Metodologia do serviço do atendimento educacional especializado em uma perspectiva inclusiva na escola regular

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.unesp.v22.nesp2.dez.2018.11916

Palavras-chave:

Atendimento educacional especializado. Metodologia. Ensino regular. Inclusão.

Resumo

O presente artigo tem por objetivo dialogar sobre a educação especial em uma perspectiva inclusiva, com enfoque na metodologia do serviço de atendimento educacional especializado (AEE) em escola de ensino regular. Esta pesquisa ação crítico colaborativa, cujo objetivo é investigar cooperativamente metodologias do serviço e do ensino, procurando compreendê-los. O projeto é aplicado e desenvolvido por quatorze profissionais que atuam no AEE das escolas de Ensino Fundamental de Dourados/MS, sendo oito municipais, quatro estaduais e dois de universidade, que oferecem serviço especializado.  A pesquisa está em processo de aplicação e seus resultados são parciais. Existem muitas confusões e controvérsias sobre o “como” realizar o serviço do AEE dentro da escola comum em uma perspectiva inclusiva. Apresentamos aqui questões importantes incitadas pela primeira etapa da pesquisa envolvendo a metodologia do serviço e os equívocos sobre o AEE, a SRM e a Educação Especial.

Biografia do Autor

Mirlene Ferreira Macedo Damázio, Universidade Federal da Grande Dourados – (UFGD), Unidade II

Graduação em Pedagogia pela Universidade Federal de Uberlândia (1992), mestrado em Educação pela Universidade Federal de Uberlândia (1997), mestrado em Educação para a Diversidade Humana pela Universidade de Salamanca (1997) e doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas - Unicamp (2005). Atualmente é professora Adjunto da Universidade Federal da Grande Dourados - Faculdade de Educação - FAED. Chefe do Núcleo Multidisciplinar para Inclusão e Acessibilidade da Reitoria/UFGD. Gestora na UFGD do Observatório Internacional, Inclusão, Interculturalidade e Inovação Pedagógica - OIIIIPe no Esnino Superior por meio do Acordo de Cooperação entre a UFRJ/UFGD, mais 18 universidade, sendo 5 internacionais. Coordenadora do Curso de Especialização em Educação Especial FAED/UFGD; Atuou por 17 como professora na UNITRI e UNIUBE. 

Referências

BRASIL. Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva. Brasília: MEC; SEESP, 2011. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=16690-politica-nacional-de-educacao-especial-na-perspectiva-da-educacao-inclusiva. Acesso em: 5 de out. 2017.

BRASIL. Decreto nº 7.611, de 17 de novembro de 2011, Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providencias, Brasília.

BRASIL. Lei n.º 13.146, de 6 de julho de 2015. Dispõe sobre a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13146.htm. Acesso em: 5 out. 2017.

BRONFENBRENNER, U. A ecologia do desenvolvimento humano: experimentos naturais e planejados. Porto Alegre: Artes Médicas, 1979.

CARLETTO, A.; CAMBIAGHI, S. S. Desenho universal: um conceito para todos. Prefeitura da Cidade de São Paulo/Seped/CPA. Disponível em: maragabrilli.com.br/wp-content/uploads/2016/01/universal_web-1.pdf. Acesso em: 5 out. 2017.

DAMÁZIO, M. F. M.; ALVES, C. B. Atendimento educacional especializado do aluno com surdez. São Paulo: Moderna, 2010.

FRANCO, M. A. R. S. A Pedagogia da pesquisa ação. Anais... Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino, 12, 2005, Curitiba. Curitiba: Endipe, 2005.

NUNES, C.; MADUREIRA, I. Desenho universal para a aprendizagem: construindo práticas pedagógicas inclusivas. Revista Educación y Pedagogía, Universidad de Lisboa, v. 22, n. 57, p. 93-109, mayo-ago. 2010. Disponível em: https://ojs.eselx.ipl.pt/index.php/invep/article/view/84/html. Acesso em: 5 out. 2017.

Downloads

Publicado

01/12/2018

Como Citar

DAMÁZIO, M. F. M. Metodologia do serviço do atendimento educacional especializado em uma perspectiva inclusiva na escola regular. Revista on line de Política e Gestão Educacional, [S. l.], v. 22, n. 2, p. 840–855, 2018. DOI: 10.22633/rpge.unesp.v22.nesp2.dez.2018.11916. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/11916. Acesso em: 8 mar. 2021.

Edição

Seção

Artigos