Ensino superior privado no Brasil

Uma análise crítica baseada em Roberto Damatta, Pierre Bourdieu e Zygmunt Bauman

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v28i00.19051

Palavras-chave:

Ensino superior privado, Reprodução, Desigualdade, Hierarquização, Modernidade Líquida

Resumo

Esse trabalho visa analisar o contexto do ensino superior privado no Brasil, traçando paralelos sob as perspectivas do antropólogo Roberto DaMatta (1997), o sociólogo francês Pierre Bourdieu (1975) e o sociólogo polonês Zygmunt Bauman (2013). O objetivo é evidenciar algumas características da cultura brasileira de modo a compreender disputas de poder e desigualdades no modelo reprodutor do ensino em tempos líquidos. A partir da leitura e análise desses autores, embora se encontrem em contextos e épocas diferentes, será possível apontar que a educação superior privada acaba por reproduzir desigualdades ao invés de promover justiça social e transformações efetivas. Razão pela qual nos parece inevitável e urgente a criação de alternativas interdisciplinares e diálogos provindos de análises socioculturais que somem aos debates da área da educação.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elenice Bueno, Universidade Federal de Santa Catarina

Graduada em Direito pela Universidade Comunitária da Região de Chapecó (Unochapecó) e Mestre em Direito pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

João Nicodemos Martins Manfio, Centro Universitário UNISOCIESC

Graduado em Ciências Sociais pela Universidade do Vale do Itajaí (UNIVALI), Mestre em Sociologia Política Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Doutor em Ciências Sociais - Antropologia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), Pós-doutorado em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Pesquisador do Laboratório de Pesquisas Sociológicas Pierre Bourdieu (LAPSB, PPGE/UFSC), Líder e pesquisador do Núcleo de Estudos de Sociologia Contemporânea: Zygmunt Bauman (NESC, UNISOCIESC). Professor (DEPARTAMENTO DE GESTÃO E EDUCAÇÃO).

Rodrigo Martins, Faculdade Cenecista de Joinville

Graduado em Direito pela Faculdade Cenecista de Joinville (FCJ).

Referências

LMEIDA, F. Q.; GOMES, I. M.; BRACHT, V. Bauman & a Educação. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009.

BAUMAN, Z. 44 cartas do mundo líquido moderno. Tradução: Vera Ferreira. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2011.

BAUMAN, Z. Legisladores e intérpretes. Tradução: Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2010.

BAUMAN, Z. Os livros no diálogo global das culturas. Revista Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, n. 142, p. 87-101, jul./set. 2000.

BAUMAN, Z. Sobre educação e juventude. Tradução: Carlos Alberto Medeiros. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2013.

BAUMAN, Z. Modernidade líquida. Tradução: Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2001.

BONNEWITZ, P. Primeiras lições sobre a Sociologia de P. Bourdieu. Tradução: Lucy Magalhães. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.

BOURDIEU, P.; PASSERON, J. C. A reprodução. Elementos para uma teoria do sistema de ensino. Tradução: Reynaldo Bairão. Rio de Janeiro, RJ: Francisco Alves, 1975.

BOURDIEU, P. Escritos de Educação. 12. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

BRASIL, Constituição Federal Compilada. 1988. Disponível em: hhttps://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 22 dez. 2023.

CASSOL, C. V. et al. Dicionário Crítico-Hermenêutico Zygmunt Bauman. Frederico Westphalen: URI Westph, 2021.

DAMATTA, R. Carnavais, malandros e heróis: para uma sociologia do dilema brasileiro. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

INEP. Censo da Educação Superior: Censo da Educação Superior. 2013. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/web/censo-da-educacao-superior. Acesso em: 21 dez. 2023.

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. Relação anual de informações do ministério do trabalho e emprego. 2013. Disponível em: http://www.rais.gov.br/sitio/index.jsf. Acesso em: 22 dez. 2023.

Publicado

01/01/2024

Como Citar

BUENO, E.; MARTINS MANFIO, J. N.; MARTINS, R. Ensino superior privado no Brasil: Uma análise crítica baseada em Roberto Damatta, Pierre Bourdieu e Zygmunt Bauman. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 28, n. 00, p. e023002, 2024. DOI: 10.22633/rpge.v28i00.19051. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/19051. Acesso em: 23 abr. 2024.