TIC na gestão educacional: efetividade na academia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v25i2.14576

Palavras-chave:

Gestão , Educação , TIC , Formação

Resumo

Este estudo é resultante de um trabalho de monografia e objetivou avaliar a contribuição das Tecnologias da Informação e da Comunicação – TIC em um curso de pós-graduação em gestão educacional, a partir da percepção dos discentes. Caracteriza-se como uma pesquisa aplicada, com abordagem qualitativa, do tipo descritivo e exploratório. O instrumento de pesquisa foi um questionário de avaliação, adaptado de Bertolin e Marchi (2010). Para a análise dos dados utilizou-se a análise categorial de Bardin (2011). Constatou-se que os discentes avaliaram o curso como “bom”, havendo consenso no uso de recursos tecnológicos e desenvolvimento de habilidades em TIC. No entanto, percebeu-se que alguns recursos necessitam de aprimoramentos quando inseridos nas aulas, pois apenas o investimento em TIC não ocasiona mudanças. É necessário, também, desenvolvimento profissional do corpo docente para a utilização pedagógica e crítica das TIC nos processos de ensino e aprendizagem, a fim de provocar mudanças e reflexões significativas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Geovane Rafael Theisen, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Santa Maria – RS

Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Educação.

Sílvia Maria de Oliveira Pavão , Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Santa Maria – RS

Professora no Departamento de Fundamentos da Educação. Doutorado em Educação (UAB) – Espanha.

Ana Cláudia Oliveira Pavão, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Santa Maria – RS

Professora no Departamento de Educação Especial. Doutorado em Informática na Educação (UFRGS).

Referências

BARCELOS, G. T.; PASSERINO, L. M.; BEHAR, P. A. Redes sociais na internet: ambiente pessoal de aprendizagem na formação de professores iniciantes de matemática. Revista Novas Tecnologias na Educação, Porto Alegre (RS), v. 9, n. 1, p. 1-10, 2011. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/renote/article/view/21902/12706. Acesso em: 15 jun. 2019.

BARDIN, L.; Análise de conteúdo. São Paulo, SP: Edições 70, 2011.

BERTOLIN, J. C. G.; MARCHI, A. C. B. Instrumentos para avaliar disciplinas da modalidade semipresencial: uma proposta baseada em sistemas de indicadores. Avaliação, Campinas (SP), v. 15, n. 3, p. 131-146, 2010. Disponível em: https://www.scielo.br/j/aval/a/KHsWbwwT6W8sKRY7mbhb7sJ/?lang=pt&format=pdf. Acesso em: 20 ago. 2019.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Senado Federal, 2016. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm. Acesso em: 30 jul. 2020.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/CCIVil_03/LEIS/l9394.htm. Acesso em: 10 jun. 2019.

BRASIL. Portaria n. 2.117, de 6 de dezembro de 2019. Dispõe sobre a oferta de carga horária na modalidade de Ensino a Distância - EaD em cursos de graduação presenciais ofertados por Instituições de Educação Superior - IES pertencentes ao Sistema Federal de Ensino. Brasília, DF, 11 dez. 2019. Disponível em: https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-n-2.117-de-6-de-dezembro-de-2019-232670913. Acesso em: 21 ago. 2020.

BRASIL. Portaria n. 343, de 17 de março de 2020. Dispõe sobre a substituição das aulas presenciais por aulas em meios digitais enquanto durar a situação de pandemia do Novo Coronavírus - COVID-19. Brasília, DF, 18 mar. 2020. Disponível em: https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-n-343-de-17-de-marco-de-2020-248564376. Acesso em: 21 ago. 2020.

DIAS, E. P. Conceitos de gestão e administração: uma revisão crítica. Revista Eletrônica de Administração, São Paulo (SP), v. 1, p. 1-12, 2002. Disponível em: https://periodicos.unifacef.com.br/index.php/rea/article/view/160/16. Acesso em: 25 jul. 2019.

DOURADO, L. F. Progestão: como promover, articular e envolver a ação das pessoas no processo de gestão escolar? Brasília, DF: CONSED – Conselho Nacional de Secretários de Educação, 2001.

FRANCO, M. A. R. S. Prática pedagógica e docência: um olhar a partir da epistemologia do conceito. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília (DF), v. 97, n. 247, p. 534-551, 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbeped/a/m6qBLvmHnCdR7RQjJVsPzTq/?lang=pt&format=pdf. Acesso em: 20 set. 2019.

FRANCO, M. L. P. B. Pressupostos epistemológicos da avaliação educacional. In: SOUZA, C. P. (Org.) Avaliação do rendimento escolar. 6. ed. Campinas, SP: Papirus, p. 13-26, 1997.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra, 1987.

FREITAS, M. F. Q.; SOUZA, J. Formação em pesquisa na pós-graduação: possibilidades e desafios a partir da orientação. Educar em Revista, Curitiba (PR), v. 34, n. 71, p. 125-141, 2018. Disponível em: https://www.scielo.br/j/er/a/TM3J9mfsxQJW797k5MfMhqb/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 21 set. 2019.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. 7. reimpr. São Paulo, SP: Atlas, 2016.

HORN, M. B.; STAKER, H. Blended: usando a inovação disruptiva para aprimorar a educação. Porto Alegre, RS: Penso, 2015.

LOWMAN, J. Dominando as técnicas de ensino. São Paulo, SP: Atlas, 2007.

MARBACK NETO, G. Avaliação: instrumento de gestão universitária. Vila Velha, ES: Hoper, 2007.

PISTRAK, M. M. A escola comuna. São Paulo, SP: Expressão Popular, 2009.

PRODANOV, C. C.; FREITAS, E. C. Metodologia do trabalho científico: métodos e técnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2. ed. Novo Hamburgo, RS: Universidade FEEVALE, 2013.

Downloads

Publicado

01/08/2021

Como Citar

THEISEN, G. R.; PAVÃO , S. M. de O.; PAVÃO, A. C. O. TIC na gestão educacional: efetividade na academia. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 25, n. 2, p. 1264–1281, 2021. DOI: 10.22633/rpge.v25i2.14576. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/14576. Acesso em: 25 out. 2021.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)