A reforma do Ensino Médio: novos desafios para a gestão escolar

Marcelo Siqueira Maia Vinagre Mocarzel, Angelina Accetta Rojas, Maria de Fátima Barros Pimenta

Resumo


A partir do diagnóstico do fracasso escolar, o Governo Federal propôs, por meio de uma Medida Provisória, um novo modelo de Ensino Médio, sob a justificativa de que se estaria respondendo à demanda da sociedade. Porém, o projeto traz mais desafios que soluções aos gestores escolares, na medida em que a operacionalização das propostas parece ser algo distante e também problemático. Este artigo busca discutir, a partir das alterações no texto legal e fazendo uso do ciclo de políticas como metodologia de pesquisa, quais os desafios que podem ser vislumbradas para os gestores de escolas públicas e privadas.

Palavras-chave


Ensino médio. Gestão. Carga horária.

Texto completo:

PDF XML

Referências


ALTMANN, Helena. Influências do Banco Mundial no projeto educacional brasileiro. Educação e Pesquisa, v. 28, n. 1, p. 77-89, 2002.

BALL, Stephen. Profissionalismo, gerencialismo e performatividade. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 35, n. 126, set./dez., 2005.

BALL, Stephen; BOWE, Richard. Subject departments and the ‘implementation’of National Curriculum policy: an overview of the issues. Journal of Curriculum Studies, v. 24, n. 2, p. 97-115, 1992.

BALL, Stephen; MAGUIRE, Meg; BRAUN, Annette. Como as escolas fazem as políticas: atuação em escolas secundárias. Ponta Grossa, PR: Editora UEPG, 2016.

BALL, Stephen; MAINARDES, Jefferson (Orgs.). Políticas educacionais: questões e dilemas. São Paulo: Cortez, 2011.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Conselho Nacional da Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Brasília: MEC, SEB, DICEI, 2013. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/docman/julho-2013-pdf/13677-diretrizes-educacao-basica-2013-pdf/file. Acesso em: 10 set. 2017.

BRASIL. Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9.394/1996, de 20 de dezembro de 1996. Brasília, DF: Senado Federal, 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm. Acesso em: 29 mar. 2018.

BRASIL. Lei 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Brasília, DF: Câmara dos Deputados, 2017. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/L13415.htm. Acesso em: 29 mar. 2018.

BRASIL. Ministério da Administração Federal e Reforma do Estado. Plano diretor da reforma do aparelho do Estado. Brasília: Presidência da República, Câmara da Reforma do Estado, 1995. Disponível em: http://www.bresserpereira.org.br/Documents/MARE/PlanoDiretor/planodiretor.pdf. Acesso em: 29 mar. 2018.

CUNHA, Luiz Antônio. Crise e reforma do sistema universitário (debate). Novos Estudos, São Paulo, CEBRAP, n. 46, nov. 1996.

DEMO, Pedro. Educação e qualidade. Campinas, SP: Papirus, 2009.

HORA, Dinair L. da. Gestão democrática na escola: artes e ofícios da participação coletiva. Campinnas, SP. Papirus, 2009.

HYPOLITO, Álvaro Moreira. Políticas curriculares, Estado e regulação. Educ. Soc., Campinas, v. 31, n. 113, out./dez., 2010.

LÜCK, Heloísa. Gestão educacional: uma questão paradigmática. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

MAINARDES, Jefferson. Abordagem do ciclo de políticas: uma contribuição para a análise de políticas educacionais. Educ. Soc, v. 27, n. 94, p. 47-69, 2006.

MOCARZEL, Marcelo Siqueira Maia Vinagre. Os caminhos da qualidade na educação: análise do discurso de gestores escolares. Dissertação de Mestrado (Educação). Niterói, RJ: Universidade Federal Fluminense, 2013.

MORGAN, Karine Vichiett.; NAJJAR, Jorge Nassim Vieira.; CARNEIRO, Waldeck Educação integral em São João de Meriti: conceitos em desalinho. Conhecimento & Diversidade, v. 9, n. 17, p. 61-71, 2017.

OLIVEIRA, Dalila Andrade. A reestruturação do trabalho docente: precarização e flexibilização. Educ. Soc., v. 25, n. 89, 2004.

OZGA, Jenny. Investigação sobre políticas educacionais: terreno de contestação. Porto, Portugal: Porto Editora, 2001.

RANGEL, Mary.; MOCARZEL, Marcelo Maia Vinagre.; PIMENTA, Maria de Fátima Barros. A trajetória das competências e habilidades em educação no Brasil: das avaliações em larga escala para as salas de aula. Revista Meta: Avaliação, v. 8, n. 22, p. 29-47, 2016.

SANTOS, Pablo Silva Machado Bispo dos. Sobre o conceito de Refração Política: mais uma chave dos segredos das Ciências Humanas. Revista Espaço Acadêmico, v. 12, n. 137, p. 65-73, 2012.

SAVIANI, Demerval. A nova lei da educação: trajetórias, limites e perspectivas. Campinas: Autores Associados, 2008.

SOUZA, Sandra Zákia Lian de; OLIVEIRA, Romualdo Portela de. Políticas de avaliação da educação e quase mercado no Brasil. Educ. Soc., v. 24, n. 84, p. 873-894, 2003.

VIEIRA, Sofia Lerche. Política educacional em tempos de transição (1985 – 1995). Brasília: Liber Livro, 2008.




DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v22.nesp1.2018.10788



Rev. on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1519-9029

DOI prefix: 10.22633/rpge

Licença Creative Commons 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.