A importância dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia para a redução da desigualdade educacional no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v27i00.18005

Palavras-chave:

Educação, Educação Profissional, Institutos Federais, Desigualdade Educacional

Resumo

O presente estudo tem como objetivo investigar a importância dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia (IFE's) na redução da desigualdade educacional no Brasil. A pesquisa foi conduzida por meio de uma revisão bibliográfica e análise de documentos, utilizando dados provenientes do Censo da Educação Básica, Relatórios do INEP, OCDE/PISA e Plataforma Nilo Peçanha. Os resultados derivados da análise do PISA indicam que os IFE’s apresentam um desempenho superior à média nacional. Além disso, em relação ao IDEB, as notas médias dos IFE’s são mais elevadas do que a média geral. Ao considerar os resultados específicos dos Institutos localizados nas regiões Norte e Nordeste, observa-se que essas instituições, além de superarem a média geral, aproximam-se das notas mais altas alcançadas pelas escolas privadas. Esses resultados, aliados à concepção de educação para a emancipação humana, visa oferecer uma formação integral e oportunidades aos indivíduos menos privilegiados da sociedade, revelando que os IFE's constituem uma estratégia eficaz para a redução da desigualdade educacional.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Henry Antônio Silva Nogueira, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Reitoria. Economista. Mestre em Desenvolvimento Regional. Doutorando em Educação pela PUC-PR.

Rucelino de Sousa Aguiar, Faculdade Diocesana São José

Mestre em Teologia pela FAJE - Faculdade Jesuíta de Filosofia e teologia. Doutorando em Educação pela PUC-PR.

Maria Lourdes Gisi, Pontifícia Universidade Católica do Paraná

Professora Titular do Programa de Pós-Graduação em Educação (PUC-PR). Pós-Doutorado pela Universidade de Genebra/Suíça. 

Referências

ARRUDA, M. C. C. Escolas Técnicas Federais: escolas de elites ou instituições que formam para o trabalho? Revista de Educação Técnica e Tecnológica em Ciências Agrícolas, n.1, 2010.

BOURDIEU, P.; PASSERON, J. C. A reprodução: elementos para uma teoria do sistema de ensino. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1975.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei n. 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências. Brasília, DF: MEC, 2008. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2008/lei/l11892.htm. Acesso em: 01 jan. 2023.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Relatório Brasil no PISA. Brasília, DF: INEP, 2019. Disponível em: https://www.gov.br/inep/pt-br/areas-de-atuacao/avaliacao-e-exames-educacionais/pisa. Acesso em: 05 mar. 2023.

BRASIL. Ministério da Educação. Censo da Educação Superior 2019: Notas estatísticas. Brasília, DF, 2020. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/web/guest/censo-da-educacao-superior. Acesso em: 01 mar. 2023.

BRASIL. Nota Técnica 1: Índice de Desenvolvimento da Educação Básica – Ideb – 2017 a 2021. Disponível em: https://www.gov.br/inep/pt-br/areas-de-atuacao/pesquisas-estatisticas-e-indicadores/ideb/resultados. Acesso em: 05 mar. 2023.

BRASIL. Ministério da Educação. Plataforma Nilo Peçanha 2023. Estatísticas da Rede Federal de Educação, Ciência e Tecnologia. Brasília, DF: MEC, 2023a. Disponível em: https://www.gov.br/mec/pt-br/pnp. Acesso em: 01 mar. 2023.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Sistema de Avaliação da Educação Básica. Brasília, DF: INEP, 2023b. Disponível em: https://download.inep.gov.br/publicacoes/institucionais/avaliacoes_e_exames_da_educacao_basica/saeb_documentos_referencia_versao_preliminar.pdf. Acesso em: 22 abr. 2023.

FRIGOTTO, G. A produtividade da escola improdutiva: um (re)exame das relações entre educação e estrutura econômico-social capitalista. São Paulo: Cortez, 2010.

GRAMSCI, A. Cadernos do Cárcere. Tradução: Carlos Nelson Coutinho. 2. ed. Rio de Janeiro, Brasileira, 2001. v. 2.

MACHADO, L. R. S. Diferenciais inovadores na formação de professores para a educação profissional. Revista Brasileira de Educação Profissional e Tecnológica, Brasília, v. 1, n. 1, p. 8-22, jun. 2008. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/. Acesso em: 12 jan. 2023.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 3.ed. São Paulo: Atlas, 2006.

MARX, K.; ENGELS, F. Textos sobre Educação e Ensino. São Paulo: Moraes, 1983.

OCDE. Programme for International Student Assessment (PISA): country note: Brazil. 2018. Disponível em: https://www.oecd.org/pisa/publications/PISA2018_CN_BRA.pdf. Acesso em: 3 mar. 2023.

PACHECO, E. (org.). Perspectivas da Educação Profissional e Técnica de Nível Médio. São Paulo: Fundação Santillana/Moderna, 2012.

PACHECO, E. Fundamentos Político-Pedagógico dos Institutos Federais. Natal: IFRN, 2015.

PACHECO, E. Institutos Federais: uma revolução na educação profissional e tecnológica. Brasília; São Paulo: Fundação Santillana, Editora Moderna, 2011.

Publicado

13/07/2023

Como Citar

NOGUEIRA, H. A. S.; AGUIAR, R. de S.; GISI, M. L. A importância dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia para a redução da desigualdade educacional no Brasil. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 27, n. 00, p. e023029, 2023. DOI: 10.22633/rpge.v27i00.18005. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/18005. Acesso em: 19 maio. 2024.

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.