Atuação do setor privado no processo de construção curricular: o sequestro dos fins públicos da educação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v25i3.14903

Palavras-chave:

Currículo , Mercadorização , Privatização , Gestão democrática

Resumo

No Brasil, assim como em muitos outros países, a presença do setor privado na educação vem aumentando de modo exponencial conforme apontam muitos estudos. Tal movimento de avanço do setor privado na educação pode ser compreendido no movimento de crise e expansão capitalista. Este artigo se constitui em um ensaio teórico baseado nas pesquisas realizadas pela autora em mais de 15 anos de estudos acerca da temática da privatização da educação. Tem por objetivo refletir acerca da incidência do setor privado no “processo de construção curricular” e destacar que este movimento tem levado ao sequestro dos fins públicos da educação pelos reformadores empresariais. Aponta-se para as potencialidades da gestão democrática como possibilidade contra hegemônica na perspectiva de definição de fins públicos e coletivos para a educação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Raquel Fontes Borghi, Universidade Estadual Paulista (UNESP), Rio Claro – SP

Docente do Departamento de Educação e Coordenadora do Programa de Pós-graduação em Educação. Doutorado em Educação Escolar (UNESP).

Referências

ADRIÃO, T. Introdução. In: GARCIA, T; ADRIÃO, T. (Org.). Currículo, gestão e oferta da educação básica brasileira: incidências de atores privados nos sistemas estaduais (2005-2015). Curitiba, PR: CRV, 2018a.

ADRIÃO, T. (Coord.). Mapeamento das estratégias de privatização da educação básica no Brasil (2005-15). 2018b. Disponível em: https://www.greppe. fe.unicamp.br/pt.br/mapeamento_da_insercao_do_setor_privado_nas_redes_estaduais_de_educacao_2005_2015. Acesso em: 10 ago. 2020.

ADRIÃO, T. et al. Grupos empresariais na educação básica pública brasileira: limites à efetivação do direito à educação. Educação e Sociedade, Campinas (SP), v. 37, p. 113-131, 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/es/v37n134/1678-4626-es-37-134-00113.pdf. Acesso em: 10 jul. 2020.

ADRIÃO, T. et al. Uma modalidade peculiar de privatização da educação pública: a aquisição de "sistemas de ensino" por municípios paulistas. Educação e Sociedade, Campinas (SP), v. 30, n. 108, p. 183-198, 2009. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-73302009000300009. Acesso em: 15 set. 2020.

APPLE, M. Educando a direita. Mercados, padrões, deus e desigualdade. São Paulo, SP: Cortez/Instituto Paulo Freire, 2003.

APPLE, M. Repensando ideologia e currículo. In: MOREIRA, A. SILVA, T. (Org.) Currículo, cultura e sociedade. 7. ed. São Paulo, SP: Cortez, 2002.

BALL, S. Educação Global S. A.: novas redes de políticas e o imaginário neoliberal. Trad. Janete Bridon. Ponta Grossa, PR: UEPG. 2014. 270 p.

BELFIELD, C. R.; LEVIN, H. M. A privatização da educação: causas e implicações. Lisboa, Portugal: Edições ASA, 2004.

BERTAGNA, R.; BORGHI, R. Possíveis relações entre avaliação e sistemas apostilados privados em escolas públicas. Revista Educação: teoria e prática, Rio Claro (SP), v. 21, n. 38, p. 132-146, 2011. Disponível em: https://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/educacao/article/view/5269. Acesso em: 10 dez. 2020.

BORGHI, R. Que educação é pública? A atuação do setor privado no processo de construção curricular. In: CONGRESSO IBERO-AMERICANO DE POLÍTICA E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO, 6.; CONGRESSO LUSO-BRASILEIRO DE POLÍTICA E ADMINISTRAÇÃO DA EDUCAÇÃO, 9., 2018, Brasília. Anais [...]. Brasília, DF: ANPAE, 2018a. Tema: Gestão pedagógica, organização curricular, qualidade da educação, direitos humanos, diversidade cultural e inclusão social.

BORGHI, R. Que educação é pública? A privatização de um direito. Revista ECCOS, n. 46, maio/jun. 2018b. Disponível em: https://periodicos.uninove.br/eccos/article/view/7832. Acesso em 8 dez. 2020.

