.). Educação a distância no Brasil: aspectos históricos, legais, políticos e metodológicos. 3. ed. Maringá: Eduem, 2014. p. 99-109.

CRUZ, G. B. Curso de Pedagogia no Brasil: história e formação com pedagogos primordiais. Rio de Janeiro: Wak Editora, 2011.

DECKER, A. A formação docente no projeto político do Banco Mundial (2000-2014). In: EVANGELISTA, O.; SEKI, A. K. (org.). Formação de professores no Brasil: leituras a contrapelo. Araraquara: Junqueira & Marin, 2017. p. 85-116.

DEMO, P. Pesquisa: princípio científico e educativo. 12. ed. São Paulo: Cortez, 2006, 128p.

DE ROSSI, V. L. S. Mudança com máscaras de inovação. Educação e Sociedade, Campinas, v. 26, n. 92, p. 935-957, 2005. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v26n92/v26n92a11.pdf. Acesso em: 4 jan. 2022.

DOMINGUES, I.; BELLETATI, V. C. F. O ensino de didática e metodologias específicas: caminhos inovadores na formação de professores polivalentes em Cursos de Pedagogia no Estado de São Paulo. In: PEDROSO, C. C. A. et al. (org.). Cursos de Pedagogia: inovações na formação de professores polivalentes. São Paulo: Cortez, 2019. p. 112-154.

DOURADO, L. F. Políticas e gestão da educação superior a distância: novos marcos regulatórios? Educação & Sociedade, Campinas, v. 29, n. 104, p. 891-917. 2008. Número especial. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/XjRnGPhw6sBR9W5BXw9wSrt/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 26 jun. 2021.

EVANGELISTA, O. Qualidade da educação pública: estado e organismos multilaterais. In: LIBÂNEO, J. C.; SUANNO, M. V. R.; LIMONTA, S. V. (org.). Qualidade da escola pública: políticas educacionais, didática e formação de professores. Goiânia: CEPED, 2013. p. 13-45.

EVANGELISTA, O.; SEKI, A. K. Apresentação. In: EVANGELISTA, O.; SEKI, A. K. (org.). Formação de professores no Brasil: leituras a contrapelo. Araraquara: Junqueira & Marin, 2017. p. 11-15.

EVANGELISTA, O.; SEKI, A. K.; SOUZA, A. G. Vitória da EaD ou do capital? In: EVANGELISTA, O. et al. Desventuras dos professores na formação para o capital. Campinas: Mercado de Letras, 2019. p. 147-188.

EVANGELISTA, O.; TRICHES, J. Reconversão, alargamento do trabalho docente e curso de Pedagogia no Brasil. In: JORNADA INTERNACIONAL DE POLÍTICAS PÚBLICAS, 4., 2009, São Luís. Anais [...]. São Luís: UFMA, 2009. p. 1-8. Disponível em: http://www.joinpp.ufma.br/jornadas/joinppIV/eixos/11_educacao/reconversao-alargamento-do-trabalho-docente-e-curso-de-pedagogia-no-brasil.pdf. Acesso em: 21 nov. 2021.

FÉTIZON, B. A. M.; MINTO, C. A. Ensino a distância: equívo¬cos, legislação e defesa da formação presencial. Universidade & Sociedade, Brasília, DF, n. 39, p. 93-105. 2007. Disponível em: https://acaoeducativa.org.br/wp-content/uploads/2018/11/Artigo_EAD_cesar_minto.pdf. Acesso em 10 abr. 2021.

FREITAS, H. C. L. A (nova) política de formação de professores: a prioridade postergada. Educação e Sociedade, Campinas, v. 28, n. 100, p. 1203-1230, out. 2007. Número especial. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/tYqzhTX8hPZ65g5z3zvSwWG/?lang=pt&format=pdf. Acesso em: 13 out. 2021.

GIOLO, J. A educação a distância e a formação de professores. Educação & Sociedade, Campinas, v. 29, n. 105, p. 1211-1234, set./dez. 2008. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/yQbgDvpr5BmJPwJRqfdvDQb/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 13 out. 2020.

HARDAGH, C. C.; CAMAS, N. P. V. (De) formando o educador: uma discussão teórica acerca do professor e tutor na EaD. Laplage em Revista, São Carlos, v. 3, n. 2, p. 1-17, 2017. Dossiê Temático. Disponível em: https://www.redalyc.org/comocitar.oa?id=552756522009. Acesso em: 23 fev. 2020.

