BNCC, Currículo da Educação Infantil e Inclusão em Mossoró-RN

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v26iesp.4.17124

Palavras-chave:

Infância, BNCC, Ensino, Currículo, Inclusão

Resumo

Em tempos de BNCC, convém promover discussão das orientações que permeiam o currículo da Educação Infantil, destacando as ações de inclusão. Neste artigo, o objetivo é compreender como o currículo da Educação Infantil, considerando as obrigatoriedades da BNCC, contempla ações de inclusão, em Mossoró-RN. Nessa busca, realizamos um estudo exploratório, em fontes bibliográficas e documentais, destacando a inclusão no currículo da Educação Infantil em Mossoró-RN. Foram pontuadas informações em documentos que tratam do currículo no contexto nacional e local,e em dissertações que integram o projeto de fluxo contínuo “As Infâncias Potiguares e suas diferenças: ensino, formação e práticas curriculares”, além de artigos de periódicos e capítulos de livros da área em foco. Nesse percurso, buscou-se compreender a audácia e imposição nos documentos, mas especificamente na BNCC que não orienta, de modo preciso, a inclusão na infância. Sendo assim, dada a importância desse foco, pautamos as inferências dos educadores e negociação coletiva em contextos locais, visando amenizar prejuízos em tempos e espaços curriculares, por meio da resistência, debates formativos e negociações, professores reelaboram ideias e fortalecem o currículo da infância. Assim, positivamente impactam a elaboração curricular e políticas educacionais no contexto local.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francisca Maria Gomes Cabral Soares, Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), Mossoró – RN – Brasil

Professora do Departamento de Educação. DoutoraDO em Educação.

Ana Paula Dantas, Secretaria do Estado do Rio Grande do Norte (SEEC), Mossoró – RN – Brasil

Professora da Educação Básica. Mestra em Educação/Egressa do Programa de Pós-graduação em Educação (POSEDUC).

Luíza Maria de Holanda Dantas, Secretaria do Município da Serra do Mel, Serra do Mel – RN – Brasil

Professora da Educação Básica. Mestra em Educação/Egressa do Programa de Pós-graduação em Educação (POSEDUC).

Referências

ALBUQUERQUE, S. S.; FELIPE, J.; VELLINHO, L. C. (org.). Para pensar a docência na educação infantil. Porto Alegre: Editora Evangraf, 2019.

ANTUNES, C. Educação infantil: Prioridade imprescindível. Rio de janeiro: Vozes, 2004.

ARIÈS, P. História social da criança e da família. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1981.

BRASIL, Lei n. 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Brasília, DF: Presidência da República, 2015. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm. Acesso em: 10 jun. 2021.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, DF: MEC, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 10 jun. 2021.

DAHLBERG, G.; MOSS, P.; PENCE, A. Qualidade na educação da primeira infância: Perspectiva pós-modernas. Tradução: Magda França Lopes. Porto Alegre: ArtMed, 2003.

DOOL, W. Currículo: Uma perspectiva pós-moderna. Porto Alegre: ArtMed, 1997.

ELIAS, C. G.; JACOBY, N. Dificuldade de Aprendizagem: Percepções dos Professores do Ensino Fundamental I da Escola Municipal de Educação Básica Figueira. 2015. Disponível em: https://psicologado.com.br/atuacao/psicologia-escolar/dificuldade-de-aprendizagem-percepcoes-dos-professores-do-ensino-fundamental-i-da-escola-municipal-de-educacao-basica-figueira. Acesso em: 23 nov. 2010.

FREIRE, S. Um olhar sobre a inclusão. Revista da Educação, v. 16, n. 1, p. 5-20, 2008. Disponível em: https://core.ac.uk/download/pdf/12424785.pdf. Acesso em: 10 jun. 2021.

KRAMER, S. A política do pré-escolar no Brasil: A arte do disfarce. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2003.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. Pesquisa em Educação: Abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MINAYO, M. C. S. (org.). Pesquisa Social: Teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

MOSSORÓ. Lei n. 2717, de 27 de dezembro de 2010. Institui a política de responsabilidade educacional no município de Mossoró e dá outras providências. Mossoró, RN: Prefeita Municipal, 2010. Disponível em: https://leismunicipais.com.br/a/rn/m/mossoro/lei-ordinaria/2010/271/2717/lei-ordinaria-n-2717-2010-institui-a-politica-de-responsabilidade-educacional-no-municipio-de-mossoro-e-da-outras-providencias. Acesso em: 21 out. 2020.

MOSSORÓ. Resolução n. 01/2017 – CME, de 16 de março de 2017. Aprova a Proposta Curricular da Educação Infantil para Rede Municipal de Ensino do Município de Mossoró. Mossoró, RN: Secretaria Municipal de Educação, Cultura, Esporte e Lazer, 2017. Disponível em: https://www.prefeiturademossoro.com.br/jom/jom404.pdf. Acesso em: 10 jun. 2021.

RIO GRANDE DO NORTE. Secretaria da Educação e da Cultura. Documento curricular do Estado do Rio Grande do Norte: Educação infantil. Natal: Offset Editora, 2018. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/1Lkpv1uP67GPWtIGJkFiqpCFdce5phHQz/view. Acesso em: 24 mar. 2021.

ROLDÃO, M. C. Função docente: natureza e construção do conhecimento profissional. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 12, n. 34, p. 94-181, jan. 2007. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbedu/v12n34/a08v1234.pdf. Acesso em: 13 mar. 2020.

SANTOS, J. C. F. Aprendizagem Significativa: Modalidades de aprendizagem e o papel do professor. Porto Alegre: Mediação, 2008.

TARDIF, M. Saberes docentes e formação profissional. 13. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: A pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

VEIGA, I. P. A. A Prática pedagógica do professor de Didática. 2. ed. Campinas: Papirus, 1992.

VIANNA, E. M. Pesquisa em educação: A observação. Brasília, DF: Plano, 2003.

Publicado

01/09/2022

Como Citar

SOARES, F. M. G. C.; DANTAS, A. P.; DANTAS, L. M. de H. BNCC, Currículo da Educação Infantil e Inclusão em Mossoró-RN. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 26, n. esp.4, p. e022110, 2022. DOI: 10.22633/rpge.v26iesp.4.17124. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/17124. Acesso em: 28 maio. 2024.