Por um histórico da violência de gênero na América Latina e Caribe: “possibilidades” para as pesquisas em Educação Sexual

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v24iesp3.14281

Palavras-chave:

História, Violência de gênero, Educação Sexual, América Latina e Caribe.

Resumo

A violência de gênero é um tema importante para os estudos da Educação Sexual. Debater o tema na macrorregião da América Latina e Caribe alcança ainda maior importância quando se propõe a pensar caminhos de investigação para jovens pesquisadoras(es). Este é o objetivo deste pequeno texto de natureza bibliográfica: indicar possibilidades de um estudo sobre uma historicidade da violência de gênero na macrorregião. São propostas duas possibilidades investigativas: um ponto de partida em documentos internacionais oficiais; outro ponto de partida são as pesquisas que falam da violência de gênero, desde os anos 1970 com teorias que tentaram explicar a violência de gênero, como o patriarcado, as epistemologias do sul, como exemplos. Conclui-se o estudo com encaminahamentos e incentivos para estas investigações na tentativa de se encontrar uma importante lacuna: a violência de gênero, antes da presença europeia, o que demanda que uma terceira possibilidade de estudos na área da Educação Sexual seja pautada na etno-história e na antropologia. A terceira possibilidade é ainda uma construção a ser desenvolvida na área da Educação Sexual.

Biografia do Autor

Claudionor Renato da Silva, Universidade Federal de Jataí (UFJ), Jataí – GO

Docente e Pesquisador do Curso de Pedagogia (Unidade de Educação) e Programa de Pós-Graduação em Educação (PPGE – Unidade de Ciências Humanas). Doutorado em Educação Escolar (UNESP).

Paulo Rennes Marçal Ribeiro, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Araraquara – SP

Professor Associado no Departamento de Psicologia da Educação e Docente dos Programas de Pós-graduação em Educação Sexual e Educação Escolar. Livre-Docente em Sexologia e Educação Sexual (UNESP).

Solange Aparecida de Souza Monteiro, Universidade Estadual Paulista (UNESP). Araraquara – SP

Doutoranda no Programa de Pós-graduação em Educação Escolar.

Referências

AMORÓS, C. Hacia una crítica de la razón patriarcal. Anthropos; Madrid: 1991.

BENAVENTE, M. C.; VALDÉS, A. Políticas públicas para la igualdad de género: un aporte a la autonomía de las mujeres. Santiago: Naciones Unidas, CEPAL, 2014.

BOTT, S; MORRISON, A.; ELLSBERG, M. Cómo abordar la violencia de género en América Latina y el Caribe: revisión crítica de las intervenciones. Washington, DC: Banco Mundial, 2005. (Breve, n. 60)

CEPAL. NACIONES UNIDAS. La autonomia de las mujeres em escenarios económicos cambiantes. Santiago, Chile: CEPAL, 2019.

CEPAL. NACIONES UNIDAS. Panorama social da América Latina, 2019. Resumo executivo. Santiago, Chile: CEPAL, 2020.

CORRÊA, M. Morte em família. São Paulo: Brasiliense, 1983.

CRUZ, J. M. et al. De la guerra al delito: evolución de la violencia em El Salavador. In: LONDOÑO, J. L. et al. Asalto al desarrollo: violencia em America Latina. Banco Interamericano de Desarrollo. Whashington, D.C., 2000.

FERNÁNDEZ, I. G. A violência de gênero no contexto da América Latina. Pensar, Fortaleza, v. 17, n. 1, p. 161-194, jan./jun. 2012. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/315051438_A_violencia_de_genero_no_contexto_da_America_Latina. Acesso em: 13 jun. 2020.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. São Paulo: Loyola, 2004.

FOUCAULT, M. História da sexualidade I: A vontade de saber. 13. ed. Rio de Janeiro: Graal, 2004.

FOUCAULT, M. Arqueologia do saber. 7. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

FREGOSO, R. L.; BEJARANO, C. (Org.). Feminicídio en américa latina. México, DF: Unam/CIIECH/Red de Investigadoras por la Vida y la Libertad de las Mujeres, 2010.

