As questões de gênero nas aulas de Educação Física, a formação de professores e a Pedagogia Histórico-Crítica

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v27iesp.1.17923

Palavras-chave:

Educação, Educação Física, Gênero, Formação de Professores, Pedagogia Histórico Crítica

Resumo

As políticas públicas neoliberais são nefastas para a educação. Na atualidade, a Base Nacional de Formação de Professores (BRASIL, 2019) e a Base Nacional Comum Curricular (BRASIL, 2017) são propostas de forma alinhada, na tentativa de precarizar ainda mais a formação dos alunos das escolas públicas. Com uma formação técnico-instrumental, superficial e aligeirada, tanto na Educação Básica, quanto nos cursos de formação de professores, em nível superior, visa atender aos ditames do mercado. Neste ensaio, objetiva-se compreender as questões de gênero em aulas de Educação Física, analisando as falas de professores (as) de uma rede municipal de ensino, do Estado de São Paulo, neste momento histórico, tendo a Pedagogia Histórico-Crítica como aporte e contraponto. Do senso comum à consciência filosófica, para a superação das políticas neoliberais agressivas e destrutivas para sociedade brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jaqueline Cristina Freire Siqueira, Secretaria de Educação de Mogi Guaçu

Docente da rede pública. Mestrado em Educação Física (UNESP).

Luciene Ferreira da Silva, Universidade Estadual Paulista

Docente do Departamento de Educação (FC/UNESP). Líder do GEPLEJ/UNESP/CNPq – Grupo de Estudos e Pesquisas em Lazer, Educação e Jogo. Doutorado em Educação Física (FEE/UNICAMP).

Referências

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Senado Federal, 1988. Disponível em: HTTPS://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/518231/CF88_Livro_EC91_2016.pdf.Acesso em: 14 junho 2021.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília, DF: Presidência da República, 1996. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 12 ago. 2022.

BRASIL. Lei n. 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, 2014. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm. Acesso em: 12 jun. 2022.

BRASIL. Resolução CNE/CP n. 2, de 01 de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Brasília, DF: MEC, 2015. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=136731-rcp002-15-1&category_slug=dezembro-2019-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 20 fev. 2021.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, DF: Ministério da Educação, 2017. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 12 out. 2021.

BRASIL. Resolução CNE n. 2, de 20 de dezembro de 2019. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Brasília, DF: MEC, 2019. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/dezembro-2019-pdf/135951-rcp002-19/file. Acesso em: 02 fev. 2021.

BOURDIEU, P. A dominação masculina: A condição feminina e a violência simbólica. 15. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2019.

DOURADO, L. F. A formação de professores e a base comum nacional 1: Questões e proposições para o debate. Revista Brasileira de Política e Administração da Educação - ANPAE, v. 29, n. 2, nov. 2013. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/rbpae/article/view/43529. Acesso em: 16 out. 2021.

DOURADO, L. F. Formação de profissionais do magistério da educação básica: Novas diretrizes e perspectivas. Comunicação & Educação, v. 21, n. 1, p. 27-39, 2016. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/comueduc/article/view/110712. Acesso em: 18 out. 2021.

DOURADO, L. F. A institucionalização do sistema nacional de educação e o plano nacional de educação: proposições e disputas. Educação e Sociedade, Campinas, v. 39, n. 143, p. 477-498, abr./jun. 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/j/es/a/n79MddNCdCz4PYQ5G7TX5nc/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 14 jun. 2022.

DAOLIO, J. Cultura, educação física e futebol. 4. ed. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2014.

DA SILVA SACCOMANI, M. C.; COUTINHO, L. C. S. Da formação inicial de professores à formação continuada: Contribuições da pedagogia histórico-crítica na busca de uma formação emancipadora. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, v. 7, n. 1, p. 233–242, 2014. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/revistagerminal/article/view/12433. Acesso em: 17 out. 2021.

FREITAS, L. C. A reforma empresarial da educação: Nova direita, velhas ideias. São Paulo: Expressão Popular, 2018.

FURLANI, J. Educação sexual: possibilidades didáticas. In: LOURO, G. L; FELIPE, J.; GOELLNER, S. V. (org.). Corpo, Gênero e Sexualidade: Um debate contemporâneo na educação. 9. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

GADOTTI, M. Concepção dialética da Educação: Um estudo introdutório. 16. ed. São Paulo: Cortez, 2012.

GOELLNER, S. V. A produção cultural do corpo. In: LOURO, G. L.; FELIPE, J.; GOELLNER, S. V. (org.). Corpo, gênero e sexualidade: Um debate contemporâneo na educação. 9. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação: Uma perspectiva pósestruturalista. 6. ed. Petrópolis, RJ: Editora Vozes, 2003.

LUCKESI, C. C. Filosofia da educação. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

LUDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: Abordagens qualitativas. 8. ed. São Paulo: E.P.U, 2004.

MIRANDA, T. L.; SCHIMANSKI, E. Relações de gênero: Algumas considerações conceituais. In: FERREIRA, A. J. (org.). Relações étnico-raciais, de gênero e sexualidade: Perspectivas contemporâneas. Ponta Grossa, PR: Editora UEPG, 2014. Disponível em: http://books.scielo.org/id/btydh/pdf/ferreira9788577982103-05.pdf. Acesso em: 08 out. 2021.

MISKOLCI, R.; CAMPANA, M. “Ideologia de gênero”: Notas para a genealogia de um pânico moral contemporâneo. Sociedade e Estado, Brasília. v. 32, n. 3, p. 725-747, set./dez. 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/se/v32n3/0102-6992-se-32- 03-725.pdf. Acesso em: 02 out. 2021.

NICOLINO, A. S.; SILVA, A. M. Corpo e gênero na percepção de educadoras/es. In: DORNELLES, P. G.; WENETZ, I.; SCHWENGBER, M. S. V. (org.). Educação Física e Gênero: Desafios educacionais. Ijuí, RS: Editora Unijuí, 2013.

PRADO, V. M.; ALTMANN, H.; RIBEIRO, A. I. M. Condutas naturalizadas na educação física: uma questão de gênero. Currículo sem Fronteiras, v. 16, n. 1, p. 59-77, jan./abr. 2016. Disponível em: http://www.curriculosemfronteiras.org/vol16iss1articles/prado-altmann-ribeiro.pdf. Acesso em: 10 out. 2021.

SAVIANI, D. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 10. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2008.

SAVIANI, D. Pedagogia histórico: crítica, quadragésimo ano: novas aproximações. Campinas, SP: Autores Associados, 2019.

TRIVIÑOS, A. N. S. Dialética e pesquisa em Ciências Sociais. In: NETO, V. M.; TRIVIÑOS, A. N. S. (org.). A pesquisa qualitativa em educação física: Alternativas metodológicas. Porto Alegre: Sulina, 2010.

VIANNA, C. Políticas de Educação, gênero e diversidade sexual: Breve história de lutas, danos e resistências. Belo Horizonte: Autêntica, 2018.

Publicado

13/05/2023

Como Citar

SIQUEIRA, J. C. F.; SILVA, L. F. da. As questões de gênero nas aulas de Educação Física, a formação de professores e a Pedagogia Histórico-Crítica. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 27, n. esp.1, p. e023015, 2023. DOI: 10.22633/rpge.v27iesp.1.17923. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/17923. Acesso em: 18 jun. 2024.

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.