Educação física, gerontologia e bioética: visões sobre a autonomia do idoso

Autores

DOI:

https://doi.org/10.22633/rpge.v25i2.15328

Palavras-chave:

Educação física, Gerontologia, Bioética, Autonomia

Resumo

Este estudo é uma revisão de literatura que busca demonstrar as visões da Educação Física, da Gerontologia e da Bioética em relação à Autonomia do Idoso. A pesquisa de cunho bibliográfico objetivou proporcionar o acesso à literatura para análise de estudos já produzidos sobre o assunto e realizada junto aos estudos relacionados às práticas de elaboração de Tese de Doutoramento em Gerontologia Biomédica, no Instituto de Geriatria e Gerontologia da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. Justifica-se a temática devido à importância que esta assume no cenário científico atual e em suas discussões em uma dimensão estratégica, a qual torna importante enfatizar e estimular a prática de envelhecer com saúde e qualidade. E sendo a Autonomia juntamente com fatores de funções físicas, mentais e psicológicas de suma importância para um envelhecer saudável, promovendo para a pessoa idosa a sua independência e a dignidade para realizar suas escolhas. Como resultado da pesquisa podem se enfatizar que é imprescindível estimular a prática regular de atividade física aeróbica ou de fortalecimento muscular, as quais trazem mudanças para a adoção de um estilo de vida ativo ao indivíduo e é parte fundamental de um envelhecer com qualidade e saúde. Desta forma o estudo considera que a Bioética está preocupada com a qualidade de vida existente, dos seres humanos; onde esta acompanha com atenção especial as áreas da saúde; e observa a aplicabilidade e a relação dos seus princípios com a produção do conhecimento. O conhecimento produzido tem por objetivo compreender a importância da Educação Física e ainda verificar se suas práticas estão voltadas para os estudos da Gerontologia e do respeito à Autonomia do Idoso.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucimauro Fernandes de Melo, Universidade Regional do Médio Alto Uruguai (URI), Frederico Westhalen – RS

Professor Titular no Curso de Educação Física e Membro do Grupo de Pesquisa em Educação Física – GPEDF (Ciências da Saúde, Educação Física). Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Geriatria e Gerontologia Biomédica (PUCRS).

José Roberto Goldim, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), Porto Alegre – RS

Professor Adjunto na Escola de Medicina da PUCRS, Professor no Programa de Pós-Graduação em Medicina e Ciências da Saúde e no Programa de Pós-Graduação em Gerontologia Biomédica. Doutorado em Medicina: Clínica Médica (UFRGS).

Referências

AMERICAN COLLEGE OF SPORTS MEDICINE. Guidelines for exercise testing and prescription. 5. ed. Philadelphia: Williams & Wilkins, 1995.

BRASIL. Lei 10.741, de 01 outubro de 2003. Dispõe sobre o Estatuto do Idoso. Brasília, DF, 03 out. 2003. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/2003/lei-10741-1-outubro-2003-497511-norma-pl.html. Acesso em: 10 out. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria n. 2.528, de 01 de outubro 2006. Aprova a Política Nacional da Pessoa Idosa. Brasília, DF: Ministério da Saúde, 2006. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2006/prt2528_19_10_2006.html. Acesso em: 10 out. 2020.

DIAS, J. M. Bioética e educação física. Documento CONFEF/CREF. Disponível em: http://www.confef.org/. Acesso em: 10 out. 2020.

GOLDIM, R. J. Bioética e Interdisciplinaridade. Disponível em: www.bioetica.ufrgs.br/bioética.htm acessado. Acesso em: 10 out. 2020.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/condicaodevida/indicadoresminimos/sinteseindicsociais2016/default.shtm. Acesso em: 10 out. 2020.

LOPEZ, M. Fundamentos da clínica médica: a relação paciente-médico. Rio de Janeiro, RJ: Medsin Editora Médica e Cientifica, 2007.

MANTOVANI, E. P. Atividade física, saúde e envelhecimento. Disponível em: https://www.fef.unicamp.br/fef/sites/uploads/deafa/qvaf/funcamp_cap9.pdf. Acesso em: 02 abr. 2012.

MATSUDO, S. M. Atividade física e envelhecimento: aspectos epidemiológicos. Rev Bras Med Esporte, São Paulo, v. 7, n. 1, 2001.

MATSUDO, S. M. Envelhecimento, atividade física e saúde. R. Min. Educ. Fís., Viçosa (MG), v. 10, n. 1, p. 195-209, 2002.

NÓBREGA, A. C. L. et al. Posicionamento oficial da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte e da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia: atividade física e saúde no idoso. Rev Bras Med Esp., v. 5, n. 6, p. 207-211, nov./dez. 1999.

PESSINI, L.; BARCHIFONTAINE, C. P. Problemas atuais de bioética. 5. ed. São Paulo, SP: Loyola, 2000.

PONT GEIS, P. Atividade física e saúde na terceira idade: teoria e prática. Trad. Magda Schwartzhaupt Chaves. 5. ed. Porto Alegre, RS: Artmed, 2003.

ROTANIA, A. A linguagem como veículo da ética. Cadernos de Ética em Pesquisa, ano 4, v. 13, p. 23, 2004.

SALLIS, J. F.; OWEN, N. Physical activity and behavioral medicine. Thousand Oaks, California: Sage Publications. 1994.

SBAFS. Sociedade Brasileira de Atividade Física e Saúde. 2019. Disponível em: https://www.sbafs.org.br/_artigos/548.pdf. Acesso em: 02 abr. 2012.

STEPHENS, T. Fitness and lifestyle in Canada: a report. Ottawa: Fitness and Amateur Sport; 1983.

Downloads

Publicado

01/08/2021

Como Citar

MELO, L. F. de; GOLDIM, J. R. Educação física, gerontologia e bioética: visões sobre a autonomia do idoso . Revista on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, v. 25, n. 2, p. 1475–1485, 2021. DOI: 10.22633/rpge.v25i2.15328. Disponível em: https://periodicos.fclar.unesp.br/rpge/article/view/15328. Acesso em: 25 out. 2021.