BORGHI, R.; BERTAGNA, R. H. Que educação é pública? Análise preliminar do atendimento conveniado na educação infantil nas diferentes regiões administrativas brasileiras. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília (DF), v. 97, p. 506-518, 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2176-66812016000300506. Acesso em: 12 out. 2020.

COSTOLA, A; BORGHI, R. Os reformadores empresariais e as políticas educacionais: análise do movimento todos pela base nacional comum. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 22, n. esp. 3, p. 1313-1324, 2018. e-ISSN: 1519-9029. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/11889. Acesso em: 12 maio 2020.

FREITAS, L. A reforma empresarial da educação: nova direita, velhas ideias. São Paulo, SP: Expressão Popular, 2018.

FREITAS, L. Os reformadores empresariais da educação: da desmoralização do magistério à destruição do sistema público de educação. Educação e Sociedade, Campinas (SP), v. 33, n. 119, p. 379-404, abr./jun. 2012. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/es/v33n119/a04v33n119.pdf. Acesso em 5 dez. 2020.

GARCIA, T. A organização do trabalho na escola e a participação dos educandos. Revista Educação teoria e prática, Brasília (DF), v. 14, n. 26, p. 67-93, 2006. Disponível em: https://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/educacao/article/view/410. Acesso em: 2 out. 2020.

GARCIA, T. et al. Sistemas privados de ensino em escolas municipais paulistas: implicações para o planejamento e o trabalho docente. In: SOUZA, D.; SARTI, F. (Org.). Mercado de formação docente: constituição, funcionamento e dispositivos. 1. ed. Belo Horizonte, MG: Fino Traço, 2014. v. 1, p. 263-284.

GIMENO SACRISTAN, J. O currículo: uma reflexão sobre a prática. Porto Alegre, RS: Artmed, 2000.

OLIVEIRA, R. O empresariado industrial e a educação brasileira. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro (RJ), n. 22, p. 47-60, 2003. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbedu/n22/n22a06.pdf. Acesso em: 2 nov. 2020.

PARO, V. Educação para a democracia: o elemento que falta na discussão da qualidade do ensino. Revista Portuguesa de Educação, Braga (Portugal), v. 13. n. 1, p. 23-38, 2000. Disponível em: https://core.ac.uk/download/pdf/25652841.pdf. Acesso em: 5 nov. 2020.

PERONI, V. Múltiplas formas de materialização do privado na educação básica pública no Brasil: sujeitos e conteúdo da proposta. Currículo sem Fronteiras, v. 18, p. 1-27, 2018. Disponível em: http://www.curriculosemfronteiras.org/vol18iss1articles/peroni.pdf. Acesso 10 fev. 2020.

PONCE, B. O currículo e seus desafios na escola pública brasileira: em busca da justiça curricular. Currículo sem Fronteiras, v. 18, n. 3, p. 785-800, set./dez. 2018. Disponível em: http://www.curriculosemfronteiras.org/vol18iss3articles/ponce.pdf. Acesso em 18 out. 2019.

RAVITCH, D. Vida e morte do grande sistema escolar americano: como os testes padronizados e o modelo de mercado ameaçam a educação. Trad. Marcelo Duarte. Porto Alegre, RS: Sulina, 2011.

SADER, E. Público versus mercantil. Folha de S. Paulo, São Paulo, 19 jun. 2003.

SANTOS, A. F. Pedagogia do mercado. Neoliberalismo, trabalho e educação no século XXI. Ibis Libris, 2012.

SILVA JÚNIOR, J. R.; SGUISSARDI, V. Novas faces da educação superior no Brasil. 2. ed. rev. São Paulo, SP: Cortez; Bragança Paulista, SP: USF-IFAN. 2001.

SOUZA, D.; SARTI, F. Mercado simbólico de formação docente. In: SOUZA, D.; SARTI, F. (Org.). Mercado de formação docente: constituição, funcionamento e dispositivos. Belo Horizonte, MG: Fino Traço, 2013.

Downloads

Publicado

08/12/2021

Como Citar

BORGHI, R. F. Atuação do setor privado no processo de construção curricular: o sequestro dos fins públicos da educação. Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 25, n. 3, p. 2744–2758, 2021. DOI: 10.22633/rpge.v25i3.14903. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/14903. Acesso em: 24 maio. 2022.