O ensino de artes no currículo da ducação básica no contexto atual

Contradições e desafios

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v26iesp.4.17132

Palavras-chave:

Educação básica, Ensino de artes, BNCC

Resumo

No presente artigo, abordamos a Educação Artística na Educação Básica no Brasil, sobre dois pontos de vista: a formação do educador e a compreensão de arte empregada nos documentos oficiais, e, para em seguida fazermos a defesa de uma formação no campo das artes dos professores da educação básica, indispensável ao trabalho docente e a formação integral das crianças e dos adolescentes. Apoiados em pensadores críticos, discutimos a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), quanto à dimensão sensível e o discurso das competências ali expresso, e defendemos uma educação em que a estética componha os fundamentos da formação de professores. Quando analisamos a BNCC, é bem perceptível a falta de valorização e de lugar do campo de saber das Artes. É quase inacreditável que na terceira década deste milénio tenhamos que afirmar o ensino de artes e suas repercussões na escola, e suas inquestionáveis contribuições para o desenvolvimento humano. Destacamos assim a formatividade da Arte e o dever de o Estado garantir o direito de aprendizagem das Artes na escola, assegurando uma educação integral ao estudante.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edite Colares Oliveira Marques, Universidade Estadual do Ceará (UECE), Fortaleza – CE – Brasil

Doutorado em Educação.

José Ernandi Mendes, Universidade Estadual do Ceará (UECE), Fortaleza – CE – Brasil

Doutorado em Educação.

Referências

ARROYO, M. G. Da escola carente à escola possível. São Paulo: Loyola, 1997.

ARROYO, M. G. Currículo, território em disputa. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

BRASIL. Resolução CNE/CP n. 1, de 15 de maio de 2006. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para o Curso de Graduação em Pedagogia, licenciatura. Brasília, DF: Presidência do Conselho Nacional de Educação, 2006. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_06.pdf. Acesso em: 12 jan. 2021.

ECO, U. A Definição da Arte. Rio de Janeiro: Record, 1991.

GROSFOGUEL, R. Para descolonizar os estudos de economia política e os estudos pós-coloniais: Transmodernidade, pensamento de fronteira e colonialidade global. Revista Crítica de Ciências Sociais, v. 80, p. 115-147, mar. 2008. Disponível em: https://journals.openedition.org/rccs/697. Acesso em: 13 abr. 2021.

HOOKS, B. Ensinando pensamento crítico: Sabedoria prática. Tradução: Bhuvi Libanto. São Paulo: Elefante, 2020.

MENDES, J. E.; MEDEIROS, E. A. La escuela en el neoliberalismo y su lucha política para (re)existir y resignificarse. Revista Paradigma, v. 42, n. 3, p. 1-19, set. 2021. Disponível em: http://revistaparadigma.online/ojs/index.php/paradigma/article/view/1119/983. Acesso em: 15 nov. 2021.

ORTIZ, R. Mundialização da Cultura. São Paulo: Brasiliense, 2000.

PAREYSON, L. Os problemas da Estética. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

RANCIÈRE, J. O Mestre Ignorante. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015.

RIBEIRO, D. Os Brasileiros. Livro I – Teoria do Brasil. Petrópolis, RJ: Editora Vozes Ltda, 1983.

RIBEIRO, D. Utopia Brasil. São Paulo: Editora Hedra, 2008.

SACCOMANI, M. C. S. A criatividade na Arte e na educação escolar: Uma contribuição à pedagogia histórico-crítica à luz de George Lukács e Levi Vigotiski. Campinas, SP: Autores Associados, 2016.

SANTOS. M. Por uma outra globalização: Do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiro: Record, 2001.

Publicado

01/09/2022

Como Citar

MARQUES, E. C. O.; MENDES, J. E. O ensino de artes no currículo da ducação básica no contexto atual: Contradições e desafios. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 26, n. esp.4, p. e022115, 2022. DOI: 10.22633/rpge.v26iesp.4.17132. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/17132. Acesso em: 23 abr. 2024.

Artigos Semelhantes

1 2 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.