Reflexões sobre a docência intercultural e inclusiva à luz das epistemologias de Freire e Maturana

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v27iesp.1.17928

Palavras-chave:

Formação de professores, Inclusão, Interculturalidade, Paulo Freire, Humberto Maturana

Resumo

Neste ensaio discutiremos docência intercultural e inclusiva à luz das epistemologias de Freire e Maturana. Como Metodologia, seguiremos um percurso de construção teórica e aproximações semânticas dos conceitos de interculturalidade e de inclusão, como uma contribuição à discussão sobre formação docente. Na continuidade, mostraremos que tanto a cultura, quanto a interculturalidade podem ser pensadas como redes linguísticas nas quais estão entrelaçadas o linguajar e o emocionar. O conceito de inclusão será discutido no âmbito mais geral das questões éticas, por acreditarmos que a aceitação do outro, enquanto legitimo outro, na convivência, é mais uma questão emocional do que racional. O realce às emoções e, no âmbito destas, o amor e a ética, enquanto preocupação com as consequências de nosso atuar sobre outros seres humanos, é fundamental para nossa análise, particularmente neste momento de ressurgimento da cultura do ódio e dos embates no campo dos direitos humanos e da educação inclusiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Antonio Botelho Andrade, Universidade Federal Fluminense

Docente do Departamento de Imunobiologia. Coordenador do Laboratório de Audiovisual Científico. Doutorado em Immunobiologie, Institut Pasteur/Paris VI, França).

Adriana Campani, Universidade Estadual Vale do Acaraú

Professora Associada do Centro de Filosofia, Letras e Educação. Líder do Grupo de Estudos e Pesquisa sobre Pedagogia Universitária, certificado pelo CNPq. Pós-doutorado em Desenvolvimento Curricular (UMinho/Portugal).

Felipe Xavier Neto, Universidade Federal Fluminense

Doutorando do Curso de Pós-graduação em Ciências, Tecnologia e Inclusão, PGCTIn, UFF.

Referências

ANDRADE, L. A. B. Paisagem conceitual: construção teórica e o seu uso na educação. RevistAleph, v. 32, p. 178-199, 2019. Disponível em: https://periodicos.uff.br/revistaleph/article/view/39313. Acesso em: 10 jun. 2022.

ANDRADE, L. A. B.; SILVA, E. P. Dialética, diálogo e conversa: consonâncias e dissonâncias epistemológicas entre Freire e Maturana. Revista Educação Brasileira, n. 55, v. 27, p. 51-77, 2005. Disponível em: http://www.biolinguagem.com/ling_cog_cult/andrade_silva_2005_dialetica_dialogo_conversa.pdf. Acesso em: 10 jun. 2021.

BOSI, A. A Dialética da Colonização. São Paulo: Cia. das Letras, 1992.

BLOIS, M. M. Reencontros com Paulo Freire e seus amigos. Niterói, RJ: Fundação Euclides da Cunha, 2005.

ECKHARDT, K.; ANDRADE, L. A. B. Um olhar sobre a inclusão sociodigital de pessoas da terceira idade a partir do Telecentro Helena Tibau. 7. ed. Niterói, RJ: Pontos de Vista, 2021.

EICHEVERRIA, R. La ontologia del lenguage. Santiago: Dólmen ediciones, 1994.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. 4. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1974.

FREIRE, P. Conscientização: teoria e prática da libertação. São Paulo: Ed Moraes, 1980.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 18. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FREIRE, P. Pedagogia da esperança: Um reencontro com a pedagogia do oprimido. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, P. Extensão ou comunicação? 12. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

GOODENOUGH, W. H. Cultural Anthropology and Linguistics, Bobbs-Merrill Reprint, Series in Language and Linguistics, L 29, 1957.

HADDAD, S. O educador: um perfil de Paulo Freire. São Paulo: Editora Todavia, 2019.

KLUCKHOHN, C. K. Universal Categories of Culture, in Anthropology Today. Chicago, 1953.

LIMA, A. N. B. et al. Inclusão sociodigital e formação humana: caminhos para a construção de uma política pública em Niterói. RevistAleph, ano 13, n. 26, p. 14-28, 2016. Disponível em: https://periodicos.uff.br/revistaleph/article/view/39147/22584. Acesso em: 12 ago. 2022.

MATURANA, H. El sentido de lo humano. Santiago: Ediciones Pedagógicas Chilenas,1992.

MATURANA, H. A ontologia da realidade. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1997.

MATURANA, H. O que se observa depende do observador. In: THOMPSON, W. (org.). Gaia – Uma teoria do conhecimento. São Paulo: Editora Gaia, 2000.

PEREIRA, R. Diversidade funcional: a diferença e o histórico modelo de homem-padrão. Hist. cienc. saúde-Manguinhos, Rio de Janeiro, v. 16, n. 3, p. 715-728, 2009. Disponível em: https://www.scielo.br/j/hcsm/a/9d7FrYfH46n8V9JPwGcQVTf/?lang=pt. Acesso em: 12 jun. 2022.

TYLOR, E. B. Primitive Culture. London: John Murray, 1871.

VIANNA, B.; ANDRADE, L. A. B.; VAZ, N. M. Ensinar é impossível, e aprender, inevitável: comentários sobre a epistemologia de Humberto Maturana. HELIUS, v. 3, p. 1183-1227, 2020. Disponível em: https://helius.uvanet.br/index.php/helius/article/view/158. Acesso em: 10 jun. 2022.

Publicado

13/05/2023

Como Citar

ANDRADE, L. A. B.; CAMPANI, A.; NETO, F. X. Reflexões sobre a docência intercultural e inclusiva à luz das epistemologias de Freire e Maturana. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 27, n. esp.1, p. e023020, 2023. DOI: 10.22633/rpge.v27iesp.1.17928. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/17928. Acesso em: 22 maio. 2024.