LAGARDE, M. Violencia de género y paz social unidas por la vida y la libertad de las mujeres. In: Asociación seminario mujer Latinoamericana – Mujer Andaluza. 10 años de historia 1995-2005: hilando redes. Huelva, 2004. p. 23-34.

LERNER, G. La creación del patriarcado. Barcelona: Crítica, 1986.

LUGONES, M. Colonialidade e gênero. Tábula Rasa (online), n. 9, p. 73-102, 2008. Disponível em: http://www.scielo.org.co/scielo.php?pid=S1794-24892008000200006&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 14 set. 2020.

MODENA, M. R. (Org.). Conceitos e formas de violência. Caxias do Sul: Educs, 2016.

MONTAÑO, S. (Dir.). ¡Ni una más¡ El derecho a vivir una vida libre de violencia en América Latina y el Caribe. Antiguo Cuscatlán: UNFPA, 2007.

MONTEIRO, S. A. S.; SILVA, C. R.; RIBEIRO, P. R. M. Investigação da violência de gênero na América Latina e Caribe: pequena revisão da literatura (2017-2019). Revista On Line de Gestão e Política Educacional, Araraquara, v. 24, n. 2, p. 650-667, maio/ago. 2020. DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v24i2.13812

MURARO, R. M. A mulher no terceiro milênio. 3. ed. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos, 1995.

OLIVEIRA, R. D. Elogio da diferença: o feminino emergente. São Paulo: Brasiliense, 1999.

PITA, I. H. Violencia de Género: una mirada desde la sociología. 1. ed. Cuba: Editorial Científico-ténica, 2015.

PONTE, N. B. La agenda 2030 y la agenda regional de género: Sinergias para la igualdad en América Latina y el Caribe. Santiago: Naciones Unidas, CEPAL, 2017.

PRIORE, M. Del. (Org.). História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2012.

QUIJANO, A. Colonialidad, modernidad/racionalidade. Perú Indígena, v. 13, n. 29, p. 11-29, 1992. Disponível em: https://www.lavaca.org/wp-content/uploads/2016/04/quijano.pdf. Acesso em 09 set. 2020.

RIBEIRO, P. R. M.; MONTEIRO, S. A. S. Avanços e retrocessos da educação sexual no Brasil: apontamentos a partir da eleição presidencial de 2018. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, p. 1254-1264, jun., 2019. ISSN 1982-5587. DOI: https://doi.org/10.21723/riaee.v14iesp.2.12701

SAFFIOTI, H. I. B.; ALMEIDA, S. S. Violência de gênero: poder e impotência. Rio de Janeiro: Livraria e Editora Revinter Ltda, 1995.

SAFFIOTI, H. I. B. Gênero, patriarcado, violência. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2004.

SANTOS, B. S.; MENESES, M. P. (Org.). Epistemologias do sul. São Paulo, Cortez, 2010.

SILVA, C. R. Violência de gênero no Brasil e na América Latina: um enfoque psicanalítico, a produção de conhecimento e perspectivas de enfrentamento. Doxa: Rev. Bras. Psico. e Educ., v. 20, n. 1, jan./jun. 2018. DOI: https://doi.org/10.30715/rbpe.v20.n1.2018.11284

STREY, M. N.; AZAMBUJA, M. P. R.; JAEGGER, F. P. (Org.). Violência, gênero e políticas públicas. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2004.

Publicado

28/12/2020

Como Citar

SILVA, C. R. da; RIBEIRO, P. R. M. .; MONTEIRO, S. A. de S. Por um histórico da violência de gênero na América Latina e Caribe: “possibilidades” para as pesquisas em Educação Sexual. Revista on line de Política e Gestão Educacional, [S. l.], v. 24, n. esp3, p. 1809–1824, 2020. DOI: 10.22633/rpge.v24iesp3.14281. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/14281. Acesso em: 8 mar. 2021.