Abordagem híbrida no ensino superior: reflexões teórico-metodológicas

Elisabete Cerutti, Lucimauro Fernandes de Melo

Resumo


O estudo em questão versa acerca de conceitos teórico-metodológicos construídos no Grupo de Pesquisa em Educação e Tecnologias – GPET, na Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões – URI Campus de Frederico Westphalen – RS. Objetiva abordar o Ensino Híbrido como fonte de práticas interativas no Ensino Superior. Tem como metodologia o estudo qualitativo, através da pesquisa teórica, e traz em seu referencial os principais expoentes: Prensky (2010), Christensen (2015), Bacich (2015). As instituições vêm recebendo uma geração nativa digital que expressa seus saberes e desejos de aprender, tendo a tecnologia como uma forte aliada. Urge preparar o professor para uma prática reflexiva, à inovação e à interação. Como conclusão, os pressupostos do Ensino Híbrido aliam a interatividade e o conhecimento, tão necessários a esta geração que chegou à universidade, e que possibilitam ao professor instituir uma metodologia que proponha a ampla troca de ideias e a capacidade de dialogar sobre conteúdos de maneira interativa e diferenciada.
Palavras-chave: Ensino Híbrido. Professor. Ensino Superior.


Palavras-chave


Ensino híbrido. Professor. Ensino superior.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, M. E. B. de. e SILVA, M. da G. M. da. Currículo, tecnologia e cultura digital: espaços e tempos de web currículo. Revista e-curriculum, São Paulo, v.7 n.1 Abril/2011.

BACICH, Lilian; NETO, Adolfo Tanzi; TREVISANI, Fernando de Mello (Orgs.). Ensino híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015.

CERUTTI, Elisabete. GIRAFFA, Lucia Maria Martins. Uma nova juventude chegou à universidade: e agora, professor¿. 1. Ed. Curitiba, PR, CRV, 2015.

CHRISTENSEN, Claiton M; HORN, Micehael B; STAKER, Heather. Ensino Hibrido: uma Inovaçao Disruptiva? Uma introdução à teoria dos híbridos. Disponível em: . Acesso em 28 de abr. 2016.

CRISTENSEN, M.; HORN, M.; STAKER, H. Ensino híbrido: uma inovação disruptiva. Uma introdução à teoria dos híbridos. Instituto Península (Trad.). Fundação Lemann. Porto Alegre: Penso, 2013.

KENSKI, V. M. Tecnologias e ensino presencial e a distância. 3.ed. Campinas, SP: Papirus, 2003.

LÉVY P. O ciberespaço como um passo metaevolutivo. Porto Alegre: Sulina, 2004.

LÉVY P. P. Cibercultura: São Paulo, Editora 34, 1999.

LATOUR, Bruno. Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. Benedetti, Ivone (Trad.), 2 ed São Paulo: Editora Unesp, 2011.

MORAN, José Manuel. Desafios na Comunicação Pessoal. 3ª Ed. São Paulo: Paulinas, 2007.

PRENSKY, Marc. Teaching Digital Natives: Partnering for Real Learning. New York: Corwin, 2010.

SILVA, Rodrigo Abrantes da; CAMARGO, Ailton Luiz. A cultura escolar na era digital. In: BACICH, Lilian; NETO, Adolfo Tanzi; TREVISANI, Fernando de Mello (Orgs.). Ensino híbrido: personalização e tecnologia na educação. Porto Alegre: Penso, 2015.

RÜDIGER, Francisco. As teorias de cibercultura. Porto Alegre, RS: Sulina, 2011.




DOI: https://doi.org/10.22633/rpge.v21.n.esp1.out.2017.9826



Rev. on line de Política e Gestão Educacional, Araraquara, SP, Brasil, e-ISSN: 1519-9029

DOI prefix: 10.22633/rpge

Licença Creative Commons 

Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.