Tempos e espaços da gestão universitária: compreendendo a gestão de departamentos didáticos

Andiara Dewes, Doris Pires Vargas Bolzan

Resumo


Os Departamentos Didáticos de Instituições de Ensino Superior (IES) públicas constituem-se em um âmbito institucional no qual a vida funcional dos docentes é organizada e o funcionamento dos cursos acontece por meio da manutenção da oferta de disciplinas e professores que as ministram. Nesse contexto, tivemos como objetivo compreender como acontece a gestão de Departamentos Didáticos de uma IES pública. A pesquisa desenvolvida caracteriza-se como qualitativa narrativa de cunho sociocultural. A partir das narrativas dos professores gestores (que atuavam como chefes dos Departamentos) constatamos que a gestão de um Departamento Didático é produzida através da articulação e interlocução de diversas dimensões que a compõe, estabelecendo-se como indicadores desse processo de desenvolvimento da gestão os indicadores: políticas educacionais, cultura organizacional e dinâmica curricular e atividades de ensino. Evidenciamos que são as concepções e percepções acerca dos tempos espaços da gestão que pautam os modos de atuações dos professores/gestores.

Palavras-chave


Gestão universitária; Departamento didático; Professores gestores.

Texto completo:

PDF XML

Referências


BERGUE, S. T. Gestão estratégica de pessoas no setor público. São Paulo, SP: Atlas, 2014.

BOLZAN, D. P. V. Formação de professores: compartilhando e reconstruindo conhecimentos. Porto Alegre, RS: Mediação, 2002.

BOLZAN, D. P. V. Docência e Processos Formativos: estudantes e professores em contextos emergentes. Projeto de Pesquisa n° 042025, GAP/CE/UFSM, 2016.

CLANDININ, F. J. CONNELLY, F. M. Pesquisa Narrativa: experiências e história na pesquisa qualitativa. Uberlândia, MG: EDUFU, 2011.

COLOMBO, S. S. A gestão de pessoas nas instituições de ensino. In.: COLOMBO, S. S.; CARDIM, P. A. G. & colaboradores. Nos Bastidores da Educação Brasileira: a gestão vista por dentro. Porto Alegre, RS: Artmed, 2010.

CUNHA, M. I. A indissociabilidade do ensino com a pesquisa e a extensão como referente da qualidade na universidade brasileira: um discurso em tensão. In.: CUNHA, M. I. (Org.). Qualidade da graduação: a relação entre ensino, pesquisa e extensão e o desenvolvimento profissional docente. Araraquara, SP: Junqueira&Marin, 2012.

DEWES, A. Gestão universitária: departamentos didáticos e contextos emergentes da educação superior pública. 2017. 230f. Santa: UFSM, 2017. Monografia (especialização em Gestão Educacional). Centro de Educação, Universidade Federal de Santa Maria.

FREITAS, M. T. A. RAMOS, B. S. (Org.). Fazer pesquisa na abordagem histórico-cultural: metodologias em construção. Juiz de Fora, MG: Ed. UFJF, 2010.

MOROSINI, M. C. Educação Superior e Contextos Emergentes. Projeto de Pesquisa. PRONEX/FAPERGS/RIES. Porto Alegre, RS: PUC/RS, 2016.

SOUSA, A. M. C. Gestão acadêmica atual. In.: COLOMBO, Sonia S.; RODRIGUES, Gabriel M. Desafios da gestão universitária contemporânea. Porto Alegre, RS: Artmed, 2011.

TOFIK, D. S. A gestão acadêmica nas instituições de ensino superior. In.: COLOMBO, Sonia S. (Org.). Gestão universitária: os caminhos para a excelência. Porto Alegre, RS: Penso, 2013.

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA. Regimento Geral da Universidade Federal de Santa Maria. Santa Maria, RS: 2011. Disponível em: . Acesso em: 20 out. 2015.

VYGOTSKI, L. S. A formação social de mente. São Paulo, SP: Martins Fontes, 2007.

VYGOTSKI, L. S. Pensamento e linguagem. São Paulo, SP: Martins Fontes, 1993.




DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v22i3.11308



Rev. on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1519-9029

DOI prefix: 10.22633/rpge

Licença Creative Commons 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.