Alunos com TEA como desencadeadores de processos formativos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.unesp.v22.nesp2.dez.2018.11919

Palavras-chave:

Transtorno do espectro autista, Tecnologias assistivas, Processo ensino-aprendizagem.

Resumo

Este estudo busca refletir sobre como os alunos com TEA podem desencadear mudanças nos processos formativos nas escolas regulares para facilitar a aprendizagem de todos os alunos. Apresenta a evolução da nosologia do TEA considerando que o professor deve conhecer cada aluno para que possa acompanhar o seu processo de aprendizagem e, se distanciar o suficiente para perceber as demandas da turma. Busca, em uma pesquisa realizada com professores de escolas de ensino fundamental do Estado do RJ, analisar relatos sobre suas atuações em sala quando nesta participa pelo menos um aluno com TEA. Propõe que as tecnologias assistivas, utilizadas e conhecidas principalmente pelos professores da Educação Especial, podem servir de poderoso instrumento quando utilizadas pelo professor da sala de aula regular.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sandra Cordeiro de Melo, Universidade Federal do Rio de Janeiro – (UFRJ), Praia Vermelha.

Possui graduação em Psicologia pela Universidade Católica de Petrópolis (1998), Mestrado em Educação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2004), Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2010) e Pós-Doutorado em Educação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. É Professora Adjunta do Departamento de Fundamentos da Educação, da Faculdade de Educação da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Atuou como Assessora Pedagógica da Escola de Contas e Gestão do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro durante os anos de 2010-2011. É vice-coordenadora do LaPEADE - Laboratório de Pesquisas, Estudos e Apoio à Participação e à Diversidade em Educação - UFRJ e membro do NETEDU - Núcleo de Etnografia em Educação - UERJ. Atualmente desenvolve pesquisas sobre Inclusão em Educação

Mylene Cristina Santiago, Universidade Federal de Juiz de Fora – (UFJF), Bairro Martelos

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Federal de Juiz de Fora , mestrado em Educação pela Universidade Federal de Juiz de Fora e doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Atualmente é professor adjunto e vice coordenadora do Núcleo de Apoio à Inclusão da Universidade Federal de Juiz de Fora e pesquisadora do Observatório Internacional de Inclusão, Interculturalidade e Inovação Pedagógica. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Currículo, atuando principalmente nos seguintes temas: formação de professores, inclusão em educação, currículo e atendimento educacional especializado.

Referências

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders, Fifth Edition (DSM-V). Arlington, VA: American Psychiatric Association, 2013.

AMY, M. D. Enfrentando o autismo: a criança autista, seus pais e a relação terapêutica. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2001.

AUSUBEL, D.; NOVAK, J.; HANESIAN, H. Psicologia Educacional. Interamericana. 1968.

BAPTISTA, C.; BOSA, C. Autismo e educação. Porto Alegre: Artmed, 2002.

BERQUEZ, G. L’autisme Infantile. Introduction à une clinique relationnelle selon Kanner. Paris, Presses Universitaires de France, 1983.

BERSCH, R.; SCHIRMER, C. Tecnologia Assistiva no Processo Educacional. IN.: Ensaios Pedagógicos: Construindo Escolas Inclusivas. Brasília: MEC/SEESP, 2005.

BERSCH, R.; MACHADO, R. In: SCHIRMER, Carolina R. et al.

Atendimento Educacional Especializado - Deficiência Física. Brasília/DF:

MEC/SEESP, 2007. 129p. Disponível em:

http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/aee_df.pdf. Acesso em: 13 jun. 2018.

BRASIL. MJ/CORDE. Declaração de Salamanca e Linhas de Ação sobre Necessidades Educativas Especiais. Brasília: CORDE, 1994.

BRASIL. Documento Subsidiário à Política de Inclusão. MEC, Produtor & Secretaria de Educação Especial, 2005. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/livro%20educacao%20inclusiva.pdf. Acesso em: 03 ago. 2018.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei nº 9394/20.12.96. Brasília, DF, Brasil: Saraiva, 1996.