HELENE, O. Ensino à distância não é uma solução, e sim outro problema a ser superado. Correio da Cidadania, São Caetano do Sul, maio 2012. Disponível em: https://www.correiocidadania.com.br/social/7163-22-05-2012-ensino-a-distancia-nao-e-uma-solucao-e-sim-outro-problema-a-ser-superado. Acesso em: 13 out. 2020.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA. Sinopse estatística da educação superior 2020. Brasília, DF: INEP, 2022. Disponível em: https://www.gov.br/inep/pt-br/areas-de-atuacao/pesquisas-estatisticas-e-indicadores/censo-da-educacao-superior/resultados. Acesso em: 3 mar. 2022.

MALANCHEN, J. Políticas de formação de professores a distância no Brasil: uma análise crítica. Campinas: Autores Associados, 2015. 235 p.

MALANCHEN, J. Oportunismo do capital e a precarização da educação pública via EaD: análise a partir da pedagogia histórico-crítica. Revista Pedagogia Cotidiano Ressignificado, São Luís, v. 1, n. 4, 2020. Disponível em: https://rpcr.com.br/index.php/revista_rpcr/article/view/1. Acesso em: 10 fev. 2022.

MALANCHEN, J.; DUARTE, R. C. Políticas públicas para formação de professores no Brasil: formação ou conformação ao ideário do capital? Momento: diálogos em educação, Rio Grande, v. 27, n. 2, p. 15-34, maio/ago. 2018. Disponível em: https://periodicos.furg.br/momento/article/view/8068/5339. Acesso em: 17 nov. 2021.

MANDELI, A. S. EaD e UAB: a consolidação da Fábrica de Professores em nível superior. In: EVANGELISTA, O.; SEKI, A. K. (org.). Formação de professores no Brasil: leituras a contrapelo. Araraquara: Junqueira & Marin, 2017. p. 197-232.

MENDES, V. A expansão do ensino a distância no Brasil: democratização do acesso? In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE POLÍTICA E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO, 25.; CONGRESSO IBERO-AMERICANO DE POLÍTICA E ADMINSITRAÇÃO DA EDUCAÇÃO, 2., 2011, São Paulo. Anais [...]. São Paulo: ANPAE, 2011. p. 1-11. Disponível em: https://anpae.org.br/simposio2011/cdrom2011/PDFs/trabalhosCompletos/comunicacoesRelatos/0526.pdf. Acesso em: 31 jul. 2021.

MOLINA, M. C. Análises práticas contra-hegemônicas na formação de educadores: reflexões a partir do curso de licenciatura em Educação do Campo. In: CUNHA, C.; SOUSA, J. V.; SILVA, M. A. (org.). O método dialético na pesquisa em educação. Campinas: Autores Associados, 2014. p. 263-290.

NEDER, M. L. C. A educação a distância e a formação de professores: possibilidades de mudança paradigmática. In: PRETI, O. (org.). Educação a distância: sobre discursos e práticas. 2. ed. Brasília: Liber Livro, 2012. p. 47-87.

NEDER, M. L. C. O processo de comunicação na educação a distância: o texto como elemento de mediação entre os sujeitos da ação educativa. In: PRETI, O. (org.). Educação a distância: ressignificando práticas. Brasília, DF: Liber Livro, 2005. p. 181-205.

NOVAES, H. T.; OKUMURA, J. H. Introdução à política educacional em tempos de barbárie. Marília: Oficina Universitária, 2021. 240 p.

NÓVOA, A.; ALVIM, Y. C. Escolas e Professores: Proteger, Transformar, Valorizar. Salvador, Bahia: SEC/IAT, 2022. 116 p.

PEDROSO, C. C. A. et al. Cursos de Pedagogia: indícios de inovação na formação de professores polivalentes. In: PEDROSO, C. C. A. et al. (org.). Cursos de Pedagogia: inovações na formação de professores polivalentes. São Paulo: Cortez, 2019. p. 24-60.

PEDROSO, C. C. A.; PINTO, U. A. Ações integradoras e de pesquisa na formação inicial do professor polivalente: experiências inovadoras em cursos de Pedagogia no Estado de São Paulo. In: PEDROSO, C. C. A. et al. (org.). Cursos de Pedagogia: inovações na formação de professores polivalentes. São Paulo: Cortez, 2019. p. 155-196.

