Um estudo sobre o swing a partir de visões fornecidas por integrantes de uma comunidade virtual de comportamento sexual liberal

Autores

  • Fernanda Gomez Universidade Estadual Paulista (UNESP), Araraquara – SP https://orcid.org/0000-0002-7105-1783
  • Paulo Rennes Marçal Ribeiro Universidade Estadual Paulista (UNESP), Araraquara – SP
  • Vagner Sérgio Custódio Universidade Estadual Paulista (UNESP), Rosana – SP

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v24iesp3.14445

Palavras-chave:

Comportamento sexual liberal, Sexo, Swing, Website

Resumo

Este trabalho tem como objetivo diagnosticar visões sobre a sexualidade de pessoas com comportamentos sexuais liberais na comunidade dos swingers e suas opiniões acerca da motivação no meio sexual liberal, mais especificamente verificar o ânimo ou desânimo decorrente da prática do swing. Para isso utilizou-se um fórum de um website de comportamento sexual liberal que possui 16.589 perfis cadastrados, sendo 13.640 casais, 2.276 homens e 673 mulheres onde os membros espontaneamente discutiram essa questão. Foram ao todo 77 postagens que foram classificadas conforme a ocorrência, analisadas e comentadas qualitativamente. Buscamos entender as regras para a troca de casais, a questão do prazer no swing, a concepção de sexo liberal e a realização sexual com essa prática a partir do que disseram, nas postagens, os sujeitos participantes do fórum.

Biografia do Autor

Fernanda Gomez, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Araraquara – SP

Mestranda no Programa de Pós-graduação em Educação Sexual na Faculdade de Ciências e Letras.

Paulo Rennes Marçal Ribeiro, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Araraquara – SP

Professor Associado no Departamento de Psicologia da Educação e Docente dos Programas de Pós-graduação em Educação Sexual e Educação Escolar. Livre-Docente em Sexologia e Educação Sexual (UNESP).

Vagner Sérgio Custódio, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Rosana – SP

Professor Assistente. Doutorado em Educação Física (UNICAMP).

Referências

CARVALHO, G. C.; VASCONCELOS, E. O desejo do outro como mercado: um estudo sobre gênero e trabalho numa casa de swing em Pernambuco. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL FAZENDO GÊNERO 10, 2013, Florianópolis. Anais [...]. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, 2013. Disponível em: http://www.fg2013.wwc2017.eventos.dype.com.br/resources/anais/20/1372626230_ARQUIVO_fazendogenerotrabcompl.pdf. Acesso em: 30 nov. 2020.

FONTOURA JR., A. O papel das representações sociais de gênero nos debates sobre a conjugalidade e o swing: a visão das revistas masculinas durante a década de 1970. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE HISTÓRIA, 6., 2013, Maringá. Anais [...]. Maringá: UEM, 2013. Disponível em: http://www.cih.uem.br/anais/2013/trabalhos/238_trabalho.pdf. Acesso em: 30 nov. 2020.

FONTOURA JR., A. Pornotopias conjugais: subjetividades e sexualidades no surgimento do swing no Brasil. Orientadora: Karina Kosicki Bellotti. 2015. 282 f. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2015.

JANKOWIAK, W. R.; MIXSON, L. H. “I Have His Heart, Swinging Is Just Sex": The ritualization of sex and the rejuvenation of the love bond in an american spouse exchange community. In: JANKOWIAK, W. Intimacies: between love and sex around the world. New York: Columbia University Press, 2008. p. 245-266.

JENKS, R. J. Swinging: a review of the literature. Archives os Sex Behavior, n. 27, p. 507-521, 1998.

OREJUELA, J. J.; PIEDRAHITA, J. J.; RENZA, F. La práctica/estilo de vida swinger: ¿una práctica social-sexual perversa? Sexualidad, Salud y Sociedad: Revista Lationoamericana, n. 10, p. 37-69, 2012.

RIBEIRO, P. R. M.; MONTEIRO, S. A. S. Avanços e retrocessos da educação sexual no Brasil: apontamentos a partir da eleição presidencial de 2018. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, p. 1254-1264, jun., 2019. ISSN 1982-5587. DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v14iesp.2.12701

SILVEIRA, R. M. Nem tudo é possível e muita coisa é obrigatória: um estudo da prática do swing em Goiânia. Orientador: Camilo Albuquerque de Braz. 2014. 116 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2014.

SILVERIO, M. Gênero, sexualidade e swing: a ressignificação de valores através da troca de casais. Sexualidad, Salud y Sociedad: Revista Lationoamericana, n. 18, p. 111-139, 2014.

TEIXEIRA, M. D. Swing: troca de casais ou troca de mulheres? Orientador: Russell Parry Scott. 2015. 143 f. Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Universidade federal de Pernambuco, Recife, 2015.

VIEIRA, S. S. “Nem santa, nem puta”: performance de gênero e sexualidade em mulheres praticantes de swing. Orientador: Luís Felipe Rios do Nascimento. 2013. 110 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2013.

WEID, O. V. D. Masculino e feminino na prática do swing. Sexualidad, Salud y Sociedad: Revista Lationoamericana, n. 3, p. 106-129, 2009.

WEID, O. V. D. Swing: o adultério consentido. Estudos Feministas, Florianópolis, n. 18, p. 789-810, 2010.

WEID, O. V. D. A prática do swing e a dimensão do prazer. Temáticas, Campinas, v. 40, n. 20, p. 35-66, 2012.

Publicado

28/12/2020

Como Citar

GOMEZ, F.; RIBEIRO, P. R. M.; CUSTÓDIO, V. S. Um estudo sobre o swing a partir de visões fornecidas por integrantes de uma comunidade virtual de comportamento sexual liberal. Revista on line de Política e Gestão Educacional, [S. l.], v. 24, n. esp3, p. 1873–1883, 2020. DOI: 10.22633/rpge.v24iesp3.14445. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/14445. Acesso em: 8 mar. 2021.