BRASIL. O Acesso de Alunos com Deficiência às Escolas e Classes Comuns da Rede Regular. Ministério Público Federal – Fundação Procurador Pedro Jorge Silva (org.), 2004. Disponível em: http://www.adiron.com.br/arquivos/cartilhaatual.pdf. Acesso em: 03 set. 2018.

BRASIL. Política Nacional da Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília, 2008. Disponível em http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=16690-politica-nacional-de-educacao-especial-na-perspectiva-da-educacao-inclusiva-05122014&Itemid=30192. Acesso em: 03 set. 2018.

BRASIL. Lei 12.764 de 11/12/20122 - Institui a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista; e altera o § 3o do art. 98 da Lei no 8.112, de 11 de dezembro de 1990. Disponível em: presrepublica.jusbrasil.com.br/legislacao/1033668/lei-12764-12. Acesso em: 03 set. 2018.

BRASIL. Decreto no 8.368, de 02/12/2014 – Regulamenta a Lei 12.764, de 11/12/2012. Disponível: http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/_Ato2011-2014/2014/Decreto/D8368.htm. Acesso em: 03 set. 2018.

BRASIL. Lei 13.146 de 06/07/2015 – Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência. Disponível: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13146.htm. Acesso em: 03 set. 2018.

CORTELAZZO, I. B. C. Formação de professores para uma educação inclusiva mediada pelas tecnologias. In: GIROTO, C. R. M.; POKER, R. B.; OMOTE, S. (Orgs.). As tecnologias nas práticas pedagógicas inclusivas. Marília: Oficina Universitária; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2012, p. 93-120.

FACION, J. R.; MARINHO, V.; RABELO, L. Transtorno autista. In: FACION, J. R (Ed.). Transtornos invasivos do desenvolvimento associados a graves problemas do comportamento: reflexões sobre um modelo integrativo. Brasília, DF: Corde, 2002. p. 23-38.

GALVÃO FILHO, T. A.; MIRANDA, T. G. Tecnologia Assistiva e salas de recursos: análise crítica de um modelo. In: GALVÃO FILHO, T. A. (Org.); MIRANDA, T. G. (Org.). O professor e a educação inclusiva: formação, práticas e lugares. Salvador: Editora da Universidade Federal da Bahia - EDUFBA, 2012, p. 247-266.

KANNER, L. Autistic Disturbances of Affective Contact. Nervous Child, n. 2, 1943, p.217-250.

MELO, S. C. Inclusão em educação: um estudo sobre as percepções de professores da rede Estadual de Ensino Fundamental do Rio de Janeiro, sobre práticas pedagógicas de inclusão. Tese (Doutorado em Educação), Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2010.

MELLO, M. L. S. Registros de aula: espaços de estudo sobre o currículo. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2007.

PERRENOUD, P.; PAQUAY, L.; ALTET, M.; CHARLIER, É. (orgs.). Formando professores profissionais: Que estratégia? Que competência. Porto Alegre, RS: Artmed Editora, 2001.

RIVIÈRE, Á. O autismo e os transtornos globais do desenvolvimento. In: COLL, C.; MARCHESI, A.; PALACIOS, J. (Org.). Desenvolvimento psicológico e educação. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2004. v. 3, p. 234-254.

Downloads

Publicado

01/12/2018

Como Citar

MELO, S. C. de; SANTIAGO, M. C. Alunos com TEA como desencadeadores de processos formativos. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 22, n. 2, p. 890–904, 2018. DOI: 10.22633/rpge.unesp.v22.nesp2.dez.2018.11919. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/11919. Acesso em: 24 jul. 2021.

Edição

Seção

Artigos

Artigos Semelhantes

1 2 3 4 5 6 > >> 

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.