PESCE, L. Educação a distância e formação de educadores: a contribuição dos desenhos didáticos dialógicos. In: REUNIÃO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO/ANPED, 30., 2007, Caxambu. Anais [...]. Caxambu: Anped, 2007. Disponível em: https://www.anped.org.br/sites/default/files/gt16-2781-int.pdf. Acesso em: 17 dez. 2020.

PRETI, O. Educação a distância: fundamentos e políticas. 2. ed. rev. Cuiabá: EdUFMT, 2011. 176 p.

RIOS, T. A. É possível formar professores sem a didática? In: CAVALCANTE, M. M. D. et al. (org.). Didática e Prática de Ensino: diálogos sobre a Escola, a Formação de Professores e a Sociedade. Fortaleza: EdUECE, v. 4, 2015. p. 643-653.

SALATA, A. Ensino superior no Brasil das últimas décadas: redução nas desigualdades de acesso? Tempo Social, revista de Sociologia da USP, São Paulo, v. 30, n. 2, p. 219-253, maio/ago. 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ts/a/WJjnYYS6fDhpDgMFVzqbP7L/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 27 out. 2020.

SANTOS, C. A. Educação superior a distância no Brasil: democratização da oferta ou expansão do mercado. RBPAE, Brasília, DF, v. 34, n. 1, p. 137-188, jan./abr. 2018. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/rbpae/article/view/82470. Acesso em: 19 abr. 2020.

SANTOS, J. B.; BATISTA, M. D. M. B.; SANTOS J. S. A pandemia e as “atividades não presenciais”: estratégia de inserção da EaD enquanto privilégio de classe e raça. In: UCHOA, A. M. C.; SENA, I. P. F. S.; GONÇALVES, M. E. S. (org.). Diálogos críticos - Volume 3 - EaD, atividades remotas e o ensino doméstico: cadê a escola? Porto Alegre: Editora Fi, 2020. p. 124-155. Disponível em: https://www.editorafi.org/013dialogos. Acesso em: 27 ago. 2021.

SCALCON, S. Da reconversão do professor à ressignificação da educação. In: SEMINÁRIO NACIONAL ESTADO E POLÍTICAS SOCIAIS, 5., 2011, Cascavel. Anais [...]. Cascavel: Unioeste, 2011. p. 1-15. Disponível em: https://gepeto.ced.ufsc.br/files/2015/04/da-reconvers%C3%A3o.pdf. Acesso em: 21 nov. 2021.

SHIROMA, E. O. et al. Tragédia docente e suas faces. In: EVANGELISTA, O.; SEKI, A. K. (org.). Formação de professores no Brasil: leituras a contrapelo. Araraquara: Junqueira & Marin, 2017. p. 17-58.

SHIROMA, E. O.; CAMPOS, R. F.; GARCIA, R. M. C. Decifrar textos para compreender a política: subsídios teórico-metodológicos para análise de documentos. Perspectiva, Florianópolis, v. 23, n. 2, p. 427-446, jul./dez. 2005. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/view/9769/8999. Acesso em: 23 out. 2021.

SOUZA, A. G. Quem formava e quem forma o professor no Brasil? Estudo sobre as inflexões nas matrículas de licenciatura (2003-2015). Documento de Conferência. 2017. 16 p. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/325426658_Quem_formava_e_quem_forma_o_professor_no_Brasil_Estudo_sobre_as_inflexoes_nas_matriculas_de_licenciatura_2003-2015. Acesso em: 19 ago. 2020.

VEIGA, I. P. A. Organização didática da aula: um projeto colaborativo de ação imediata. In: VEIGA, I. P. A. (org.). Aula: gênese, dimensões, princípios e práticas. Campinas: Papirus, 2008. p. 267-298.

ZANARDINI, J. Posfácio. In: EVANGELISTA, O. et al. Desventuras dos professores na formação para o capital. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2019. p. 217-220.

ZUIN, A. A. S. Educação a distância ou educação distante? O programa Universidade Aberta do Basil, o tutor e o professor virtual. Educação e Sociedade, v. 27, n. esp. 96, p. 935-954, out. 2006. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-73302006000300014

Publicado

24/12/2022

Como Citar

LOPES, Y. L. B.; RIVAS, N. P. P.; PEDROSO, C. C. A. Curso de pedagogia a distância: Reverberações e desdobramentos para a formação inicial do professor. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 26, n. 00, p. e022156, 2022. DOI: 10.22633/rpge.v26i00.17587. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/17587. Acesso em: 29 jan. 2023.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)